Zwartboek

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Zwartboek
No Brasil A Espiã[1][2]
Em Portugal Livro Negro[3][4]
 Países Baixos ·  Bélgica ·
 Alemanha ·  Reino Unido
2006 •  cor •  145 min 
Direção Paul Verhoeven
Elenco Carice van Houten
Sebastian Koch
Thom Hoffman
Halina Reijn
Matthias Schoenaerts
Waldemar Kobus
Derek de Lint
Christian Berkel
Género filme de guerra
filme de drama
filme de espionagem
filme de suspense
Distribuição Europa Filmes (Brasil)[5]
Mares Filmes (Brasil)[6]
Idioma alemão · inglês · neerlandês · hebraico

'Ll'Zwartboek (bra: A Espiã; prt: Livro Negro) é um filme britano-belgo-teuto-neerlandês de 2006[2], dos gêneros drama, guerra, espionagem e suspense, realizado por Paul Verhoeven, com roteiro de Gerard Soeteman e do próprio Verhoeven[1].

Protagonizado por Carice van Houten, Sebastian Koch, Thom Hoffman, Halina Reijn e Matthias Schoenaerts, Zwartboek retrata uma jovem mulher judia que procura sobreviver durante a ocupação nazista na Holanda durante a Segunda Guerra Mundial.

A película recebeu diversos prémios de cinema nos Países Baixos, entre eles: Gouden Film (Prémio de Ouro)[carece de fontes?], Platina Film (Prémio de Platina)[carece de fontes?] e três prémios Gouden Kalveren (Bezerros de Ouro)[carece de fontes?]. Chegou a ser sugerido para o Óscar[carece de fontes?], mas não integrou a lista final de nomeações para Melhor Filme Estrangeiro. Durante o Festival de Cinema Neerlandês de 2008, o filme foi eleito o melhor filme de todos os tempos[carece de fontes?].

Em setembro de 2021, a Europa Filmes lançou o filme no Brasil em edição limitada e definitiva em blu-ray em parceria com a Versátil Home Vídeo.[5] Em DVD, ele foi lançado no mesmo ano pela Mares Filmes na Vídeo Pérola.[6]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em 1956, a judia Rachel e a turista Ronnie reencontram-se por acaso num kibutz israelense na região do Mar da Galileia, após mais de uma década sem se verem. Ronnie estava passeando pela Terra Santa com o seu marido canadense. Após a partida de Ronnie, Rachel relembra perto de um lençol de água o período vivido na Holanda durante a Segunda Guerra Mundial.

Em setembro de 1944, o endereço clandestino da cantora judia Rachel Stein é bombardeado por acidente pelas forças aliadas. Rachel é salva por um filho de agricultor a bordo de um velejador e aconselhada pelo clandestino Van Gein a escolher entre a clandestinidade ou a fuga. Recorrendo à ajuda de Van Gein, Rachel escolhe fugir com a família e um grupo de judeus e atravessar a rede de rios do Parque Nacional De Biesbosch em direcção a território já libertado do dominio dos nazistas. Rachel recolhe 50000 florins em dólares e diamantes junto de Smaal, o notário do seu pai, que anota a transacção num livrinho e o dá a Rachel para confirmar a transacção através de assinatura. Contudo, durante a travessia pelo Biesbosch, Rachel e os restantes passageiros entre os quais os pais e o irmão recem-operado ao ceco são assaltados por Van Gein. O barco acaba nas mãos de uma patrulha alemã e praticamente todos os ocupantes são metralhados. Todos menos Rachel que salta para a água na altura em que os primeiros corpos metralhados caem na água. Escondida, Rachel assiste horrorizada à retirada dos corpos metralhados e à recolha bruta dos despojos. Mais tarde, Rachel disfarça-se de mulher morta vítima de tifo dentro de um caixão e chega a uma associação de caridade onde ela vai cozinhar, sob a orientação do clandestino comunista Gerben Kuiper. Neste período muda de identidade para Ellis de Vries e altera o seu aspecto físico de modo a aproximar-se do ideal hitleriano de beleza e sobretudo disfarçar a sua ascendência judia.

Notando o interesse de um oficial alemão, ela se aproxima dele e consegue um trabalho. Enquanto isso a resistência elabora um plano para libertar um grupo de prisioneiros, onde a participação de Ellis será fundamental.[carece de fontes?]

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Carice van Houten (Rachel Stein / Ellis de Vries)
  • Sebastian Koch (Ludwig Müntze)
  • Thom Hoffman (Hans Akkermans)
  • Halina Reijn (Ronnie)
  • Waldemar Kobus (Günther Franken)
  • Derek de Lint (Gerben Kuipers)
  • Christian Berkel (General Käutner)
  • Peter Blok (Van Gein)
  • Michiel Huisman (Rob)
  • Ronald Armbrust (Tim Kuipers)
  • Frank Lammers (Kees)
  • Matthias Schoenaerts (Joop)
  • Johnny de Mol (Theo)
  • Xander Straat (Maarten)
  • Diana Dobbelman (Sra. Smaal)
  • Rixt Leddy (Anny)

Recepção[editar | editar código-fonte]

No agregador de críticas Rotten Tomatoes, o filme tem um índice de aprovação de 75% com base em 155 comentários dos críticos; o consenso geral afirma: "Uma mistura furiosa de sexo, violência e relativismo moral, Black Book é um melodrama descaradamente divertido."[7] O Metacritic relatou que o filme teve uma pontuação média de 71 de 100, com base em 34 revisões da imprensa.[8]

Referências

  1. a b «A Espiã». Brasil: CinePlayers. Consultado em 12 de janeiro de 2019 
  2. a b «A Espiã». Brasil: AdoroCinema. Consultado em 12 de janeiro de 2019 
  3. «Livro Negro». Portugal: SapoMag. Consultado em 12 de janeiro de 2019 
  4. «Livro Negro». Portugal: CineCartaz. Consultado em 12 de janeiro de 2019 
  5. a b «Blu-ray: A Espiã - Edição Definitiva Limitada (1 Blu-ray + 1 DVD)». Versátil Home Vídeo. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  6. a b «Vídeo Pérola anuncia três novos títulos exclusivos em DVD». Blog do Jotacê. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  7. «Black Book». Rotten Tomatoes (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2021 
  8. «Black Book (2007): Reviews». Metacritic (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme neerlandês é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.