536

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
SÉCULOS: Século VSéculo VISéculo VII
DÉCADAS: 480490500510520530540550560570580
ANOS: 531532533534535536537538539540541

O ano 536 (DXXXVI) foi um ano bissexto começando na terça-feira do calendário juliano. as suas letras dominicais foram F e E. Na época, era conhecido como o Ano após o Consulado de Belisário (ou, com menos frequência, ano 1289 Ab urbe condita). A denominação 536 para este ano usa-se desde o primeiro período medieval, quando a era civil de Anno Domini se tornou o método prevalecente na Europa para nomear anos.

No início deste ano, um vulcão cataclísmico na Islândia expeliu cinzas no Hemisfério Norte, criando uma névoa que mergulhou a Europa, o Oriente Médio e partes da Ásia na escuridão - dia e noite - por 18 meses. As temperaturas no verão caíram de 1,5 ° C a 2,5 ° C, iniciando a década mais fria nos últimos 2300 anos[1].

Em algumas partes da Europa e da Ásia, o Sol brilhava apenas quatro horas por dia e não iluminava mais do que a Lua.

Apesar de a vida na Terra não ter acabado, este período de intensa escuridão foi seguido por um longo período de agitação, com as árvores a terem muitas dificuldades em crescer desde o ano 536 até 555. As evidências sugeriam uma atenuação solar extensa, mas os cientistas nunca souberam o motivo.

Os cientistas analisaram um núcleo de gelo na Gronelândia e concluíram que erupções subaquáticas que transportam sedimentos e microrganismos marinhos para a atmosfera, ajudaram a atenuar a luz do Sol.

A partir de um núcleo de gelo chamado GISP2, os cientistas analisaram as camadas de gelo datadas entre 532 e 542, mediram a química da água de fusão e extraíram fósseis microscópicos para estudá-las ao microscópio.

A análise não podia ter surpreendido mais os investigadores: as camadas do núcleo de gelo continham 91 fósseis de espécies microscópicas que teriam vivido em águas quentes e tropicais. Mas como apareceram estas espécies tropicais, amantes de calor, numa camada de gelo na Gronelândia?

A equipa suspeita que tenham sido atirados para a atmosfera por erupções vulcânicas subaquáticas perto do Equador. Em vez de emitir muito enxofre, as erupções subaquáticas teriam vaporizado a água do mar, aumentando o vapor e transportando sedimentos carregados de cálcio e criaturas microscópicas do mar para a atmosfera.

De acordo com os cientistas, as erupções vulcânicas equatoriais, em particular, podem afetar o globo inteiro. Uma vez na atmosfera, os sedimentos e os microorganismos teriam sido bastante eficazes a refletir a luz solar.

Por serem tão difíceis de detetar nos registos de sedimentos, nunca haviam sido identificados[2].



Falecimentos[editar | editar código-fonte]

Referências