NOS

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de ZON TVCabo)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NOS
Razão social NOS, SGPS
Empresa de capital aberto
Slogan Há mais em NOS
Cotação Euronext Lisboa: NOS[1]
Indústria Telecomunicações
Género Sociedade anónima
Fundação maio de 2014
Sede Lisboa, Portugal Portugal
Pessoas-chave Miguel Almeida (CEO)
Produtos televisão, internet, telefone fixo e móvel, salas de cinema, distribuição de conteúdos
Subsidiárias
Acionistas ver abaixo
Valor de mercado Aumento EUR 3,026 milhões (em junho de 2016)[3]
Antecessora(s) ZON Optimus
Website oficial www.nos.pt
Disambig grey.svg Nota: Para uma empresa de radiodifusão Holandês, veja Nederlandse Omroep Stichting.

A NOS (anteriormente denominada ZON OPTIMUS)[4] é um grupo de comunicações e entretenimento português,[5] resultante da fusão, em 2013, de duas das maiores empresas de comunicações do país: a ZON Multimédia e a OPTIMUS Telecomunicações.[6] Oferece soluções fixas e móveis de última geração, televisão, internet, voz e dados para todos os segmentos de mercado (pessoal, residencial e empresarial).[7]

É líder na televisão por subscrição, em serviços de triple play e na distribuição e exibição cinematográfica em Portugal, através da NOS Audiovisuais e dos Cinemas NOS, respetivamente.[8]

Serviços prestados[editar | editar código-fonte]

Os serviços que oferece incluem:

Optimus Telecomunicações[editar | editar código-fonte]

Optimus foi uma operadora de telecomunicações móveis portuguesa e marca de telecomunicações, sendo portadora de licenças de utilização GSM e UMTS, é gerida a 100% pela NOS SGPS. Constituída no final de 1997 como Optimus Telecomunicações, S.A., iniciou as suas operações no sistema GSM em 15 de Setembro de 1998. A intenção de fusão da ZON e da OPTIMUS foi anunciada em dezembro de 2012, mas só em Abril de 2013 foi aprovada acabando por se fundirem no dia 27 de agosto de 2013. Em 16 de Maio de 2014, com a fusão entre a ZON e a Optimus, nasceu a marca NOS.[9]

História[editar | editar código-fonte]

Optimus Telecomunicações
Razão social Optimus Clix
Indústria Telecomunicações
Fundação 1998
Produtos Telecomunicações Movéis, Internet
Website oficial www.nos.pt

1998[editar | editar código-fonte]

A Optimus nasceu da união de empresas que integram grupos económicos nacionais e internacionais, do qual faz parte o Grupo Sonae, o maior acionista da operadora e, na altura do seu lançamento, a Orange/France Telecom.

Começou a operar em 15 de Setembro de 1998, juntando-se aos outros operadores, TMN (agora MEO) e Telecel (agora Vodafone). Esse início de operações foi sucedido por uma intensiva campanha publicitária. A forma encontrada pela empresa para atrair os clientes foi criar o estatuto de Pioneiros, onde os clientes pre-registados poderiam fazer chamadas de baixo custo, 5 escudos ( 0,025) por minuto para clientes da Optimus.

1999[editar | editar código-fonte]

O prefixo da Optimus, que no início era 0933, mudou para apenas 93, seguindo o novo sistema de numeração do país. Ao prefixo acrescenta-se o número do cliente, sete dígitos, formando assim um número único com nove dígitos.

2000[editar | editar código-fonte]

A Optimus lança o serviço de difusão celular passando a disponibilizar um conjunto de informações sobre o Euro 2000, que permitem acompanhar, através do telemóvel, o desenrolar do campeonato de futebol. Este serviço permite seguir a evolução dos jogos em tempo real, através de uma permanente actualização dos resultados. A informação disponível também se estende à classificação das diversas equipas, incluindo pontuação, número de jogos realizados, empates, vitórias, derrotas e golos marcados e sofridos, para além das principais notícias relativas à selecção nacional. (No entanto o serviço não chegou a ter continuidade a nível comercial tendo sido descontinuado sem sequer ter sido lançado).

No mesmo ano a empresa ganhou uma das quatro licenças para UMTS (Universal Mobile Telecommunications System).

2004[editar | editar código-fonte]

A Optimus muda a sua imagem, trocando o azul pelo laranja. Esta mudança criou rumores de que poderia estar em preparação uma mudança de marca para Orange, o que não se concretizou. Em 15 de Novembro, a Optimus, juntamente com a Novis (que faz igualmente parte do Grupo Sonaecom), lançou um novo serviço de telefone de rede fixa intitulado Optimus Home. Tendo como objectivo fazer concorrência à PT (que dominava o mercado das telecomunicações fixas) foi criado um serviço telefónico sem assinatura mensal, inédito a nível mundial. Tornou-se uma alternativa de mercado para os lares ligados a redes fixas de comunicação, com uma proposta de valor bastante atractivo, de tal forma que, após um ano de comercialização, cerca de 100.000 famílias já não pagavam assinatura mensal.

2005[editar | editar código-fonte]

É lançado o serviço de Internet sem fios através do GPRS e 3G, com velocidades de downlink acima de 386 kbits/s, com o nome comercial de Kanguru. Este serviço sofreu uma mudança nas suas características em Maio de 2006 com o lançamento do Kanguru Xpress, que utiliza HSDPA. A sua velocidade está acima dos 1.8 Mbits/s.

2006[editar | editar código-fonte]

É testado a nível piloto um serviço interactivo de mensagens escrita flash Idle Screen em que participaram 300 clientes, no qual durante o dia recebiam mensagens directamente no display do telemóvel e que poderiam interagir com as mesmas conforme o conteúdo e tema recebido. Serviço com imenso sucesso nos últimos anos em vários operadores em vários países. (No entanto o serviço não chegou a ter continuidade a nível comercial tendo sido descontinuado sem sequer ter sido lançado).

2007[editar | editar código-fonte]

A 1 de Novembro é decidida a fusão por incorporação da Optimus Telecomunicações, S.A. (operadora móvel) na Novis Telecom S.A[10] (operadora fixa, que detinha a Clixgest - gestora do Clix), sendo renomeada de Sonaecom - Serviços de Comunicações, S.A..

2008[editar | editar código-fonte]

A 8 de Janeiro é lançada oficialmente a nova imagem da empresa, "desvinculizando-se" assim do boomerang (utilizado nos últimos 10 anos), trocando-o pelo magma, para transmitir uma ideia de organismo vivo, moderno e facilmente moldável. Este acontecimento foi assinalado com uma grande festa no Pavilhão Atlântico em Lisboa: mais de 2800 pessoas, entre colaboradores e convidados, assistiram à revelação da nova imagem, à qual esteve associado um espectáculo de pirotecnia.

Em maio desse mesmo ano foi lançado o tarifário TAG, pioneiro no segmento. Este novo conceito de tarifário permite aos clientes que tenham o mesmo tarifário comunicar gratuitamente entre si, tanto ao nível das chamadas (de voz e de vídeo) como das mensagens (de texto e multimédia). Esta nova abordagem de mercado teve tanto sucesso que fez com que as restantes operadoras criassem conceitos idênticos, tendo assim sido criados os tarifários Vita 91 Extreme e Yorn Power Extravaganza (na Vodafone) e Moche (na TMN).

2010[editar | editar código-fonte]

Fusão da Optimus com a Clix, sendo a Optimus a empresa única de telecomunicações da Sonaecom.

2011[editar | editar código-fonte]

Semelhante a 1998 a Optimus cria o conceito "Pioneiros" desta vez associado ao tarifário TAG, possibilitando assim a todas as adesões realizadas no mês de Maio de 2008 um carregamento mensal obrigatório de €9,99 e todas as tarifas originais do tarifário. Todos os restantes clientes com o tarifário TAG possuem agora um carregamento mensal obrigatório de €12,50.

A Optimus Clix lança um serviço de TV por cabo, que inclui internet e telefone, também conquistou o reconhecimento internacional de "Melhor Serviço ao Cliente" da Europa, Médio Oriente e África, ao vencer os prémios Contact Center World 2011, na categoria "Best in Customer Service - EMEA." A empresa é distinguida nos "APCC Portugal Best Awards 2010" como tendo o melhor serviço ao cliente em Portugal. A Optimus mudou de assinatura para "O que nos liga é Optimus"

2013[editar | editar código-fonte]

A Optimus e a ZON estiveram em negociações para fundir as duas empresas desde 2012. Em 2013 a entidade reguladora para a Comunicação Social informou a Autoridade da Concorrência de que não se opunha ao negócio, que veio a concretizar-se em 2013, formando a ZON Optimus.

Numa manobra arriscada a 31 de Julho de 2013, na véspera da sua fusão com a Zon, a Optimus Clix, operadora de serviços de televisão por cabo, tomou a decisão de não cumprir o Decreto Lei 9/2013 que regula a liquidação, a cobrança,o pagamento e a fiscalização das taxas previstas na Lei n.º 55/2012 (de 6 de setembro, que aprova a lei das atividades cinematográficas e audiovisuais) e recusou a pagar as taxas devidas pela empresa ao estado português.

2014[editar | editar código-fonte]

A 16 de maio de 2014, a marca Optimus extingue-se, assim como a ZON e nasce a marca NOS, fruto da fusão entre as duas marcas.

Mais Historia[editar | editar código-fonte]

História Optimus - NOS

Prémios[editar | editar código-fonte]

A Optimus já foi premiada com três GSM Awards.

  • 1999: Best Technical Innovation (Melhor Inovação Tecnológica)
  • 2000: Best GSM Service for Customers (Melhor Serviço GSM para Clientes)
  • 2001: GSM in the Community (GSM na Comunidade)1

1Prémio dividido com Geocell (Georgia), MTN Networks (Sri Lanka) e Mobitai (Taiwan).

Tárifários[editar | editar código-fonte]

1998[editar | editar código-fonte]

Chamadas a apenas 5$ por minuto, desde o primeiro minuto, para qualquer número Optimus. Foi também o primeiro a introduzir taxação ao segundo após o 1º minuto, juntamente com a redução do carregamento obrigatório para apenas 4000$ (20 €) a cada 2 meses. Este tarifário fez parte da campanha especial de lançamento da operadora, e quer os aderentes quer o tarifário em si foram denominados de "Pioneiros". A campanha de adesão foi um sucesso.

2000[editar | editar código-fonte]

O lançamento do primeiro tarifário sem carregamentos obrigatórios. O "Livre", assim se chamava, não necessitava de qualquer carregamento obrigatório ou assinatura mensal. Era tão-só ligar e falar, sem compromissos. As tarifas desta variante eram diferenciadas: para Optimus, rondavam os 0,20 € por minuto; para outras redes, rondavam os 0,60 € por minuto. Atualmente, o tarifário é denominado, quer internamente quer na identificação fornecida ao Cliente, por "Livre Original".

O lançamento do primeiro tarifário sem carregamentos com preços iguais para todas as redes. Subsequente ao lançamento do Livre, surgiu, no dia 12 de Setembro de 2000, o tarifário Livre Total. Este tarifário rompia com todas as barreiras que existiam: até então, quem falasse mais para uma qualquer rede veria mais vantagens em ser cliente dessa mesma rede móvel, uma vez que as tarifas eram mais baixas. Com o lançamento deste tarifário, deixaram de haver tais barreiras. O preço do tarifário era de 59$00 (0,295 €) por minuto, mas quem aderiu até 31 de Outubro beneficiou de um desconto de 10$00 nas tarifas cobradas, passando assim a ser de 49$00 (0,245 €) por minuto, e em todos os minutos, tari período de transição da marca: após ter sido lançado um novo serviço, as SMS, em meados de 2000, o slogan da marca foi alterado de "Falar assim é Optimus" para "Um mundo assim é Optimus", bem como a própria imagem de marca, que passou a ser na cor laranja.

2004[editar | editar código-fonte]

Lançamento do primeiro tarifário com mensagens gratuitas Em meados de 2004, a Optimus surpreendeu tudo e todos ao lançar um tarifário com SMS gratuitas: 150 por semana para qualquer rede móvel nacional. O "Boomerang Chat" conjugava também preços reduzidos para Optimus (0,15 € por minuto) e para outras redes (0,32 € por minuto), mediante um carregamento obrigatório de 20 € a cada 2 meses. As mensagens escritas custavam apenas 0,08 €. Algum tempo depois do tarifário ser lançado, a Optimus alterou as caraterísticas do tarifário, passando este a integrar SMS gratuitas apenas para a rede móvel Optimus, alteração que abrangeu quer quem aderiu ao Boomerang Chat Promocional quer quem aderiu ao Boomerang Chat após o período onde fora considerado como Promocional.

2008 e 2009[editar | editar código-fonte]

Lançamento do primeiro tarifário com comunicações na sub-rede a custo zero Em maio de 2008, a Optimus lançou uma oferta que abanou o mercado das telecomunicações, e à qual as duas outras operadoras - TMN e Vodafone - apenas responderam razoavelmente em fevereiro de 2009: o tarifário TAG. Este tarifário conjugou chamadas, SMS, MMS e vídeochamadas a custo zero para clientes que possuíssem o mesmo tarifário (podendo, portanto, falar entre eles gratuitamente) e chamadas para outras redes móveis a apenas 0,20 € por minuto e 0,06 € por mensagem com acesso gratuito ao Messenger da Optimus.

Inicialmente, o tarifário funcionava num sistema de mensalidade, onde o cliente teria de carregar €9,99 que não ficariam em saldo, tendo porém um crédito de €2,50 mensalmente para comunicar para outras redes. Porém, poucos dias depois, a operadora alterou várias condições do tarifário, tendo este convertido os €9,99 de mensalidade em carregamento obrigatório, adicionado chamadas a €0,05 após o primeiro minuto para outros clientes Optimus e mensagens gratuitas para Optimus até um máximo de 1500 SMS por semana, o que, juntamente com uma publicitação massiva, provocou uma enorme adesão ao referido tarifário.

No mesmo mês, Vodafone e TMN responderam com os tarifários Moche, no caso da TMN, e Extreme e Extravaganza no caso da Vodafone, mas tais tarifários eram de mensalidade e assim permanecem até aos dias de hoje, tendo apenas sido criada uma variante de carregamentos em fevereiro de 2009, com notórias diferenças para o concorrente Tag a nível de custos em chamadas e mensagens para outras redes e carregamentos obrigatórios.

2010[editar | editar código-fonte]

Fusão da Optimus com a Clix, passando a ser denominada Optimus Clix, a única empresa de telecomunicações da Sonaecom.

2011[editar | editar código-fonte]

Semelhante a 1998 a Optimus cria o conceito "Pioneiros" desta vez associado ao tarifário TAG, possibilitando assim a todas as adesões realizadas no mês de Maio de 2008 um carregamento mensal obrigatório de €9,99 e todas as tarifas originais do tarifário. Todos os restantes clientes com o tarifário TAG possuem agora um carregamento mensal obrigatório de €12,50.

A Optimus Clix lança um serviço de TV por cabo, que inclui internet e telefone, também conquistou o reconhecimento internacional de "Melhor Serviço ao Cliente" da Europa, Médio Oriente e África, ao vencer os prémios Contact Center World 2011, na categoria "Best in Customer Service - EMEA." A empresa é distinguida nos "APCC Portugal Best Awards 2010" como tendo o melhor serviço ao cliente em Portugal. A Optimus mudou de assinatura para "O que nos liga é Optimus"

2013[editar | editar código-fonte]

A Optimus e a ZON estiveram em negociações para fundir as duas empresas desde 2012. Em 2013 a entidade reguladora para a Comunicação Social informou a Autoridade da Concorrência de que não se opunha ao negócio, que veio a concretizar-se em 2013, formando a ZON Optimus.

Numa manobra arriscada a 31 de Julho de 2013, na véspera da sua fusão com a Zon, a Optimus Clix, operadora de serviços de televisão por cabo, tomou a decisão de não cumprir o Decreto Lei 9/2013 que regula a liquidação, a cobrança,o pagamento e a fiscalização das taxas previstas na Lei n.º 55/2012 (de 6 de setembro, que aprova a lei das atividades cinematográficas e audiovisuais) e recusou a pagar as taxas devidas pela empresa ao estado português.

2014[editar | editar código-fonte]

A 16 de maio de 2014, a marca Optimus extingue-se, assim como a ZON e nasce a marca NOS, fruto da fusão entre as duas marcas.

Clientes[editar | editar código-fonte]

De acordo com a contagem da ANACOM no 3º trimestre de 2011, compreendido entre junho e setembro, existiam mais de 16 milhões de números de telemóvel ativos em Portugal, sendo 3,58 milhões clientes Optimus, correspondentes a 15,4% de quota de mercado, mais 1,4% que no trimestre anterior.

Clasificação[editar | editar código-fonte]

Na NOS existem várias classificações internas, ou patamares, para os seus clientes, que determinam a exposição a ofertas de duração limitada, as tarifas que possuem e a rapidez e qualidade do apoio a cliente.

Relativamente a tarifários, as classificações são:

  • Pioneiros - Todos os clientes que adiram ao tarifário no período de lançamento do mesmo (exemplos: Boomerang Pioneiros, TAG Pioneiros), condição que apenas é adquirida por antiguidade, isto é, quando o cliente já tem bastante tempo de permanência no dito tarifário ou quando este é descontinuado, constituindo qualquer um dos dois motivo para, se houverem alterações ao tarifário, os clientes Pioneiros permanecerem com as mesmas tarifas e o mesmo custo.
  • Promocionais - Todos os clientes que adiram ao tarifário num período onde tenha condições específicas e promocionais guardam tal designação.

Todos os clientes que não possuam qualquer uma das duas designações nos tarifários são considerados clientes normais nesse capítulo.

Relativamente a dinheiro gasto com a operadora, as classificações são:

Clientes A - Pós-pagos no geral e clientes com carregamentos frequentes dependendo do tarifário. Nesta categoria também entram alguns tarifários especiais, nomeadamente o tarifário TAG Sonae, por exemplo, e cartões com tarifários ligados a colaboradores da Optimus no geral;

Clientes B - Fazem mais ou menos carregamentos dependendo do tarifário. Dividem-se em B1 e B2, dependendo do tarifário e valores;

Clientes C - Normalmente cartões novos (ainda sem primeiro carregamento) e alguns tarifários livres de carregamentos como o Optimus Pop ou os antigos tarifários ao segundo da Rede4. É importante ressalvar que cartões novos mas com tarifário de colaborador passam diretamente ao nível A.

Clientes melhor classificados têm, por exemplo, maior probabilidade e possibilidade de acederem a ofertas de curta duração e obtêm prioridade no apoio a Clientes relativamente a tempo de espera, obtendo ainda mais qualidade no atendimento, bem como acesso a melhores condições caso decidam renegociar as condições tarifárias que possuam na Optimus.

Continente Mobile[editar | editar código-fonte]

Em Julho numa parceria entre a Optimus e Continente criou-se uma operadora móvel virtual Continente Mobile no dia 08 julho de 2009[carece de fontes?] Uma chamada de um minuto para qualquer rede custava 12 cêntimos, um SMS custa 10 cêntimos.[11]O pacote oferecia 50% nos seguintes telemoveis: Samsung E1070 por 39,90Euro, Nokia 1680 por 49,90Euro, LG KP100 por 24,90Euro, Nokia 5130 Xpress Music por 89,90Euro, Sony Ericsson W580i - Hello Kitty por 109,90Euro, LG Cookie por 129,90Euro e finalmente o Nokia E71 pelo preço de 354,90Euro. O desconto é limitado à compra de um máximo de 5 telemóveis com 50% de desconto, por cada cartão cliente Continente ou Modelo.[11]

Cobertura[editar | editar código-fonte]

A cobertura móvel da NOS é a mesma que a Optimus.

A NOS cobre atualmente cerca de 98% da área territorial do país. No entanto, a cobertura tem algumas falhas de handover na região de Lisboa. Nas ilhas, a operadora tem fraca cobertura no Arquipélago dos Açores e satisfatória no Arquipélago da Madeira.

Algumas zonas de Portugal Continental, especialmente no interior, apenas possuem cobertura da rede móvel NOS, sendo inexistente ou insuficiente a cobertura do MEO e da Vodafone nessas zonas.

ZON Multimédia[editar | editar código-fonte]

A ZON Multimédia (anteriormente conhecida por PT Multimédia) foi um grupo empresarial português que liderou o mercado de televisão paga em Portugal,[12] foi a segundo maior fornecedora de Internet[13] e, à escala nacional, foi também líder no mercado de exibição cinematográfica.[14] Integrou o principal índice bolsista nacional, o PSI-20.[15]

ZON Multimédia, SGPS, S.A.
Logo zon.gif
Sociedade gestora de participações sociais (SGPS), Sociedade anónima (SA)
Fundação 1994 (como PT Multimédia)
2008 (como ZON Multimédia)
Encerramento 2013
Sede Lisboa, Flag of Portugal.svg Portugal
Pessoas-chave Rodrigo Costa, CEO
Empregados 1 620
Produtos Televisão por assinatura, Internet, distribuição de conteúdos audiovisuais, cinema e telecomunicações
Lucro Aumento EUR 36 milhões (2012)
Faturamento Aumento EUR 856,6 milhões (2012)[16]
Antecessora(s) PT Multimédia
Sucessora(s) NOS
Website oficial www.nos.pt

Foi a primeira empresa de Pay TV em Portugal, surgindo com a designação de TV Cabo, em 1993, antes de receber a licença para a operação cabo, em maio de 1994.[17] Em 2008, assumiu a nova designação, ZON Multimédia,[18] e uma nova estratégia assente na liderança do Triple Play.[19]

Logo ZON

No dia 24 de Julho de 2008, a ZON TV comprou, em conjunto com a CBI, a Bragatel e a Pluricanal (Leiria e Santarém, já que a Pluricanal Aveiro foi comprada pela Cabovisão, e a Pluricanal Gondomar foi comprada pela TVTEL nos anos 1990) ao empresário José Berardo.[1] A 17 de Janeiro de 2008, a TV Cabo anunciou a compra, em conjunto com a CGD, da TVTEL.

O negócio estava pendente de aprovação das entidades reguladoras e, que não se opuseram às compras, apresentando em contrapartida algumas condições no negocio. Estas operações iram reforçar a posição hegemónica e dominante da TV Cabo.

A intenção de fusão da ZON e da OPTIMUS foi anunciada em dezembro de 2012, mas só em Abril de 2013 foi aprovada acabando por se fundirem no dia 27 de agosto de 2013. Em 16 de Maio de 2014, com a fusão entre a ZON e a Optimus, nasceu a marca NOS.[9]

Historia[editar | editar código-fonte]

A ZON foi a primeira empresa de Pay TV em Portugal, surgindo com a designação de TV Cabo. Foi criada em 1993, antes de receber a licença para a operação cabo, em maio de 1994.[20] O serviço foi inaugurado com 30 canais.

Em 1996, com a reorganização do grupo Portugal Telecom nas áreas da rede fixa de telefones, rede de telefones móveis, televisão por cabo e multimédia, empresas, internacional, inovação e sistemas de informação, cria-se a PT Multimédia, Serviços de Telecomunicações e Multimédia, SGPS, SA, uma holding do grupo Portugal Telecom, cujos objetivos eram centralizar as atividades de Internet e Multimédia.

Em 1998 é lançado o primeiro serviço satélite, permitindo expandir a oferta por todo o país. Ainda nesse ano a empresa avança com a primeira oferta nacional de Internet sobre cabo, a Netcabo e mais tarde com o ADSL, na altura as tecnologias mais inovadoras de transmissão de dados.

A partir de 1999, a TV Cabo passa a liderar o mercado de distribuição de televisão ao domicílio e, mais tarde, torna-se o primeiro operador de Internet de banda larga. Nesse mesmo ano, a PT Multimédia é colocada em bolsa, ficando a Portugal Telecom com 58% do capital.[21]

Em 2001 experimenta com a TV Digital Interativa, percursora das atuais plataformas de televisão não linear e multiplataforma. Em 2004, inova com o lançamento do primeiro serviço de acesso de banda larga pré-pago em Portugal, o Zzt!.[22]

Em 2006, é lançada uma OPA pela Sonaecom ao capital da Portugal Telecom e da PT Multimédia, sendo que aí começa a derivagem entre a PT Comunicações e PT Multimédia.[23] Em outubro de 2007, concluiu-se o processo de cisão entre Portugal Telecom e PT Multimédia, oficializada em 6 de novembro do mesmo ano, sendo que TV Cabo Portugal e PT Comunicações ficaram operadores concorrentes.[24] Zeinal Bava, até à altura diretor executivo da PT Multimédia e da TMN e vice-presidente do grupo Portugal Telecom, tornou-se diretor executivo da Portugal Telecom.[25] e foi substituído na PT Multimédia por Rodrigo Costa[26]

O lançamento do serviço de telefone fixo, em 2007, constituiu um marco para a evolução do negócio da empresa, que lançou uma oferta integrada de Triple Play, rompendo com os padrões de negócio da altura.[27]

Em 2008, surge a ZON Multimédia como marca independente. A empresa adotou o seu novo nome para se encaixar na estratégia de separação total e completa da Portugal Telecom. O nome ZON foi aprovado por maioria absoluta em reunião de acionistas.[28]

No mês de maio de 2008 iniciou uma nova experiência televisiva, com o lançamento da ZON Box, um equipamento pioneiro no país em termos de qualidade de som e imagem em alta definição, com capacidade de gravação até 200 horas e controlo da emissão.[29]

Em 2009, a empresa oferece acesso à internet a 100 Mbps, sustentada por uma rede de nova geração, marcando uma nova era no acesso à Internet com velocidades maiores.[30]

A introdução de um produto de 360 Mbps, em 2010, representou o primeiro lançamento, a nível mundial, de um serviço comercial suportado em tecnologia EURODOCSIS 3.0.[31] Juntamente com a oferta de 1 Gbps, uma inovação a nível europeu introduzida em 2009, este serviço representou o acesso à internet de maior velocidade a nível nacional.[32]

Em 2010, faz a primeira emissão em direto da televisão nacional a três dimensões através da criação de um canal exclusivo de conteúdos tridimensionais.[33]

Em janeiro de 2011, a Zon Fibra lança uma oferta premium de televisão de nova geração multiplataforma e personalizável, o "IRIS"[34] e, em 2012, lançou uma funcionalidade inédita a nível mundial, o serviço de gravações automáticas, que permite ver até 10 mil programas que já passaram na televisão nos últimos 7 dias.[35]

No mesmo ano, apresenta a App ZON Phone, que permite realizar e receber chamadas, utilizando o número fixo do serviço ZON Phone, através de uma ligação Wi-Fi.[36]

Ainda em 2011, a ZON Lusomundo Cinemas apresenta um avanço tecnológico, passando a poder receber filmes e outros conteúdos de forma totalmente digital, sem necessidade de transporte de formatos físicos.[37] Em 2012, tendo um novo conceito de cinema, apresenta O Hobbit: Uma Viagem Inesperada a 48 quadros por segundo, o dobro dos tradicionais 24 fps, em que o fluxo de imagens é mais rápido e mais próximo do que o olho humano assimila.[38]

Em 2012, negocia com a Optimus para adiquiri-la e, assim, fundir as duas empresas. A assembleia geral de acionistas extraordinária realizou-se a 7 de março de 2013 e foi aprovada por 99 % do capital presente.[39] A fusão foi concretizada sob o nome NOS, a 16 de maio de 2014.

Mais História[editar | editar código-fonte]

História ZON - NOS

Distinções[editar | editar código-fonte]

Os serviços de pay TV, voz móvel e voz fixa foram distinguidos pelos portugueses como os melhores do país, no estudo ECSI Portugal 2013 - Índice Nacional de Satisfação do Cliente, em quatro anos consecutivos.[40] Também foi distinguida pelo serviço Iris como Escolha do Consumidor 2013, num estudo levado a cabo pela Consumer Choice - Centro de Avaliação da Satisfação do Consumidor.

NOS[editar | editar código-fonte]

A intenção de fusão da ZON e da OPTIMUS foi anunciada em dezembro de 2012.[41] A Anacom, que regula o sector das comunicações, já se tinha mostrado favorável à fusão,[42] e a CMVM, em abril de 2013, dispensou as duas empresas de fazer uma oferta pública de aquisição (OPA).[43]

Nasceu assim a ZON OPTIMUS, registada no dia 27 de agosto de 2013,[44] após a união das duas empresas ter sido aprovada pela Autoridade da Concorrência (AdC)[45] e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM),[46] alterando o cenário do mercado português de telecomunicações.[47]

O negócio permitiu às duas empresas combinarem forças na oferta de serviços integrados,[41] assumindo uma clara ambição de crescimento.[48]

Em outubro de 2013, o até então presidente da OPTIMUS, Miguel Almeida, foi escolhido para liderar a nova empresa, com 90,64 por cento dos votos dos acionistas.[49]

No dia 16 de maio de 2014, a ZON OPTIMUS apresentou a nova marca NOS,[50] numa campanha inédita.[51] Durante a tarde, a FIL recebeu os cerca de seis mil colaborares da empresa para assistir ao desvendar da nova marca.[52] A revelação pública teve lugar à noite, com um espetáculo multimédia na Praça do Município a que assistiram mais de 15 mil pessoas.[53] Ao fim de pouco mais de seis meses, a NOS já atingia praticamente 100% de reconhecimento pelos portugueses.[54]

Em 2015, a NOS foi a primeira operadora a disponibilizar posições de demonstração de conteúdos 4K Ultra HD em Portugal.[55] No dia 2 de dezembro, a NOS comprou os direitos de transmissão dos jogos do Sport Lisboa e Benfica em casa e os direitos de transmissão e distribuição da BTV, por dez anos, pelo valor recorde de 400M€, batendo a proposta da Altice.[56]

Principais acionistas[editar | editar código-fonte]

Os principais acionistas[57] da NOS são Isabel dos Santos, a ZOPT, SGPS, S.A.[58] (detida em partes iguais por Isabel dos Santos e pela Sonaecom), o banco catalão BPI, S.A., Norges Bank, Blackrock, Inc. e vários fundos detidos integral ou parcialmente por Isabel dos Santos e sua família (incluindo o ex-presidente de Angola José Eduardo dos Santos, a cuja apropriaçáo pessoal dos lucros da supostamente estatal, mas na realidade um feudo da famíçia Sonangol se deve a fortuna pessoal que permitiu à empresária Isabel dos Santos adquirir o monopólio dos media oficialmente reconhecidos em Angola e (em menor grau) em Portugal.

Internacionalização (ZAP)[editar | editar código-fonte]

ZAP
Logótipo da ZAP TV
Joint-Venture
Slogan "A minha TV"
Indústria Telecomunicação
Fundação 2010
Sede Luanda, Angola
Proprietário(s) NOS 30%

SOCIP – Sociedade de Investimentos e Participações, S.A. 70%

Produtos Televisão por satélite

Televisão Por Fibra Internet Cinema

Website oficial Angola ZAP ANGOLA

Moçambique ZAP MOÇAMBIQUE

Artigo Principal: ZAP (operadora)

A ZAP é uma Joint-Venture entre a empresa de telecomunicações portuguesa NOS (30%) e a SOCIP – Sociedade de Investimentos e Participações, S.A. (70%) (100% controlada pela Senhora Engª Isabel dos Santos) que disponibiliza televisão por satélite, principalmente para Angola e Moçambique, na África subsariana. A ZAP foi lançada em Angola em 2010, é 100% controlada pela filha do ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos,Isabel dos Santos, fornecendo um serviço de TV por assinatura que cobre os países desde a África subsariana até ao sul de Angola. A ZAP opera a partir do satélite Eutelsat W7, colocado sobre África a 36,0 graus Leste, transmitindo em DVB-S2 em cinco transponders de Banda Ku com compressão MPEG-4 e encriptação Nagravision.

A ZAP disponibiliza canais de língua Portuguesa para uma região onde os PALOP contam com mais de 40 milhões de habitantes (Angola e Moçambique) dos quais quase 10% (4 milhões) falam português dos quais 10 mil são clientes da ZAP.

De modo a subscrever o serviço de televisão da ZAP o assinante pode usar qualquer um dos dois decodificadores disponísveis. O "HD+" descodifica o sinal encriptado, disponibiliza um Guia Electrónico de Programação, imagem de alta definição e som estéreo 5.1. O descodificador "HD+DVR" disponibilizará em breve (2015) a funcionalidade adicional de gravação digital

Organização[editar | editar código-fonte]

A NOS SGPS tem uma estrutura organizacional separada pelas diferentes áreas de negócio:[59]

Inovação[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2015, a NOS criou a NOS Inovação, uma nova sociedade que visa a realização e a dinamização de atividades científicas e de investigação e desenvolvimento, bem como a demonstração, divulgação, transferência de tecnologia e formação, nos domínios dos serviços e sistemas de informação e de soluções fixas e móveis de última geração, de televisão, internet, voz e dados, o licenciamento e a prestação de serviços de engenharia e consultoria na área das tecnologias de informação, comunicação e eletrónica, no mercado nacional e internacional.[72] No mesmo ano, foi lançado o "Prémio Inovação NOS", que procura reconhecer e dar visibilidade a soluções inovadoras.[83]

Sustentabilidade[editar | editar código-fonte]

A NOS baseia a sua atuação num conjunto de intenções e princípios contemplados na sua Política de Sustentabilidade.[84] É certificada no âmbito da Qualidade e do Ambiente, através das participadas NOS Comunicações, NOS Inovação, NOS Sistemas, NOS Technology e NOS Towering.[85]

Prémios[editar | editar código-fonte]

A NOS tem recebido prémios e distinções em diversas áreas, tendo sido distinguida como "Escolha do Consumidor" em 2013, 2015 e 2016, pelo estudo anual levado a cabo pela Consumer Choice - Centro de Avaliação da Satisfação do Consumidor.[86]

O serviço ao cliente da NOS foi, por três vezes consecutivas (2012, 2013 e 2014), considerado o "Melhor Serviço ao Cliente do Mundo", nos Prémios Contact Center World, sendo que, em 2014, conquistou um total de três medalhas de ouro, vencendo ainda nas categorias "Best Technological Innovation" e "Best Customer Loyalty Program".[87]

A "Internet pronta a usar" foi eleita "Produto do Ano 2014" na categoria "Acesso à Internet".[88]

Os serviços de Pay TV e voz fixa da NOS foram distinguidos pelos portugueses como os melhores do país pelo quinto ano consecutivo, no estudo ECSI Portugal - Índice Nacional de Satisfação do Cliente correspondente ao ano de 2014.[89][90]

Patrocínios[editar | editar código-fonte]

A marca NOS está associada a alguns dos melhores e mais diversos eventos portugueses:[91]

  • NOS Alive: festival anual de música no Passeio Marítimo de Algés.[92] Em 2014 e em 2015, foi considerado o "Melhor Festival Urbano" nos Portugal Festival Awards, sendo o festival que venceu em mais categorias no ano de 2014.[93][94]
  • NOS Primavera Sound: festival de música anualmente celebrado no Parque da Cidade do Porto.[95] Em 2014, nos Portugal Festival Awards, conquistou o prémio "Contribuição para o Turismo", tornando os festivais patrocinados pela NOS os grandes vencedores dos prémios.[96]
  • Liga NOS: Em fevereiro de 2015, a NOS estabeleceu uma parceria com a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), que passou a designar-se Liga NOS.[97]
  • NOS Air Race: campeonato de corridas de aviões que tem como como inspiração as competições da Reno Air Race (EUA) e da internacional Red Bull Air Race.[98]
  • NOS Em D'Bandada: festival de música gratuito nas ruas do Porto.[99] Venceu, em 2015, o prémio "Contribuição para a Divulgação da Música Portuguesa" nos Portugal Festival Awards.[94]
  • NOS em Palco: festival gratuito, focado na música portuguesa, realizado ao longo de um quilómetro na zona ribeirinha de Lisboa.[100]
  • NOS Summer Opening: festival anual de música no Funchal (Madeira).[101]

Referências

  1. «NOS, SGPS». Euronext 
  2. http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/meo-entra-na-estrutura-acionista-da-sport-tv-126675
  3. «NOS, SGPS». Bloomberg 
  4. Ana Brito (16 de maio de 2014). «Soma da Zon e da Optimus dá origem à marca NOS». Público. Consultado em 20 de junho de 2016. 
  5. Patrícia Fonseca (6 de fevereiro de 2015). «Hoje nasce a Liga NOS». Leak. Consultado em 20 de junho de 2016. 
  6. «Cronologia da fusão Zon/Optimus». Negócios. 26 de agosto de 2013. Consultado em 20 de junho de 2016. 
  7. a b «NOS Comunicações - Conheça a empresa». Site NOS 
  8. «NOS - Relatório & Contas 2015» (PDF). CMVM 
  9. a b http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/zon_optimus_apresenta_nova_marca_nos_a_16_de_maio.html
  10. «Fusão Novis/Optimus - Transmissão de direitos de utilização de frequências e de números». 28 de Setembro de 2007. Consultado em 4 de Janeiro de 2008. 
  11. a b http://arquivo.pt/wayback/20090927014517/http://www.continentemobile.pt/Telemoveis.aspx
  12. «Subscritores de televisão paga aumentam 6,3% em Portugal e ZON lidera». SAPO Tek. 5 de março de 2013. Consultado em 27 de julho de 2016. 
  13. Maria da Luz (4 de novembro de 2013). «Estágios: Empresa de telecomunicações recruta jovens». Boas Notícias. Consultado em 27 de julho de 2016. 
  14. «Paulo Branco denuncia "insustentabilidade da exibição independente"». Jornal Hardmúsica. 22 de abril de 2014. Consultado em 27 de julho de 2016. 
  15. Bárbara Barroso (3 de janeiro de 2012). «BCP e Zon suportam subida do PSI 20». Diário de Notícias. Consultado em 27 de julho de 2016. 
  16. http://www.zon.pt/institucional/EN/Documents/ZONFY12ENGLISH.pdf
  17. Adelino Gomes (27 de julho de 2004). «TV por cabo teve crescimento espectacular em dez anos». Público. Consultado em 27 de julho de 2016. 
  18. Agência Lusa (28 de janeiro de 2008). «PT Multimédia anuncia terça-feira mudança de nome para ZON». Negócios. Consultado em 27 de julho de 2016. 
  19. «ANACOM dá liderança no triple-play à ZON». Negócios. 11 de junho de 2012. Consultado em 27 de julho de 2016. 
  20. «O que vai mudar com a Televisão Digital Terrestre». Diário Económico. 18 de março de 2011 
  21. «Os 20 melhores anúncios da Zon». Dinheiro Vivo. 15 de maio de 2014 
  22. «Netcabo lança primeiro produto pré-pago de banda larga a 22,5 euros». TVI 24. 10 de maio de 2004 
  23. «GUIA PARA PERCEBER A OPA DA SONAE SOBRE A PORTUGAL TELECOM». Público. 9 de fevereiro de 2006 
  24. «PT vai ter PTM como concorrente no 3.º trimestre». Diário de Notícias. 28 de abril de 2007 
  25. «Zeinal Bava passa a CEO da PT após AG de 2008». Jornal de Negócios. 21 de setembro de 2007 
  26. «PT Multimédia: Rodrigo Costa nomeado presidente-executivo da operadora de telecomunicações». Expresso. 21 de setembro de 2007 
  27. «ZON atinge meio milhão de clientes no telefone fixo». DN Economia. 18 de agosto de 2009 
  28. «Accionistas da PT Multimédia aprovam novo nome ZON». TVI24. 31 de janeiro de 2008 
  29. «Zon Multimédia renova aposta na Alta Definição». Sapo Tek. 21 de maio de 2008 
  30. «Zon avança com 100 Megas em oferta triple play». Sapo Tek. 24 de fevereiro de 2009 
  31. «Novo serviço de internet ZON Fibra navega a 360 megas». Diário Digital. 22 de novembro de 2010 
  32. «ZON lança velocidade de Internet de 1 Gb em Setembro». DN Ciência. 5 de agosto de 2009 
  33. «Canais generalistas acompanham selecção a par e passo». Sapo Desporto. 22 de maio de 2010 
  34. «Zon lança Iris e estreia interface mais fácil de usar». Exame Informática. 12 de janeiro de 2011 
  35. «Zon lança sistema de gravação sem box». Correio da Manhã. 30 de agosto de 2012 
  36. «Zon lança App Zon Phone para iPhone e iPad». Jornal de Negócios. 15 de dezembro de 2011 
  37. «Cinemas Zon dispensarão formato físico de filmes este ano». Diário Digital. 6 de abril de 2011 
  38. «"O Hobbit: Uma Viagem Inesperada" a 48 fps também em Portugal». Film Spot. 5 de dezembro de 2012 
  39. «Dinheiro Vivo - Concorrência notificada sobre fusão da Zon e Optimus». Consultado em 11 de Fevereiro de 2013. 
  40. «NOS lidera na satisfação do cliente». Trendy. 23 de maio de 2014 
  41. a b João Pedro Ferreira (30 de julho de 2013). «Fusão entre Zon e Optimus com luz verde da Autoridade da Concorrência». Público. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  42. Agência Lusa (6 de março de 2013). «Regulador dos media favorável à fusão entre Zon e Optimus». Público. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  43. Raquel Almeida Correia (19 de abril de 2013). «CMVM confirma dispensa de OPA na fusão entre Zon e Optimus». Público. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  44. «Nasceu a Zon Optimus: empresa já foi registada». TVI24. 27 de agosto de 2013. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  45. Anabela Campos (26 de agosto de 2013). «Aprovada fusão da Zon com a Optimus». Expresso. expresso.sapo.pt. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  46. «CMVM dá luz verde à fusão entre Zon e Optimus». SIC Notícias. 19 de abril de 2013. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  47. «Zon/Optimus: O que deve saber sobre a fusão do ano». SAPO Tek. 27 de agosto de 2013. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  48. Alexandra Machado (28 de fevereiro de 2014). «Zon Optimus quer quota próxima dos 30% nos próximos 5 anos». Negócios. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  49. Alexandra Machado (1 de outubro de 2013). «Miguel Almeida está eleito presidente da Zon Optimus». Negócios. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  50. Ana Torres Pereira (16 de maio de 2014). «Miguel Almeida: "Hoje nasce um novo operador"». Negócios. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  51. «O que NOS liga depois da ZON Optimus». Jornal i. 19 de maio de 2014. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  52. Cátia Simões (16 de maio de 2014). «Nova marca NOS substitui a Zon Optimus». Económico. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  53. Pedro Vendeira (20 de maio de 2014). «15 mil assistiram ao lançamento da NOS na Praça do Município». A Televisão. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  54. Patrícia Rogado (3 de outubro de 2014). «Conheça as marcas mais recordadas pelos portugueses». Imagens de Marca. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  55. «NOS antecipa futuro. Conteúdos Ultra HD para TV chegam a Portugal». Oje. 7 de julho de 2015. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  56. «Benfica vende direitos de transmissão dos jogos à NOS por 400 milhões de euros». SAPO Desporto. 2 de dezembro de 2015. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  57. «NOS em Bolsa - Estrutura acionista». Site Oficial NOS 
  58. Alexandra Machado (5 de novembro de 2014). «O que é a Zopt?». Negócios. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  59. «Sobre NOS - Empresas e Negócios». Site Oficial NOS 
  60. «NOS Lusomundo Audiovisuais - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  61. «NOS Lusomundo Cinemas - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  62. «Porto vai ter uma sala IMAX em abril». Shifter. 28 de janeiro de 2015. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  63. Rui Pedro Tendinha (25 de março de 2016). «4DX. O filme com fumo, água, cheiro e abanões». Diário de Notícias. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  64. «NOS Lusomundo TV - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  65. «NOSPUB, Publicidade e Conteúdos - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  66. «NOS Technology - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  67. «NOS Towering - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  68. «NOS Sistemas recebe certificação internacional». Briefing. 14 de abril de 2015. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  69. «NOS Sistemas - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  70. «NOS paga 14 milhões para comprar Mainroad». SAPO Tek. 22 de setembro de 2014. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  71. «NOS Inovação - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  72. a b Sandra Simões (9 de fevereiro de 2015). «NOS avança com operação de cisão e cria NOS Inovação». Sol. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  73. «NOS Açores - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  74. «"NOS Açores" assume-se como "alternativa de excelência" no setor das telecomunicações e multimédia na Região». Açores 24Horas. 21 de maio de 2014. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  75. «NOS Madeira - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  76. «Acaba de nascer a 'NOS Madeira'». Diário de Notícias da Madeira. 16 de maio de 2014. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  77. «SPORT TV - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  78. Cátia Simões (1 de agosto de 2014). «Entrada da PT na Sport TV chumbada pela Concorrência». Económico. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  79. «Dreamia - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  80. Ismael Paulino (5 de fevereiro de 2015). «Canal Panda: uma máquina de fazer dinheiro». Blasting News. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  81. «ZAP - Conheça a empresa». Site Oficial NOS 
  82. Ana Brito (28 de fevereiro de 2014). «"Chave de crescimento" da Zon Optimus é o mercado português». Público. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  83. Ilídia Pinto (21 de janeiro de 2015). «Victor Ribeiro: Importa distinguir quem arrisca fazer diferente». Dinheiro Vivo. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  84. «A NOS - Políticas e Certificações». Site Oficial NOS 
  85. «NOS SGPS obtém certificação em qualidade e ambiente». Liga-te à Media. 15 de dezembro de 2014. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  86. Patrícia Fonseca (28 de janeiro de 2016). «NOS é a grande vencedora do estudo anual "Escolha do Consumidor"». Leak. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  87. «Serviço de cliente da NOS considerado o melhor pela terceira vez». Negócios. 18 de novembro de 2014. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  88. Rita Gonçalves (19 de dezembro de 2013). «As 60 marcas eleitas Produto do Ano 2014». Hipersuper. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  89. «NOS vai receber três distinções nos prémios de satisfação do cliente em Portugal». SAPO Tek. 21 de maio de 2014. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  90. «NOS tem Pay TV e rede fixa com os clientes mais satisfeitos». Site Oficial NOS 
  91. Fábio Silva (5 de fevereiro de 2015). «Primeira Liga passa a chamar-se Liga NOS». Blasting News. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  92. Pedro Dias de Almeida e André Moreira (7 de julho de 2016). «O festival NOS Alive por detrás dos palcos». Visão. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  93. Agência Lusa (12 de novembro de 2014). «NOS Alive e Vodafone Paredes de Coura vencem Portugal Festival Awards 2014». Público. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  94. a b «Vencedores da 3.ª edição dos Portugal Festival Awards». Portugal Festival Awards. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  95. Miguel de Azevedo Carvalho (30 de maio de 2014). «NOS Primavera Sound: tanta música para ouvir». Público - P3. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  96. Pedro Durães (12 de novembro de 2014). «NOS Alive foi o grande vencedor do Portugal Festival Awards». Meios & Publicidade. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  97. Isabe Paulo (5 de fevereiro de 2015). «A Liga já não é anónima. Chama-se NOS». Expresso. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  98. Mariana Mata. «NOS Air Race Championship». Público - Guia do Lazer. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  99. Patrícia Carvalho (3 de setembro de 2014). «Em D'Bandada: festival de música gratuito regressa às ruas do Porto». Público - P3. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  100. João Moço (19 de junho de 2014). «NOS em Palco com 30 concertos esta noite em Lisboa». Diário de Notícias. Consultado em 20 de julho de 2016. 
  101. «NOS Summer Opening 2016: as primeiras confirmações para o festival madeirense». BLITZ. 18 de fevereiro de 2016. Consultado em 5 de agosto de 2016.