Abequose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Conceito[editar | editar código-fonte]

Estrutura do monossacarídeo abequose (açúcar na conformação piranose - anel de seis átomos)

Abequose é um dos monossacarídeos não usuais que ocorrem na porção denominada antígeno O presente em glicoconjugados observados na superfície das bactérias gram-negativas. É uma hexose, ou seja, um açúcar formado por seis carbonos,que assume a conformação piranosídica em seu processo de ciclização.[1]

Antígeno O[editar | editar código-fonte]

A superfície externa de bactérias gram-negativas é revestida por polissacarídeos complexos e, muitas vezes, não usuais, conhecidos como antígenos O, que marcam cada linhagem bacteriana de forma única. Estudos a cerca dessas linhagens indicam que os antígenos O participam no reconhecimento da célula hospedeira. Além disso, como o seu próprio nome sugere, são também o meio pelo qual o sistema de defesa imunológica do hospedeiro reconhece uma bactéria invasora como um organismo estranho.[1]

O antígeno O é um polissacarídeo que cobre grande parte da superfície de bactérias gram-negativas, embora possa ser mascarado por uma cápsula externa à célula propriamente dita. É tipicamente um polímero com um oligossacarídeo repetitivo de 3 a 6 resíduos de açúcar, que é ligado através de um núcleo oligossacarídico ao lípido A, o que compreende, então, toda a estrutura do lipopolissacarídeo (LPS), que é o principal lipídio do folheto externo da membrana externa característica de bactérias gram-negativas. O lípido A e o núcleo não variam muito dentro de um gênero, porém o antígeno O, no entanto, é extremamente polimórfico e em salmonelas, por exemplo, cerca de 40 formas principais são atualmente reconhecidos.[2]

Estudos realizados em três diferentes sorogrupos de Salmonella (A, B e D) confirmaram, em todos eles, a presença de antígeno O com uma unidade de repetição de quatro açúcares. Destes açúcares, três formam uma manosil-rhamnosyl-galactose, tríade de açúcares comum aos três grupos, que diferem apenas no quarto açúcar ligado, uma didesoxihexose substituída no resíduo de manosil. No sorogrupo B, o açúcar didesoxi que confere a especificidade do grupo é o monossacarídeo abequose.[2][3]

Referências

  1. a b Bioquímica. Donald,Voet. Editora: Artmed. 4ª edição. 2013
  2. a b Wyk, P.; Reeves, P. (outubro de 1989). «Identification and sequence of the gene for abequose synthase, which confers antigenic specificity on group B salmonellae: homology with galactose epimerase». Journal of Bacteriology. 171 (10): 5687–5693. ISSN 0021-9193. PMC 210415Acessível livremente. PMID 2793832 
  3. Watson, D. C.; Robbins, J. B.; Szu, S. C. (novembro de 1992). «Protection of mice against Salmonella typhimurium with an O-specific polysaccharide-protein conjugate vaccine». Infection and Immunity. 60 (11): 4679–4686. ISSN 0019-9567. PMC 258218Acessível livremente. PMID 1383154