A Capital

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o romance de Eça de Queirós, veja A Capital (romance).


A Capital
Periodicidade Diário
Sede Lisboa
Fundação 1910 (106 anos)
Proprietário Prensa Ibérica (em 2005)
Circulação 3.614 (2005)[1]


A Capital (segunda série) foi um jornal vespertino que se publicou em Lisboa entre 21 de fevereiro de 1968[2] e 30 de julho de 2005[3] .


História[editar | editar código-fonte]

Primeiras décadas[editar | editar código-fonte]

O jornal nasce de uma cisão no Diário de Lisboa, e quando saiu a primeira edição a 21 de Fevereiro de 1968, era segundo dizia na primeira página, continuidade, invocando a tradição do jornal fundado a 01 de Julho de 1910, [4] por Manuel Guimarães, que teve na sua breve existência como colaboradores André Brun e Júlio Dantas.

A Capital (segunda série), publicada a partir de finais dos anos sessenta, era um jornal da tarde não ligado ao regime, afoito, gerido como uma cooperativa de jornalistas, algo nunca visto, tendo à frente Norberto Lopes, diretor, e Mário Neves, diretor adjunto.

Conheceu em 1971 um novo fôlego sob a direção de Manuel José Homem de Mello e a chefia de redação a cargo de Rudolfo Iriarte, que também viria a ser diretor mais tarde, Cáceres Monteiro, e Manuel Beça Múrias.[5] Apoiado na cobertura da atualidade e da reportagem, era um jornal de qualidade que chegou a atingir os 40 mil exemplares, representando 39 por cento de tiragens.[6]

Durante os anos que se seguiram à revolução de Abril, à qual sobreviveu incólume, teve como diretores David Mourão-Ferreira e Francisco Sousa Tavares.

Período pós-privatização[editar | editar código-fonte]

Em 1988 o título, seguindo a senda das privatizações, é comprado por Francisco Pinto Balsemão e a direção entregue a Helena Sanches Osório. Não conseguindo alcançar o êxito, A Capital passa a mãos do grupo Prensa Ibérica, liderado por António Matos, que se colocou à frente do projeto, acabando por se converter em matutino.[7] Luís Osório, em 2005, é o último diretor antes do jornal fechar definitivamente, em queda de vendas.[1] [8]


Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.