Acufeno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Zumbido)
Ir para: navegação, pesquisa
Acufeno
Classificação e recursos externos
CID-10 H93.1
CID-9 388.3
DiseasesDB 27662
MedlinePlus 003043
eMedicine ent/235
MeSH D014012

Acufeno, zumbido ou tinido é uma sensação auditiva na ausência de qualquer som exterior.[1] Embora muitas vezes descrito como semelhante a um zumbido no ouvido, pode também assemelhar-se a um tinido, sibilo ou rugido.[2] Muito raramente, os sons podem-se assemelhar a vozes ou música.[3] O som pode ser grave ou agudo, quase impercetível ou alto, e aparentar ter origem apenas num dos ouvidos ou em ambos.[2] Na maior parte dos casos aparece de forma gradual.[3] Em algumas pessoas, o som pode causar depressão, ansiedade ou interferir com a concentração.[2]

O zumbido não é uma doença, mas sim um sintoma que pode ter várias causas subjacentes. Uma das causas mais comuns é a perda de audição induzida pelo ruído. Entre outras causas possíveis estão stresse emocional, cerúmen, infeções dos ouvidos, doenças cardiovasculares, doença de Ménière, tumores cerebrais, exposição a determinadas substâncias ou uma lesão na cabeça anterior.[2][4] A condição é mais comum entre pessoas com depressão.[3]

O diagnóstico de acufeno geralmente baseia-se na descrição da pessoa. Existem diversos questionários que determinam o grau de interferência da condição com a vida da pessoa.[3] O diagnóstico é geralmente complementado com um audiograma e um exame neurológico.[1][3] Quando são observados determinados problemas, pode-se recorrer a imagiologia médica, como ressonâncias magnéticas. Quando o acufeno se manifesta ao mesmo ritmo do batimento cardíaco estão disponíveis outro tipo de exames. Ocasionalmente, o zumbido pode ser ouvido por outra pessoa com um estetoscópio, sendo designado nesse caso "zumbido objetivo"..[3]

A prevenção consiste em evitar ruídos altos.[2] Quando existe uma causa subjacente, o seu tratamento pode melhorar o zumbido.[3] Quando isso não é possível, o tratamento consiste em psicoterapia.[5] Em algumas pessoas, aparelhos que mascaram os sons ou aparelhos auditivos podem ter utilidade.[2] Em 2013, ainda não existiam medicamentos eficazes.[3] O zumbido é uma condição comum que afeta entre 10 e 15% das pessoas. A maior parte tolera bem o incómodo e só constitui um problema significativo para 1–2% das pessoas.[5]

Referências

  1. a b Levine, RA; Oron, Y (2015). «Tinnitus.». Handbook of clinical neurology [S.l.: s.n.] 129: 409–31. doi:10.1016/B978-0-444-62630-1.00023-8. PMID 25726282. 
  2. a b c d e f «Tinnitus». Setembro de 2014. Consultado em 22 de maio de 2015. 
  3. a b c d e f g h Baguley, D; McFerran, D; Hall, D (Nov 9, 2013). «Tinnitus.». Lancet [S.l.: s.n.] 382 (9904): 1600–7. doi:10.1016/S0140-6736(13)60142-7. PMID 23827090. 
  4. Han BI, Lee HW, Kim TY, Lim JS, Shin KS (Março de 2009). «Tinnitus: characteristics, causes, mechanisms, and treatments». J Clin Neurol [S.l.: s.n.] 5 (1): 11–19. doi:10.3988/jcn.2009.5.1.11. PMC 2686891. PMID 19513328. «About 75% of new cases are related to emotional stress as the trigger factor rather than to precipitants involving cochlear lesions.» 
  5. a b Langguth, B; Kreuzer, PM; Kleinjung, T; De Ridder, D (Sep 2013). «Tinnitus: causes and clinical management.». Lancet neurology [S.l.: s.n.] 12 (9): 920–30. doi:10.1016/S1474-4422(13)70160-1. PMID 23948178. 

Bibliografia complementar[editar | editar código-fonte]