Zidona dufresnei

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaZidona dufresnei
Z. dufresnei
Z. dufresnei
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Mollusca
Classe: Gastropoda
Subclasse: Caenogastropoda
Ordem: Neogastropoda
Superfamília: Volutoidea
Família: Volutidae
Subfamília: Zidoninae
Género: Zidona
H. Adams & A. Adams, 1853[1]
Espécie: Z. dufresnei
Nome binomial
Zidona dufresnei
(Donovan, 1823)[1]
Sinónimos
Voluta angulata Swainson, 1821
Voluta nasica Schubert & Wager, 1829[1]

Zidona dufresnei (nomeada, em inglês, angulate volute[2] ou angular volute; na tradução para o português, "voluta angular")[3] é uma espécie de molusco gastrópode marinho pertencente à família Volutidae. Foi classificada por Edward Donovan, em 1823.[1] Sua distribuição geográfica abrange o sudoeste do oceano Atlântico, entre o Rio de Janeiro, no sudeste do Brasil, e o golfo de San Matías (província de Río Negro), na Argentina.[4] No Pacífico é citada sua presença para a costa do Chile, onde recebe a denominação castelhana de caracol real, caracol gigante ou voluta angulosa.[2][5] Esta espécie pode ser usada na alimentação.[4]

Descrição da concha e hábitos[editar | editar código-fonte]

Concha de coloração cinzenta ou creme-alaranjada e de superfície vítrea, com um traçado castanho-arroxeado, mais ou menos pálido, em zigue-zague. Possui mais de 25 centímetros de comprimento quando desenvolvida, dotada de 4 a 5 voltas, apresentando uma abertura ampla e alongada com lábio externo fino e columela dotada de três pregas oblíquas. Sua protoconcha é afinada e desviada, em alguns espécimes. Seu manto é comprido e pode cobrir a concha quase completamente, não apresentando opérculo.[4][6]

É encontrada em águas moderadamente profundas, entre 5 e 200 metros[2], em fundos arenosos.[4] Comumente encontrada na zona entremarés, durante todo o ano, em Río Negro[7]; também pode ser encontrada nos sambaquis da costa brasileira.[8]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Zidona dufresnei» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 30 de outubro de 2018 
  2. a b c d «Zidona dufresnei (Donovan, 1823) - angulate volute» (em inglês). SeaLifeBase. 1 páginas. Consultado em 30 de outubro de 2018 
  3. ABBOTT, R. Tucker; DANCE, S. Peter (1982). Compendium of Seashells. A color Guide to More than 4.200 of the World's Marine Shells (em inglês). New York: E. P. Dutton. p. 218. 412 páginas. ISBN 0-525-93269-0 
  4. a b c d RIOS, Eliézer (1994). Seashells of Brazil (em inglês) 2ª ed. Rio Grande, RS. Brazil: FURG. p. 136. 492 páginas. ISBN 85-85042-36-2 
  5. OECD (2009). An Appraisal of the Chilean Fisheries Sector (em inglês). [S.l.]: OECD - Google Books. p. 137. 140 páginas. ISBN 978-92-64-07394-4. Consultado em 30 de outubro de 2018 
  6. «Zidona dufresnei dufresnei» (em inglês). Hardy's Internet Guide to Marine Gastropods. 1 páginas. Consultado em 30 de outubro de 2018 
  7. Roche, Andrea; Maggioni, Matías; Rumi, Alejandra; Narvarte, Maite (2013). «Duration of Intracapsular Development of Zidona dufresnei (Gastropoda: Volutidae) at its Southern Distributional Limit» (em inglês). American Malacological Bulletin 31(1). (BioOne). pp. 85–89. Consultado em 30 de outubro de 2018 
  8. SOUZA, Rosa Cristina Corrêa Luz de; LIMA, Tania Andrade; SILVA, Edson Pereira da (2011). Conchas Marinhas de Sambaquis do Brasil 1ª ed. Rio de Janeiro, Brasil: Technical Books. p. 210. 252 páginas. ISBN 978-85-61368-20-3