Zaire (província)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Zaire
Localidade de Angola Angola
(Província)
Angola Provinces Zaire 250px.png

Província do Zaire
Dados gerais
Província Zaire
Município(s) M'Banza Kongo, Soyo, N'Zeto, Cuimba, Nóqui e Tomboco
Características geográficas
Área 40.130 km²
População 567.225 hab. (2014)
Densidade 15 hab./km²
Clima Tropical húmido e Semi-árido
Temperatura entre 24ºC e 26ºC

Dados adicionais
Prefixo telefónico +232
Site Governo Provincial do Zaire
Projecto Angola  • Portal de Angola

Zaire é uma província de Angola situada no extremo noroeste do país. Tem uma área de 40.130 km² e cerca de 600 mil habitantes. Faz fronteira a oeste com o Oceano Atlântico, a norte com a República Democrática do Congo, a leste com a província do Uíge, e a sul com a província do Bengo.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O povo Bakongo ocupava o vale do rio Congo em meados do século XIII, e formava o Reino do Kongo. Este reino existiu desde 1390 até 1891 como um Estado independente, e de 1891 a 1914 como um Estado vassalo do Reino de Portugal.[2] Em 1914, a monarquia do Kongo foi abolida, na sequência da vitória portuguesa perante várias revoltas deste reino.[3]

Durante a Guerra Colonial Portuguesa, grande parte do povo Bakongo fugiu para o então Zaire, levando a uma considerável diminuição da presença desta etnia em solo angolano. No entanto, após a Independência de Angola, muitos refugiados (e os seus descendentes) retornaram a Angola.[2]

Monumentos[editar | editar código-fonte]

A província do Zaire tem um acervo histórico-cultural rico, nomeadamente:[4]

  • Museu Kulumbimbi: Antiga Casa do Rei em M'Banza Congo.
  • Yala Nkuw (Árvore da força ou do sangue)–: Local onde o rei do Kongo executava as sentenças.
  • Ruínas da Sé Catedral: Primeira Igreja de Angola, construída em 1491. Foi visitada pelo Papa João Paulo II.
  • Porto Rico e Porto do Pinda: Serviam de porto de exportação de escravos.
  • Ponta do Padrão: Primeiro porto que serviu aos portugueses em 1482 para a descoberta de Angola por Diogo Cão.

Geografia[editar | editar código-fonte]

M'Banza Congo (antiga São Salvador do Congo) é a capital da província. A cidade dista cerca de 481 km de Luanda e 314 km do Uíge.

No total, a província do Zaire é constituída por 6 municípios:

E conta com 37 comunas.[5]

Geografia Física[editar | editar código-fonte]

A província do Zaire tem duas estações: de Novembro a Maio, a época das chuvas; e de Junho a Outubro, a época seca. Os tipos de clima predominantes na província são tropical húmido e semi-árido. A temperatura da região varia entre 24ºC e 26ºC.[6]

A Fauna e a Flora da região são muito variadas, com destaque para a savana e as florestas densas e húmidas.[7] Os rios principais da província do Zaire são: Congo, Mbridge, Lufunde, Zadi, Cuílo e Buenga.[8]

A região é muito plana, subindo suavemente para o interior. O fraco relevo, mamelonado, é um relevo de erosão condicionado pela vegetação, caracterizado por altitudes não superiores a 200 m.[9] [10] Os Solos predominantes nesta região são o ferralítico e o paraferralítico.[11] A nível geológico, esta região é predominantemente constituída por rochas efusivas proterozóicas.[12]

Demografia[editar | editar código-fonte]

A língua nacional falada na província é o Kikongo e a etnia predominante da região é a Bakongo.[1]

A província do Zaire conta actualmente com 567 mil e 225 habitantes, que correspondem 2,3 por cento da população angolana, segundo os dados preliminares do Censo Geral da População e Habitação realizado em Maio de 2014. Na província, residem 285 mil e 333 mulheres e 281 mil e 892 homens, sendo que 26,1% dos habitantes vivem na área rural e, a maioria, 73,9% na área urbana. Os dados apontam ainda para uma densidade populacional de 15 pessoas por cada quilómetro quadrado.[13]

Política[editar | editar código-fonte]

O Governo Provincial do Zaire é constituído pelo Governador José Joana André, e 3 Vice-Governadores. Ângela Maria Botelho de Carvalho Diogo é a Vice-Governadora para a área dos Serviços Técnicos e Infra-estruturas; Alberto Maria Sabino é o Vice-Governador para a área do Sector Económico; e Rogério Eduardo Zabila é o Vice-Governador para a área do Sector Político e Social.[14]

Economia[editar | editar código-fonte]

O factor económico mais importante desta província assenta na exploração de petróleo. Outros dos principais recursos naturais da região são o fosfato, o cobre, o ouro, o zinco, o betume, o volfrâmio, o estanho, a mica, o chumbo, a magnetita, o vanádio e a madeira.[15]

A extracção mineral na província do Zaire é sobretudo de petróleo, ferro, zinco, asfalto e fósforo. No Soyo, estão instaladas as principais empresas petrolíferas que sustentam a maioria da população.[1]

O sector agrário da província caracteriza-se por uma agricultura camponesa de subsistência. O clima da região é favorável a uma gama de culturas tropicais, como a mandioca, o amendoim, o gergelim, a batata, o feijão, a bananeira, a palmeira, o cajueiro, o café e os citrinos. A província do Zaire também é favorável em toda a sua extensão à criação de caprinos, suínos, galináceos e ovinos. A prática da pesca artesanal é outra das actividades económicas importantes para os rendimentos de uma parte da população, especialmente ao longo da costa marítima.[16]

O baixo nível de desenvolvimento da província, fora do sector petrolífero, faz com que a indústria manufactureira seja quase inexistente, sendo que a actividade se concentra nas áreas da pesca e dos materiais de construção.[17]

Cultura[editar | editar código-fonte]

As festas da Cidade ocorrem a 25 de Julho em M’'Banza Congo, e a 5 de Abril no Soyo.[1]

Os pratos típicos da província são a sacafolha (feito com folhas de mandioca), pratos feitos com peixe fresco e seco acompanhados de funge de bombó, e pratos com carne de caça.[1]

Turismo[editar | editar código-fonte]

A província do Zaire tem vários pontos naturais de interesse, nomeadamente:[1]

  • A Pedra do Feitiço, no Soyo.
  • Baía da Musserra, a 56 km do N'Zeto: serve para banhos e desportos náuticos.
  • Praia das Sereias, no Soyo.
  • Praia dos Pobres, localizada numa zona nobre da cidade do Soyo, na margem esquerda do Rio Zaire.
  • Foz do Rio Congo.
  • Quedas do Rio Mbdrige, no Soyo: servem para canoagem e rafting.
  • Canal Pululu, no Kwanda.
  • Canal do Kimbumba, situado a 2 km a leste do Soyo.
  • Cavernas do Zau Evua, a 80 km de M'Banza Congo.
  • Grutas de Senga.

Referências

  1. a b c d e f Província/Zaire Welcome to Angola.
  2. a b Carlos Alberto Jr. (20 de Agosto de 2008). Quem são os Angolanos Diário da África.
  3. José Carlos de Oliveira (7 de Abril de 2014). Factos e Documentos Históricos Relativos ao Reino do Kongo nos Primórdios do Século XX Portal do Uíge e da Cultura Kongo.
  4. Zaire/Turismo/Monumentos Info-Angola.
  5. Zaire Info-Angola.
  6. Zaire/Recursos/Clima Info-Angola.
  7. Zaire/Recursos/Vegetação Info-Angola.
  8. Zaire/Recursos/Hidrografia Info-Angola.
  9. Zaire/Recursos/Relevo Info-Angola.
  10. Zaire/Recursos/Geomorfologia Info-Angola.
  11. Zaire/Recursos/Solos Info-Angola.
  12. Zaire/Recursos/Geologia Info-Angola.
  13. Província conta com mais de 500 mil habitantes Agência Angola Press (21 de Outubro de 2014).
  14. Perfil do Titular da Pasta Governo Provincial do Zaire.
  15. Zaire/Economia Info-Angola.
  16. Zaire/Economia/Agropecuária Info-Angola.
  17. Zaire/Economia/Indústria Info-Angola.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • M'BOKOLO, Elikia, África Negra. História das Civilizações, vol. I, Até ao Século XVIII, Lisboa: Vulgata, 2003
  • M'BOKOLO, Elikia, África Negra. História das Civilizações, vol. II, Do Século XIX aos nossos dias, Lisboa: Colibri, 2007
  • BATSÎKAMA, Patrício, As origens do Reino do Kongo, Luanda: Mayamba, 2010

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]