Zona de Conservação de Guanacaste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pix.gif Zona de Conservação de Guanacaste *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Guanacaste National Park.jpg
Vulcão de Rincón de La Vieja
País Costa Rica
Critérios (ix)(x)
Referência 928 en fr es
Coordenadas 10° 51′ N, 85° 37′ O
Histórico de inscrição
Inscrição 1999, 2004  (? sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

A Zona de Conservação de Guanacaste situa-se no noroeste de Costa Rica e compreende os parques de Santa Rosa, Guacanaste e Rincón de La Vieja e a Reserva de Fauna da Baía Junquillal.

O Parque foi estabelecido em 1989 e em 1999 a UNESCO declarou a área Património Mundial. Em 2004 a área do parque passou a ser 1470 km².

Experimento em recuperação florestal[editar | editar código-fonte]

No final da década de 1990, por volta de 1996, a Zona de Conservação se tornou palco de um experimento de recuperação florestal. Uma parceria entre o Ministério do Meio Ambiente e Energia e uma empresa de sucos, promovida por professores da Universidade da Pensilvânia (EUA), fez com que o lixo orgânico da empresa (cascas de laranja e resíduos de polpa) pudessem ser descartados em pastagens degradadas próximas à reserva. Em troca, a empresa doou uma parte florestada de seu terreno para o parque.[1]

Em 1998 a parceria foi contestada, e em 2000 foi julgada ilegal e foi interrompida. Uma empresa rival questionava se o descarte de material orgânico poderia estar poluindo um rio. Também questionou porque uma empresa poderia descartar o lixo desta maneira, se ela fora obrigada a construir uma usina de disposição de resíduos.[2]

Em 2013, uma equipe da Universidade de Princeton visitou o local do experimento, e encontrou um crescimento de 176% na biomassa do local, indicando o sucesso do experimento. A equipe concluiu que os locais que receberam descarte de material orgânico tinham solo mais rico, mais biomassa arbórea, mais espécies de árvores e maior cobertura florestal.[1][3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b B. Rose Kelly (22 de setembro de 2017). «Orange is the new green: How orange peels revived a Costa Rican forest» (em inglês). Universidade de Princeton. Consultado em 7 de maio de 2020 
  2. Duarte, Fernando (4 de outubro de 2019). «Descarte de cascas e polpas de laranja cria 'milagre verde' e recupera floresta tropical». BBC News Brasil. Consultado em 7 de maio de 2020 
  3. Treuer, Timothy L. H.; Choi, Jonathan J.; Janzen, Daniel H.; Hallwachs, Winnie; Peréz‐Aviles, Daniel; Dobson, Andrew P.; Powers, Jennifer S.; Shanks, Laura C.; Werden, Leland K. (2018). «Low-cost agricultural waste accelerates tropical forest regeneration». Restoration Ecology (em inglês). 26 (2): 275–283. ISSN 1526-100X. doi:10.1111/rec.12565