Dapi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade. Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Nuvola apps kcmpartitions.png
Este artigo não está em nenhuma categoria (desde junho de 2018).
Por favor, categorize-o para que seja listado com suas páginas similares.

O DAPI foi sintetizado pela primeira vez em 1971 no laboratório de Otto Dann, como parte de uma pesquisa de medicamentos para tratar a tripanossomíase. Não foi bem sucedido como medicação, mas houve a percepção cientifica que a molécula se ligava fortemente ao DNA (regiões adenina-timina), ficando mais flurescente e de forma mais fraca se liga ao RNA também, causando fluorescencia menor.

Representação da estrutura química do DAPI

A coloração da DAPI pode ser comparada, ou seja, se assemelha com as colorações da Hoechst, por também serem manchas de fluorescencia azul. Normalmente é utilizada com outros métodos, para melhoras de resultado de imagem.

  • É uma proteína amplamente utilizado em micr oscopia de fluorescência, sendo excitado com luz ultravioleta e detectado através de um filtro azul/ciano. DAPI é conveniente para microscopistas que desejam usar múltiplas manchas fluorescentes em uma única amostra. Quando ligado ao ADN de cadeia dupla, o DAPI tem um máximo de absorção a um comprimento de onda de 358 nm (ultravioleta) e o seu máximo de emissão é de 461 nm (azul).

[1] [2]