Zuza Homem de Mello

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Zuza Homem de Mello
Nascimento 20 de setembro de 1933
São Paulo
Morte 4 de outubro de 2020 (87 anos)
São Paulo
Cidadania Brasil
Ocupação jornalista, musicólogo

José Eduardo Homem de Mello, mais conhecido como Zuza Homem de Mello (São Paulo, 20 de setembro de 1933 – São Paulo, 4 de outubro de 2020) foi um musicólogo e jornalista brasileiro, especialista na história da música popular brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Zuza Homem de Mello atuou como baixista profissional em bailes e clubes da cidade. Em 1955, incentivado pela mãe, abandonou o curso de engenharia para dedicar-se à música.[1] No ano seguinte, iniciando-se no jornalismo e assinando colunas de jazz para os jornais paulistanos Folha da Noite e Folha da Manhã. Em 1957, passa a frequentar a School of Jazz, em Tanglewood, EUA, onde teve aulas com Ray Brown e outros músicos.[2] Em 1957-58, estuda musicologia na Juilliard School of Music, de Nova York.[3]

A partir de 1958 passou a realizar palestras e cursos sobre Música Popular Brasileira e Jazz no Brasil e no exterior, tendo sido também jurado de alguns do mais importantes festivais de música no Brasil.

De volta ao Brasil em 1959, Zuza — como ficou conhecido no meio musical — ingressou na TV Record, onde permaneceu por cerca de dez anos.[2] Ao longo desse período, trabalhou como engenheiro de som nos programas de MPB e festivais da emissora, e booker na contratação de astros internacionais.[4]

Entre 1977 e 1988, concentra suas atividades no rádio e na imprensa, produzindo e apresentando o Programa do Zuza, na Rádio Jovem Pan AM; trabalhou também como crítico de música popular no jornal O Estado de S. Paulo, escreveu para as revistas Som 3, Nova e outras publicações no Brasil e no exterior. Em 1997, coordenou a Enciclopédia da Música Brasileira, e em 1982, ao lado de Tárik de Souza, planejou e coordenou a terceira edição da coleção didática História da Música Popular Brasileira, da Editora Abril.

Com uma larga experiência como produtor e diretor musical, Zuza dirigiu nos anos 70 a série de shows O Fino da Música, no Anhembi, na zona norte de São Paulo, que apresentava nomes conhecidos como o conjunto regional do Canhoto, Elis Regina, Elizeth Cardoso, e outros que ainda despontavam, como João Bosco, Ivan Lins e Alcione, entre outros. Nos anos 80, dirigiu os três Festivais de Verão do Guarujá, reunindo os veteranos Jackson do Pandeiro, Patativa do Assaré, Luiz Gonzaga, Jorge Ben Jor, Raul Seixas, e os ainda novatos Djavan, Beto Guedes e Alceu Valença. Mais tarde, produziu a tournée de Milton Nascimento ao Japão (1988); dirigiu Milton e Gilberto Gil na série de concertos Basf Chrome Music (1989). Nos anos 90 assumiu a direção geral das três edições do Festival Carrefour, que revelou nomes como Chico César, Lenine, Sérgio Santos e Zélia Duncan.[5] Ainda na década de 90, dirigiu no SESC, os shows Ramalhete de Melodias, Lupicínio às Pampas, Raros e Inéditos, a série Ouvindo Estrelas (durante dois anos), os dez espetáculos Aberto para Balanço, comemorativos dos cinquenta anos da entidade, e o concerto comemorativo dos cem anos de nascimento de George Gershwin.

Na televisão, apresentou a série Jazz Brasil na TV Cultura e na área fonográfica produziu discos de Jacob do Bandolim, Orlando Silva, Fafá Lemos, Carolina Cardoso de Meneses e Elis Regina, atuando na seleção de repertório do CD Canções Paulistas com os Trovadores Urbanos transformado, em 2007, num DVD do espetáculo. Foi diretor musical do Baretto entre 2001 e 2004. Em 2005 produziu as vinhetas da rádio BandNews FM e no ano seguinte da BandNews TV. Em 2006 foi curador dos shows de MPB no Café Filosófico da CPFL em Campinas, sendo coordenador dessa programação a partir do ano seguinte.

Jornalista convidado para os mais importantes festivais mundiais de música — Montreux, Edimburgo, Nova York, New Orleans, Barbados, Paris, Midem de Cannes, Tóquio, Montreal e Perugia —, Zuza integrou a equipe dos dois Festivais de Jazz de São Paulo (1978 e 80) e foi curador do elenco do Free Jazz Festival desde sua primeira edição, em 1985, e depois do seu sucessor, Tim Festival. Foi membro e ex-presidente da Associação dos Pesquisadores da MPB.

Em 2018 foi eleito para ocupar a cadeira n.º 17 da Academia Paulista de Letras substituindo o professor de literatura portuguesa Massaud Moisés.[6] Foi personagem do documentário Zuza Homem de Jazz, de Janaína Dalri, lançado em 2019.[7]

Morte[editar | editar código-fonte]

Zuza morreu aos 87 anos em 4 de outubro de 2020, em seu apartamento no bairro paulistano de Pinheiros, vitimado por um infarto agudo do miocárdio enquanto dormia.[8] Na noite anterior, ele estava bem, e havia feito postagens em sua conta no Instagram. Segundo sua esposa, Ercília Lobo, eles haviam brindado os projetos bem-sucedidos. Na semana anterior ele havia concluído a biografia do músico João Gilberto.[9]

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • Música popular brasileira cantada e contada (1976),
  • A canção no tempo (dois volumes, em coautoria com Jairo Severiano (Editora 34, 1997-98),
  • João Gilberto (Publifolha, Coleção Folha Explica, 2001)
  • A Era dos Festivais (Editora 34, 2003).
  • Música nas veias:memórias e ensaios (Editora 34, 2007)
  • Eis aqui os bossa nova (WMF Martins Fontes ,2008)
  • Música com Z (Editora 34, 2014)
  • Copacabana: a trajetória do samba-canção (Editora 34 e Edições Sesc, 2017)

Referências

  1. Michel, Fabio (4 de outubro de 2020). «Zuza Homem de Mello morre em São Paulo, aos 87 anos». Sul21. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  2. a b «O homem que ensinou Caetano a ouvir música». Jornal JÁ. 5 de outubro de 2020. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  3. «Aos 80 anos, Zuza Homem de Mello reúne artigos de luxo em 'Música com Z' - Cultura - Estadão». Estadão 
  4. Tuta, Carvalho (26 de fevereiro de 2014). Ninguém faz sucesso sozinho. [S.l.]: Escrituras. ISBN 9788575313442 
  5. «Zuza Homem de Mello conta a trajetória do samba-canção» 
  6. Zuza Homem de Mello é eleito para a Academia Paulista de Letras
  7. «Morre aos 87 anos Zuza Homem de Mello». CartaCapital. 4 de outubro de 2020. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  8. Maria, Julio (4 de outubro de 2020). «Zuza Homem de Mello morre em São Paulo, aos 87 anos». Terra. Consultado em 4 de outubro de 2020 
  9. «Morre Zuza Homem de Mello aos 87 anos, em São Paulo». VEJA. Consultado em 4 de outubro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]