Zaha Hadid

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Zaha Hadid
DBE
زها حديد
Zaha Hadid em Baku, 2013
Conhecido(a) por primeira arquiteta a ganhar o Prêmio Pritzker
Nascimento 31 de outubro de 1950
Bagdá, Reino do Iraque
Morte 31 de março de 2016 (65 anos)
Miami, Flórida, Estados Unidos
Residência Estados Unidos
Nacionalidade iraquiana, britânica
Alma mater
Prêmios
Página oficial
www.zaha-hadid.com
Instituições Zaha Hadid Architects
Campo(s) Arquitetura

Zaha Mohammad Hadid, DBE (árabe: زها حديد; Bagdá, 31 de outubro de 1950Miami, 31 de março de 2016[1]) foi uma arquiteta e designer iraquiano-britânica, reconhecida com uma das maiores arquitetas do final do século XX e começo do século XXI.

Natural do Iraque[2], Hadid se formou em matemática, depois se formando em arquitetura, na Inglaterra, em 1972. Em busca de um sistema alternativo ao desenho arquitetônico tradicional e influenciada pelo suprematismo e pela vanguarda russa, Hadid adotou a pintura como ferramenta de design e abstração como seu princípio para "reinvestigar os experimentos falhos e não testados do Modernismo (...) a fim de revelar novos campos de construção".[3]

Descrita pelo The Guardian como a "rainha das curvas"[4], que "liberou a geometria arquitetônica, dando-lhe toda uma nova identidade expressiva", Hadid projetou construções em vários lugares do mundo.[5] Alguns de seus trabalhos mais famosos incluem o Centro Aquático de Londres para as Olimpíadas de 2012; o Eli and Edythe Broad Art Museum, em Roma; e a Guangzhou Opera House, na China.[6]

Alguns de seus prêmios foram entregues postumamente, incluindo a estatueta do Brit Awards de 2017. Vários de seus edifícios ainda estavam em construção quando Hadid morreu, como o Aeroporto Internacional de Pequim-Daxing, em Pequim e o Estádio Al Janoub, no Catar, para a Copa do Mundo FIFA de 2022.[7][8]

Hadid foi a primeira mulher e a primeira pessoa árabe a receber o Prêmio Pritzker, em 2004.[9] Em 2010 e em 2011, ela recebeu um dos mais prestigiados prêmios de arquitetura do Reino Unido, o Prêmio Stirling. Em 2012, foi nomeada Dama do Ordem do Império Britânico pela rainha Elizabeth II, por seus serviços prestados à arquitetura e em fevereiro de 2016, um mês antes de sua morte, ela se tornou a primeira mulher a ganhar individualmente a Medalha de Ouro do Royal Institute of British Architects.[10]

Hadid integrou a lista da Forbes como uma das “Mulheres Mais Poderosas do Mundo“, e também foi nomeada como uma “Artista da Paz” pela Unesco. Em 2010, Zaha Hadid também foi considerada como a maior pensadora do mundo pela revista TIME.[11][12]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Hadid nasceu em Bagdá, no então Reino do Iraque, em 1950, em uma família de classe média. Seu pai, Muhammad al-Hajj Husayn Hadid, era um rico industrial de Mossul e um dos co-fundadores do grupo liberal de esquerda Ahali, em 1932, uma organização política influente entre os anos 1930 e 1940.[13] Ele tambémf foi um dos co-fundadores do Partido Nacional Democrata do Iraque, em 1946 e foi ministro da fazenda depois da abolição da monarquia, em 1958, depois que um golpe de estado que colocou no poder o general Abd al-Karim Qasim. Sua mãe era Wajiha al-Sabunji, uma artista plástica de Mosul. Zaha tinha mais dois irmãos: Haytham Hadid e o escritor, contador e especialista em assuntos árabes Foulath Hadid.[14][15]

Hadid mencionou uma vez em uma entrevista como suas viagens de infância às antigas cidades sumérias no sul do Iraque despertaram seu interesse pela arquitetura. Na década de 1960, Hadid frequentou internatos na Inglaterra e na Suíça.[16][17][18]

Hadid estudou matemática na Universidade Americana de Beirute antes de se mudar em 1972 para Londres, onde estudou na Architectural Association School of Architecture.[14] Lá ela estudou com Rem Koolhaas, Elia Zenghelis e Bernard Tschumi.[13] Seu ex-professor, Koolhaas, a descreveu na formatura como "um planeta em sua própria órbita".[13]

Zenghelis a descreveu como a aluna mais notável para quem ele já lecionou. "Nós a chamamos de inventora dos 89 graus. Nada nunca esteve a 90 graus. Ela tinha uma visão espetacular. Todos os prédios explodiam em pedacinhos." Ele lembrou que ela estava menos interessada em detalhes, como escadas. "Do jeito que ela desenhava uma escada, você batia a cabeça contra o teto, e o espaço diminuía e diminuía, e você acabaria no canto superior do teto. Ela não se importava com pequenos detalhes. Sua mente estava nas imagens mais amplas - quando se tratava de marcenaria, ela sabia que poderíamos consertar isso mais tarde. Ela estava certa.'[13] Sua tese de conclusão de curso, Malevich's Tektonik, foi um conceito e um design para um hotel de 14 andares na ponte Hungerford, em Londres, feito com tinta acrílica, inspirado nos trabalhos do suprematismo russo do artista Kazimir Malevich.[19]

Depois de se formar em 1977, ela começou a trabalhar com seus antigos professores, Koolhaas e Zenghelis, no Office for Metropolitan Architecture, em Rotterdam.[20] Por sua associação com Koolhaas, ela conheceu o engenheiro Peter Rice, que lhe deu apoio e incentivo durante os primeiros estágios de sua carreira.[13][18] Depois de se naturalizar cidadã britânica[21], Hadid abriu seu próprio escritório de arquitetura, Zaha Hadid Architects, em Londres, em 1980.[22] No começo dos anos 1980, Hadid apresentou ao público um novo estilo de arquitetura moderna por meio de seus esboços extremamente detalhados e profissionais. Na época, as pessoas estavam focadas em projetos pós-modernos, então seus projetos eram uma abordagem diferente da arquitetura que a diferenciava de outros designers.[18]

Hadid lecionou arquitetura em diversas faculdades. Começou na Architectural Association, depois lecionando na Universidade Harvard, Universidade de Cambridge, Universidade de Chicago, Universidade de Belas Artes de Hamburgo e na Universidade de Columbia. Ela ganhou sua reputação inicial com suas palestras e projetos e projetos iniciais coloridos e radicais, que foram amplamente publicados em revistas de arquitetura, mas permaneceram em grande parte não construídos. Seus projetos ambiciosos, mas não construídos, incluíam um plano para o Peak Club em Hong Kong (1983) e um projeto para uma casa de ópera em Cardiff, no País de Gales (1994). A experiência de Cardiff foi particularmente desanimadora; seu projeto foi escolhido como o melhor pelo júri do concurso, mas o governo galês se recusou a pagar por ele, e a encomenda foi dada a um arquiteto diferente e menos ambicioso.[23]

Sua reputação neste período baseou-se em grande parte em seu ensino e nas pinturas imaginativas e coloridas que fez de projetos seus para edifícios. Sua reputação internacional foi reforçada em 1988, quando foi escolhida para mostrar seus desenhos e pinturas como um dos sete arquitetos escolhidos para participar da exposição "Deconstructivism in Architecture", com a curadoria de Philip Johnson e Mark Wigley, no Museu de Arte Moderna de Nova York.[24] Este evento, mais uma conferência na Tate em Londres e a cobertura da imprensa de seu trabalho, começaram não apenas a divulgar seu nome no mundo da arquitetura, mas permitiram que as pessoas associassem um estilo particular de arquitetura a Hadid.[18]

Processo[editar | editar código-fonte]

Arquiteta do Estádio Al Janoub, no Catar, para a Copa do Mundo de 2022, Hadid foi acusada pela The New York Review of Books de dar uma entrevista onde teria mostrado pouca preocupação com as mortes de trabalhadores imigrantes envolvidos na construção do projeto. Em agosto de 2014, Hadid processou a revista por difamação e ganhou.[25] Logo em seguida, o revisor e o autor do artigo no qual ela foi acusada de não demonstrar preocupação emitiram uma retratação que dizia:

Morte[editar | editar código-fonte]

Túmulo de Zaha Hadid (centro) no Cemitério Brookwood

Hadid morreu em 31 de março de 2016, aos 65 anos devido a um infarto, no Centro Médico Mount Sinai de Miami, na Flórida, onde estava internada para tratar uma bronquite.[27][28][29] Ela foi sepultada no Cemitério Brookwood, na Inglaterra, ao lado do irmão, Foulath, e de seu pai, Mohammed Hadid.[30]

Solteira e sem filhos, Hadid deixou em seu testamento, 67 milhões de libras e legou várias quantias para seu sócio e familiares. Seus negócios internacionais de design, que representavam a maior parte de sua riqueza, foram deixados sob custódia em um fundo.[31][32]

Obras importantes[editar | editar código-fonte]

Grande parte da obra de Zaha Hadid é conceitual. Entre seus projetos executados estão:

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Architect Dame Zaha Hadid dies after heart attack». Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  2. «Zaha Hadid». Britannica. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  3. Serrazanetti, Francesca; Schubert, Matteo (2011). Zaha Hadid: Inspiration and Process in Architecture. China: Moleskine. p. 56. ISBN 9788866130048 
  4. «Queen of the curve' Zaha Hadid died at aged 65 from heart attack». The Guardian. 29 de novembro de 2016. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  5. Michael Kimmelman, ed. (31 de março de 2016). «Zaha Hadid, Groundbreaking Architect, Dies at 65». The New York Times. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  6. Blair Kamin, ed. (1 de abril de 2016). «Visionary architect 1st woman to win Pritzker». Chicago Tribune 
  7. «Dame Zaha Hadid's Brit Awards statuette design unveiled». BBC News. 1 de dezembro de 2016. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  8. Ian Johnson, ed. (24 de novembro de 2018). «Big New Airport Shows China's Strengths (and Weaknesses)». The New York Times. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  9. Nonie Niesewand (ed.). «Through the Glass Ceiling». Architectural Digest. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  10. «Dame Zaha Hadid awarded the Riba Gold Medal for architecture». BBC News. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  11. «Quem é Zaha Hadid». Casa COR. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  12. «Zaha Hadid: conheça sua história e contribuição arquitetônica». ARCHTrends. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  13. a b c d e «A warped perspective». The Daily Telegraph. 16 de agosto de 2005. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  14. a b «Zaha Hadid Biography». Notable Biographies. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  15. «Obituary – 'Foulath Hadid: Writer and expert on Arab affairs'». The Independent. 11 de outubro de 2012. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  16. Huma Qureshi, ed. (14 de novembro de 2012). «Zaha Hadid: 'Being an Arab and a woman is a double-edged sword'». The Guardian. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  17. «Iraqi-British Architect Zaha Hadid Dies of Heart Attack at 65». Reuters. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  18. a b c d Fontana-Giusti, Gordana (2016). «Zaha Hadid: 1950–2016». Architectural Research Quarterly. 20 (2): 95–98. doi:10.1017/S1359135516000348 
  19. Jodidio 2016, pp. 7–17.
  20. «Dama Zaha Hadid profile». Design Museum. 9 de setembro de 2014. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  21. «Architects: Biography Zaha Hadid». Floor Nature. 10 de agosto de 2015. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  22. Jodidio 2016, p. 1980.
  23. Nicolai Ourousoff (ed.). «Zaha Hadid: A Diva for the Digital Age». The New York Times. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  24. Taschen 2016, p. 254.
  25. Joanna Walters, ed. (25 de agosto de 2014). «Zaha Hadid suing New York Review of Books over Qatar criticism». The Guardian. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  26. Joanna Walters (ed.). «New York Review of Books critic 'regrets error' in Zaha Hadid article». The Guardian. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  27. «Architect Dame Zaha Hadid dies after heart attack». BBC News. 31 de março de 2016. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  28. «'Formidable' Zaha Hadid dies, aged 65». ArchitectureAU. 1 de abril de 2016. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  29. Ted Regencia, ed. (31 de março de 2016). «Iraqi-British architect Zaha Hadid dies at 65». Al Jazeera. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  30. «Morre a arquiteta iraquiana Zaha Hadid, primeira mulher a ganhar o Pritzker». Uol. Consultado em 31 de março de 2016 
  31. Robert Booth, ed. (16 de janeiro de 2017). «Zaha Hadid leaves £67m fortune, architect's will reveals». The Guardian. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  32. Patrick Foster, ed. (16 de janeiro de 2017). «Architect Zaha Hadid leaves more than £70 million in newly-published will». The Daily Telegraph. Consultado em 28 de janeiro de 2023 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Zaha Hadid
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Zaha Hadid

Precedido por
Jørn Utzon
Prémio Pritzker
2004
Sucedido por
Thom Mayne