Ziri ibne Manade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ziri ibne Manade
Morte 971
Tierte
Nacionalidade Califado Fatímida
Etnia berbere sanhaja
Progenitores Pai: Manade ibne Mancus
Filho(s) Bologuine
Zaui
Macsane
Abul Biar
Halal
Maganine
Areme
Ocupação General

Ziri ibne Manade foi um general berbere sanhaja do Califado Fatímida e o fundador epônimo da dinastia zirida que governou a Ifríquia e uma das taifas do Alandalus. Fundou Achir, a primeira capital do Reino Zirida do Magrebe Central, e teve ativo papel na supressão de revoltas e invasões contra o Califado Fatímida.

Vida[editar | editar código-fonte]

Dinar de Alcaim Biamir Alá (r. 934–946)
Dinar de Almuiz (r. 953–975)

Ziri era filho de Manade ibne Mancus, primeiro chefe talcata (parte dos sanhajas) conhecido.[1] Como aliado do Califado Fatímida, e sob aprovação do califa Alcaim (r. 934–946), fundou um principado no Magrebe Ocidental em 940, centrado em Achir, construída por ele em 935. Os cronistas dizem que chamou pedreiros e companheiros de Massila e Tubna para construí-la, e que o califa enviou-lhe de Cairuão outros artesãos e materiais, em especial ferro.[2] A permissão para seu estabelecimento no Magrebe Central estava ligada à forte ameaça imposta pelos zenetas magrauas, aliados dos omíadas do Califado de Córdova.[3]

Em meados da década de 940, eclodiu uma revolta do carijita nucarita Abu Iázide. Ziri foi instrumental, ao lado do andalusino Ali ibne Hamdune, para o debelar da revolta[4] e em setembro de 945, aliviou a capital califal de Mádia, que estava sob cerco de Abu Iázide.[3] Ao longo do reinado do califa Almuiz (r. 953–975), Ziri e seu filho Bologuine tiveram alguns sucessos contra os magrauas.[4] Antes de partir ao recém-conquistado Egito, e em reconhecimento por sua lealdade, o califa nomeou Bologuine como governador da Ifríquia e os territórios ocidentais que tomasse dos zenetas pró-omíadas.[3]

Em 971, Ziri (ou Bologuine) foi confiado por Almuiz com a missão de parar os magrauas, que estavam se expandindo à Ifríquia. Com um poderoso exército, lutou com eles em 15 de fevereiro, provavelmente em Tremecém, e derrotou seu líder Maomé ibne Alcair, que se suicidou para evitar ser capturado. Pouco depois, contudo, Alcair, filho de Maomé, e seu novo aliado Jafar ibne Ali ibne Hamdune, derrotaram e mataram Ziri, perto de Tierte, quando marchava para enfrentá-los.[5][6] Ziri deixou, além de Bologuine, ao menos outros seis filhos: Zaui, Macsane, Abul Biar, Halal, Maganine e Areme.[7][8]

Referências

  1. Veronne 1997, p. 18.
  2. Bresc 1997, p. 197.
  3. a b c Tibi 2002, p. 514.
  4. a b Brett 2001, p. 234.
  5. Yver 1986, p. 1176.
  6. Brett 2001, p. 323.
  7. Tibi 2002a, p. 465.
  8. ibne Caldune 1854, p. 16.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bresc, Henri; Guichard, Pierre (1997). «Explosions within Islam: 875-1200». In: Fossier, Robert. The Cambridge Illustrated History of the Middle Ages Vol. II 950-1250. Cambrígia: Cambridge University Press 
  • Brett, Michael (2001). The Rise of the Fatimids: The World of the Mediterranean and the Middle East in the Fourth Century of the Hijra, Tenth Century CE. The Medieval Mediterranean 30. Leida: BRILL. ISBN 9004117415 
  • ibne Caldune (1854). Histoire des Berbères et des dynasties musulmanes de l'Afrique Septentrionale Vol. 2. Traduzido por Slane, William Mac Guckin. Paris: Imprensa do Governo 
  • Tibi, Amin (2002). «Zirids». In: Bearman, P. J.; Bianquis, Thierry; Bosworth, C.E.; Donzel, E. van; Heinrichs, W. P. The Encyclopaedia of Islam Vol XI W-Z. Leida: Brill 
  • Tibi, Amin (2002a). «Zawi b. Ziri». In: Bearman, P. J.; Bianquis, Thierry; Bosworth, C.E.; Donzel, E. van; Heinrichs, W. P. The Encyclopaedia of Islam Vol XI W-Z. Leida: Brill 
  • Veronne, Chantal de La (1997). «Sanhadja». The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume IX: San–Sze. Leida e Nova Iorque: BRILL. ISBN 90-04-09419-9 
  • Yver, G. (1986). «Maghrawa». The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume V: Khe–Mahi. Leida e Nova Iorque: BRILL. ISBN 90-04-07819-3