Fronteira Canadá-Estados Unidos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Fronteira Canadá-Estados Unidos
Condados dos EUA com fronteira terrestre com o Canadá
Delimita:  Canadá
 Estados Unidos
Comprimento: 8891 km
Posição: 1
Características: Em duas partes: do sul do Canadá com o norte dos Estados Unidos Continentais e do noroeste do Canadá com o Alasca
Criação: 1783
Traçado atual: 1907
Tratados: Tratado de Paris
Tratado Webster-Ashburton

A fronteira entre o Canadá e os Estados Unidos apresenta uma das maiores extensões de fronteiras no mundo em linha reta, onde não são usadas estruturas naturais. Esta fronteira terrestre é composta por duas secções: uma entre o sul do Canadá e os estados continentais dos Estados Unidos, com 6414 km, e a outra, entre o oeste do Canadá e o Alasca com 2477 km.

No total a fronteira terrestre tem 8891 km, o que faz dela a mais longa fronteira terrestre do mundo.

Traçado[editar | editar código-fonte]

Traçado da fronteira no interior da Haskell Free Library and Opera House (Vermont).

No extremo oeste a fro inicia no litoral do Oceano Pacífico, nas proximidades de SGaang Gwaii (Ilha Anthony) (Canadá), separando o estado de Washington (EUA) da Colúmbia Britânica Canadá.

Segue num longo trecho retilíneo cuja direção é a do paralelo 49 N, desde o estado de Washington até ao Lago dos Bosques (contornando o Northwest Angle ou Ângulo do Noroeste), Minnesota, nos Estados Unidos, desde a Colúmbia Britânica até Manitoba, no Canadá.

A partir do Lago dos Bosques e para leste, segue os Grandes Lagos, passando pelo meio, na direção N-S dos lagos Superior, Huron, Erie e Ontário, ficando ao sul os estados americanos de Wisconsin, Michigan e Ohio.

A leste dos lagos segue o contorno norte dos estados americanos de Nova Iorque, Vermont e Maine, segundo o definido pelo Tratado Webster-Ashburton, até ao litoral do Oceano Atlântico. Vai ao longo das províncias canadenses de Ontário, Quebec e Nova Scotia.

  • Fronteira ao noroeste do Canadá:

É a fronteira do Canadá com o estado americano do Alasca. Apresenta ao norte, desde o litoral com o Oceano Ártico, um trecho retilíneo, norte-sul, segundo o meridiano 141 W, junto ao Território de Yukon (Canadá). Daí para o sul (fronteira sinuosa), onde separa a Colúmbia Britânica (Canadá) da região meridional do Alasca, seguindo por uma estreita faixa litorânea do Oceano Pacífico, muito recortada e com muitas ilhas, onde fica a capital do estado do Alasca, Juneau.

Cidades canadenses[editar | editar código-fonte]

As mais importantes cidades canadenses ficam próximas à fronteira ao norte dos Estados Unidos. Do oeste para o leste, estão: Victoria, Vancouver, Winnipeg, Thunder Bay, Toronto, Ottawa, Montreal, Quebec, Fredericton. Na fronteira ficam também as Cataratas do Niágara, no leste.

História[editar | editar código-fonte]

A fronteira entre Oregon Country e Columbia District.

Essa fronteira já fora a divisa do Canadá, ainda domínio do Império Britânico como Confederação do Canadá, com a Rússia, que ainda não vendera o Alasca aos Estados Unidos. Em 1867 ocorreram a Independência do Canadá e a compra do Alasca pelos Estados Unidos, caracterizando assim essa fronteira internacional.

A Comissão Internacional de Fronteiras[editar | editar código-fonte]

Em 1925, a "International Boundary Commission" (Comissão Internacional de Fronteiras) tornou-se a organização responsável permanente pelos levantamentos topográficos e mapeamento da fronteira, mantendo marcos de fronteira (e bóias) onde necessário), bem como mantendo a fronteira limpa de vegetação numa faixa de 6 metros de largura. Esta "área livre de fronteira" estende-se por 3 metros de cada lado da linha. O orçamento anual da Comissão é de cerca de 1,4 milhões de dólares norte-americanos.[1]

A Comissão tem dois comissários, um de cada país.[2] Em Julho de 2007, a administração Bush despediu o comissário dos Estados Unidos, Dennis Schornack, por causa de uma disputa entre a comissão e o governo sobre construção particular junto à fronteira.[3] Schornack rejeitou a posição do seu governo, afirmando que a comissão é independente, internacionalmente reconhecida e fora da jurisdição dos governos e que, de acordo com o tratado de 1908 que a criou, uma vaga só ocorria devido a "morte, demissão ou incapacidade" de um comissário.[4]

Referências

  1. Schiff, Stacy (22 de julho de 2007). «Politics Starts at the Border». New York Times 
  2. Organization Chart, International Boundary Commission, acesso em 27 de Julho de 2007
  3. «Blaine couple, U.S. agency settle border wall case». Seattle Times. 15 de janeiro de 2009 
  4. Bowermaster, David (12 de julho de 2007). «Firing by Bush rejected by boundary official». Seattle Times