Zeca Viana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Zeca Viana
Zeca Viana ao vivo no Festival de Inverno de Garanhuns 2016
Informação geral
Origem Recife em Pernambuco
País  Brasil
Gênero(s) Rock Psicodélico, Dream Pop, Synth Pop, Lo-fi, Experimental, Hypnagogic Pop
Ocupação(ões) Cantor, compositor, produtor, videomaker.
Instrumento(s) Vocal, bateria, baixo, guitarra, piano e violão.
Afiliação(ões) Volver
Labirinto
Asteroide B-612
Rádio de Outono
Prêmios Aposta MTV

Zeca Viana (Recife, 1982) é um músico experimental, compositor[1], videomaker[2], radialista[3], pesquisador e produtor musical com influências do processo de gravação artesanal conhecido como Lo-Fi.[4] Foi indicado ao Aposta MTV e além de atuar na música, Zeca é doutorando e mestre em Sociologia da Música (PPGS/UFPE)[5] e professor de Filosofia com pesquisas em Filosofia da Música e Estética[2]. É nascido na cidade do Recife, Pernambuco com influências da psicodelia pernambucana (Udigrudi), Ambient Music, Art Rock, Videoarte e Dream Pop com atuação em projetos musicais na efervescente cena recifense desde a década de 1990. Atualmente é considerado como um dos nomes mais relevantes no campo da produção musical Lo-Fi nacional[6].

História[editar | editar código-fonte]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 2009 Zeca Viana lança o seu primeiro trabalho solo intitulado Seres Invisíveis[7] que tem como característica o processo estético de gravação caseira artesanal (onde o músico gravou e mixou todos os instrumentos entre os anos de 2005 e 2008). O álbum teve lançamento e distribuição do selo Tratore tendo sido escolhido como o Terceiro Melhor Álbum do Ano pelo site Trama Virtual. Este álbum foi indicado ao Revelação de 2009 do Portal MTV e foi considerado uns dos dez melhores álbuns brasileiros.[8]

Em 7 de junho de 2013 foi lançado nas plataformas digitais o seu segundo álbum Psicotransa.[9] Este álbum foi quase todo gravado na Casa do Mancha em São Paulo em setembro de 2012[8] e teve a produção e mixagem de Diogo Valentino baixista da banda carioca Supercordas.[10]

Em 14 de julho de 2015 lançou o álbum Estância[2] que foi gravado no seu estúdio caseiro localizado na Estância, subúrbio do Recife. O nome do bairro serviu de inspiração para o nome do álbum. Este álbum contém o single "Deuses de Aço" que foi lançado no dia 6 de fevereiro do mesmo ano. A letra de "Deuses de Aço" fala sobre seres desconhecidos para os seres humanos, Zeca Viana diz que fez esta canção em homenagem a Karen Hudes, ex-executiva do Banco Mundial.[1]

Nesse período, além de apresentações ao vivo, o músico participa de algumas trilhas sonoras de filmes nacionais como Ela Morava na Frente do Cinema[11], do diretor Leonardo Lacca e Billi Pig, do diretor José Eduardo Belmonte, com a faixa "When I See Your Face (I get so high)" como tema dos personagens dos atores Selton Mello e Grazi Massafera.[12]

Em 31 de maio de 2020 lança seu quarto álbum TRËMA[5] gravado entre 2017 e 2020 de forma artesanal em seu home studio Recife Lo-Fi, localizado na Zona Oeste da cidade do Recife[13]. O álbum foi lançado durante a quarentena, por conta da pandemia do novo coronavírus, e teve uma boa repercussão de crítica e público[14] apresentando influências de neo-psicodelia, dream pop, synth-pop e lo-fi

Com quatro álbuns lançados o músico já participou de diversos festivais como Abril Pro Rock (PE)[15], Coquetel Molotov (PE)[16], Festival de Inverno de Garanhuns (PE)[17], Grito Rock Recife (PE), além de festivais e apresentações em diversas cidades como Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Rio de Janeiro (RJ), Florianópolis (SC), Natal (RN) e São Paulo (SP). Atualmente reside em Recife, onde desenvolve pesquisas nas áreas de Sociologia da Música e produção musical, além da elaboração de workshops e oficinas[18] de gravação caseira através do seu home studio Recife Lo-Fi[19].

Outros projetos musicais[editar | editar código-fonte]

Zeca Viana tem participado de diversos projetos musicais ao longo dos anos 2000 tendo residido por alguns anos na cidade de São Paulo atuou como baterista da banda pernambucana Volver[20] (2006 - 2010) e baixista da banda paulistana Labirinto em sua primeira turnê aos Estados Unidos e Canadá.[8] O músico também já tocou com a banda pernambucana Asteroide B-612 e na primeira formação da Rádio de Outono.[2]

Programa Recife Lo-Fi[editar | editar código-fonte]

Em 9 de agosto de 2018, Zeca Viana estreia como locutor do programa de rádio Recife Lo-Fi pela Frei Caneca FM.[3] Desde então o programa é transmitido semanalmente para a Região Metropolitana do Recife pela frequência modulada 101.5 FM. A cada edição Zeca Viana apresenta artistas da cena independente pernambucana e nacional, já tendo entrevistado diversos convidados, entre eles, Almir de Oliveira[21] (integrante do grupo psicodélico Ave Sangria) e Tony da Gatorra[22]. O projeto Recife Lo-Fi tem inicio ainda nos anos 2010 com uma série de cinco coletâneas[23] reunindo gravações caseiras de diversos músicos da cidade do Recife, entre eles Johnny Hooker, Tagore e Lulina. Atualmente o programa Recife Lo-Fi segue em sua segunda temporada[24] na rádio Frei Caneca FM com transmissão para toda a região metropolitana do Recife com apoio do Funcultura[25].

Discografia Solo[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Aposta MTV
Ano Nomeação Resultado Ref
2011 "MTV Video Music Brasil" Indicado [7][28]

Prêmio Gabriel Thomaz

Ano Nomeação Resultado Ref
2018 Prêmio Gabriel Thomaz - Hit do Ano Indicado [29]


Referências

  1. a b «Zeca Viana lança novo single do seu próximo disco». CULTURA.PE - O Portal da Cultura Pernambucana. 6 de fevereiro de 2015. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  2. a b c d Ximenes, Lara (2 de dezembro de 2015). «ZECA VIANA LANÇA VIDEOCLIPE EM SHOW». Blog da Fundação. FUNDAJ - Fundação Joaquim Nabuco. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  3. a b «Cultura e Direitos Humanos em foco na Rádio Frei Caneca». jconline.ne10.uol.com.br. Consultado em 27 de junho de 2019 
  4. Pontes, Alef (14 de julho de 2015). «Zeca Viana apresenta crônica urbana da Zona Oeste em novo disco». Caderno C (chamada de capa). Jornal do Commercio. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  5. a b Nascimento, Débora (1 de julho de 2020). «Em 'Trëma', quarto disco lançado de forma independente e gravado em home studio, compositor e produtor Zeca Viana explora psicodelia e limites do 'lo-fi'». "Revista Continente". Consultado em 30 de julho de 2020 
  6. Moretti, Juliene (24 de fevereiro de 2020). «Conheça o Lo-Fi, estilo musical tranquilo que se destaca na quarentena». Revista Veja. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  7. a b Albuquerque, Diego (31 de maio de 2011). «Zeca Viana e o lançamento físico do Seres Invisíveis….». ALTNEWSPAPER. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  8. a b c Veloso, Josue (14 de julho de 2015). «Zeca Viana lança o disco "Estância" no Sonido Projeto». Brasileiríssimos. Brasileiríssimos. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  9. a b «Zeca Viana apresenta Psicotransa no Arraial da Moeda». JC ONLINE. Jornal do Commercio. 22 de junho de 2013. Consultado em 7 de novembro de 2016. Arquivado do original em 8 de novembro de 2016 
  10. «Zeca Viana»  em Showlivre
  11. «Ela Morava na Frente do Cinema». portacurtas.org.br. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  12. «Aeso-Barros Melo promove palestra sobre o Recife Lo-Fi». Aeso-Barros Melo promove palestra sobre o Recife Lo-Fi. Faculdades Integradas AESO Barros Melo. 23 de março de 2014. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  13. Mirada, Mirada (2 de junho de 2020). «TRËMA, NOVO ÁLBUM DE ZECA VIANA; A DIMENSÃO ESTÉTICO-POLÍTICA DO HOME STUDIO». "Mirada". Consultado em 30 de julho de 2020 
  14. Ascom, Ascom (10 de junho de 2020). «Produção Lo-fi de Zeca Viana em destaque em programa na Universitária FM». "Universidade Federal de Pernambuco". Consultado em 30 de julho de 2020 
  15. NOIZE, Revista (25 de março de 2010). «Revista Noize». "Revista NOIZE". Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  16. Floro, Paulo (24 de setembro de 2008). «Revista O Grito». Revista O Grito. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  17. Diário, Viver (13 de julho de 2016). «Diário de Pernambuco». Diário de Pernambuco. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  18. «Coquetel Molotov recebe inscrições para oficinas culturais em Belo Jardim». Cultura PE. 27 de setembro de 2016. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  19. Santa Rosa, André (6 de abril de 2020). «Em isolamento, estúdios caseiros e lo-fi mostram caminhos alternativos na música». Diário de Pernambuco. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  20. Dias, Bruno (19 de abril de 2008). «Quase Um Iê-iê-iê - VOLVER: letras românticas e pé na jovem guarda». Revista Rolling Stone. Revista Rolling Stone. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  21. FM, Recife Lo-Fi | Frei Caneca. «PROGRAMA RECIFE LO-FI #30 | ENTREVISTA ALMIR DE OLIVEIRA (AVE SANGRIA)». Mixcloud. Consultado em 27 de junho de 2019 
  22. FM, Recife Lo-Fi | Frei Caneca. «PROGRAMA RECIFE LO-FI #04 | ENTREVISTA TONY DA GATORRA». Mixcloud. Consultado em 27 de junho de 2019 
  23. «Quinto volume da coletânea Recife Lo-Fi reúne novos artistas do Recife e do mundo». jconline.ne10.uol.com.br. Consultado em 27 de junho de 2019 
  24. Frei Caneca FM (13 de julho de 2020). «Frei Caneca FM». Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  25. «Cultura PE» (PDF). Cultura PE. 12 de dezembro de 2019. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  26. «Zeca Viana lança álbum 'Estância' em show homenageando bairro do Recife». G1 PE. GLOBO. 12 de julho de 2015. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  27. Santa Rosa, André (8 de junho de 2020). «Novo disco de Zeca Viana, TRËMA traz trilha sonora de um autoisolamento». "Diário de Pernambuco". "Diário de Pernambuco". Consultado em 30 de julho de 2020 
  28. «Zeca Viana lança versão física de Seres invisíveis». Revista Continental. 4 de junho de 2011. Consultado em 11 de dezembro de 2016 
  29. «SIM São Paulo». www.simsaopaulo.com.br. Consultado em 27 de junho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cantor é um esboço relacionado ao Projeto Música. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.