Índice da cachaça

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O índice da cachaça é um indicador econômico que aponta que, quanto menor a confiança do consumidor brasileiro, maior é a venda de cachaça. O aumento do consumo de cachaça é resultado da troca de produtos na cesta do consumidor: o consumidor, em função do preço menor e do teor alcoólico maior, substitui a cerveja por esse produto.[1][2][3][4]

O termo apareceu primeiramente em um estudo divulgado em agosto de 2016 pelo Ibope, feito a partir do cruzamento de dados comportamentais dos brasileiros.[5] A empresa, em conjunto com a Confederação Nacional da Indústria, cruzou os números do Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (que é medido mensalmente) com as vendas do destilado de cana-de-açúcar em três redes varejistas do país.[3] Fazendo uma divisão da população brasileira, se constatou que em 13 macrosegmentos e 42 segmentos o “efeito cachaça” aparece, não tendo relação direta com a classe social dos indivíduos, e que durante uma crise as pessoas tendem a trocar o lazer obtido em saídas externas e optam por ficar mais recolhidos. O resultado foi medido com a cachaça, porém outras bebidas também aparecem na pesquisa.[4]

Referências

  1. «Beber para não esquecer - Política - Estadão». Consultado em 22 de agosto de 2016 
  2. «Venda de cachaça aumenta com pior expectativa econômica, diz estudo». 10 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016 
  3. a b «Brasileiro bebe mais cachaça quando está pessimista com a economia, diz Ibope». Consultado em 22 de agosto de 2016 
  4. a b «Crise eleva consumo de cachaça». Consultado em 22 de agosto de 2016 
  5. «Quanto pior a expectativa do consumidor, mais garrafas de cachaças são vendidas, mostra PeopleScope». www.ibopeinteligencia.com. Consultado em 22 de agosto de 2016 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.