Cerco de Calais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Batalha de Calais)
Ir para: navegação, pesquisa
Cerco de Calais
Parte da(o) Guerra dos 100 anos
Belagerung von Calais 1346-1347.JPG
O Cerco de Calais.
Data 4 de Setembro de 13463 de Agosto de 1347
Local Calais, França
Desfecho Vitória inglesa
Combatentes
Royal Arms of England (1399-1603).svg Reino da Inglaterra Blason France moderne.svg Reino da França
Principais líderes
Eduardo III de Inglaterra Jean de Fosseux
Forças
cerca de 34 000, sendo 5 300 cavaleiros, 6 600 soldados desmontados (infantaria), 20 000 arqueiros, 2 000 soldados da Flandres entre 7 000 e 8 000 cidadãos

O Cerco de Calais (no norte de França) começou em 1346 e durou até ao início do que mais tarde se chamaria a Guerra dos Cem Anos. Eduardo III de Inglaterra, que reclamava também o reino de França, derrotou a armada francesa na Batalha de Sluys em 1340, e entrou na Normandia, terminando finalmente na Batalha de Crécy em 1346. Nesse ponto o exército inglês não podia continuar sem renovação de alimentos e sem reforços, e a ajuda da Flandres, pelo que se retirou para norte. Os navios ingleses tinham abandonado já as costas da Normandia de regresso à Inglaterra, e assim o rei Eduardo tinha que tomar um posto defensável onde o seu exército pudesse reagrupar-se e reabastecer-se.

Calais era perfeitamente apropriada para os propósitos do monarca inglês. Era altamente defensável, com duplo fosso e muralhas que tinham sido erguidas cem anos antes. A cidadela no lado noroeste da cidade tinha o seu próprio fosso e fortificações adicionais. Além disso a cidade encontrava-se sobre o Canal da Mancha, o que implicava que, uma vez tomada, podia ser facilmente reabastecida e defendida por mar. Atractiva como era para Eduardo de Inglaterra, por sua posição, era porém muito difícil de tomar.

A cidade foi cercada no Verão de 1346, mas só se renderia em 1 de Agosto de 1347.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Davis, Paul K. (2001). "Besieged: 100 Great Sieges from Jericho to Sarajevo." Oxford: Oxford University Press.