Tepe epiglotal sonoro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Toque epiglótico expresso)


Tepe epiglotal sonoro
ʡ̆
ʢ̆

Um tepe ou flepe epiglótico ou faríngeal expresso.[1]

Não existe um símbolo dedicado para este som no AFI, mas pode ser transcrito adicionando um diacrítico "extra curto" ao símbolo da parada, ⟨ʡ̆⟩.

Características[editar | editar código-fonte]

  • Sua forma de articulação é tepe ou flepe , o que significa que é produzida com uma única contração dos músculos de forma que um articulador (geralmente a língua) é lançado contra outro.
  • Seu local de articulação é epiglótica, o que significa que está articulado com as pregas ariepiglóticas contra a epiglote. Sua fonação é sonora, o que significa que as cordas vocais vibram durante a articulação.
  • É uma consoante oral, o que significa que o ar só pode escapar pela boca.
  • É uma consoante central, o que significa que é produzida direcionando o fluxo de ar ao longo do centro da língua, em vez de para os lados.
  • O mecanismo da corrente de ar é pulmonar, o que significa que é articulado empurrando o ar apenas com os pulmões e o diafragma, como na maioria dos sons.[2]

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

Não é conhecido por existir como fonema em qualquer idioma. No entanto, ele existe como o alofone expresso intervocálico da parada epiglotal de outra forma surda /ʡ/ de Dahalo[3] e talvez de outras línguas. Também pode existir no árabe iraquiano, onde a consoante 'ayn é muito curta para ser uma parada epiglótica, mas tem uma explosão grande demais para ser uma fricativa ou aproximante.[2]

Língua Palavra IPA Significado Notas
Dahalo [4] [nd̠oːʡ̆o] 'lama' Alofone intervocálico da parada epiglótica sem voz /ʡ/, pode ser um aproximante em vez disso. [4]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Esling (2010), p. 700.
  2. a b Maddieson; Spajić; Sands; Ladefoged, Ian; Siniša; Bonny; Peter (1993). "Phonetic structures of Dahalo", in Maddieson, Ian (ed.), UCLA working papers in phonetics: Fieldwork studies of targeted languages. [S.l.]: Los Angeles: The UCLA Phonetics Laboratory Group. pp. 25–65 
  3. Esling, John (2010). "Phonetic Notation", in Hardcastle, William J.; Laver, John; Gibbon, Fiona E. (eds.), The Handbook of Phonetic Sciences Wiley-Blackwell. [S.l.: s.n.] 
  4. a b Maddieson et al. (1993), p. 33.