Jaime Stewart, 1.º Conde de Moray

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de James Stuart, Conde de Moray)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jaime Stewart
Conde de Moray
 
Cônjuge Agnes Keith
Descendência Isabel
Casa Real Stuart
Nascimento 1531
Morte 23 de janeiro de 1570 (39 anos)
Pai Jaime V da Escócia
Mãe Margarida Erskine

Jaime Stewart, importante figura da História da Escócia no século XVI, era irmão da Rainha Maria Stuart e foi regente do país.

Filho bastardo do rei Jaime V com sua amante Margarida Erskine, que desde 1527 era esposa de Robert Douglas, e irmã do Conde (Earl) de Mar, nasceu Lord James Stewart em 1531 ou 1532 e morreu assassinado em 1570. Foi feito em 1562 primeiro conde de Moray (ou Murray). Casou-se em 1562 com Agnes Keith, filha primogênita de William Keith (morto em 1581) 4º Conde de Keith.

Em 1560, quando morreu a regente Maria de Guise, o poder na Escócia estava com os lordes protestantes da Congregação que reuniram um parlamento (ilegal) para implementar a Reforma, banir a missa e a autoridade papal. Seus conselheiros principais eram protestantes, William Maitland de Lethington, talentoso diplomata, e o conde de Moray.

James Stewart foi, mais tarde, regente em nome do sobrinho Jaime VI, filho de sua meia-irmã Maria Stuart. Convertera-se jovem ao Protestantismo e foi peça importante no sucesso da Reforma na Escócia. Uniu-se aos Lordes da Congregação (em 1559) e se tornou o opositor mais importante a Maria de Guise, que se tornara regente da Escócia por morte de seu marido, pai de James Stewart. Tornou-se depois conselheiro da Rainha Maria, quando jovem, quando em 1561 voltou à Escócia, promovendo boas relações com a Inglaterra e a reforma religiosa.

Opôs-se ao casamento de Maria com Darnley (1565) e, depois de uma rebelião abortada, fugiu para a Inglaterra. Tomou parte na conspiração para assassinar o confidente da Rainha, David Rizzio. Retornou à Escócia depois do assassinato em 1566 e se reconciliou com Maria, inconsciente de sua participação. Tornou-se Regente da Escócia quando a meia-irmã abdicou em 1567. Fez todos os esforços para conseguir perpetuar o encarceramento de Maria da Escócia, e apoiou o jovem rei Jaime VI (1566 - 1625), que se tornou amigo dos ingleses e do Protestantismo. Foi assassinado por James Hamilton of Bothwellhaugh em Linlithgow, que era partidário de Maria, no primeiro assassinato que se registra por arma de fogo, e está sepultado na igreja de St. Giles em Edinburgh. Foi elogiado por John Knox pela parte que tomou na Reforma na Escócia.