Amani Abeid Karume

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amani Abeid Karume em cúpula do Fórum Econômico Mundial no ano de 2010

Amani Abeid Karume (Zanzibar, 1 de novembro de 1948) é o ex-presidente de Zanzibar, ocupou o cargo de 8 de novembro de 2000 a 3 de novembro de 2010. É filho do primeiro presidente de Zanzibar, Abeid Amani Karume e membro do partido Chama Cha Mapinduzi (CCM).

Trajetória de Vide e Carreira[editar | editar código-fonte]

Nascido em 1948, Karume foi educado na Escola Secundária Lumumba até 1969, ano em que se formou em ciências contábeis. Durante a década de 1970, ocupou vários cargos no Governo Revolucionário de Zanzibar, incluindo Chefe Tesoureiro (1970-1971), Secretário Principal no Ministério das Finanças (1971-1974), Secretário Principal no Ministério do Planejamento (1974-1978) e Diretor Secretário do Ministério das Comunicações e Transportes (1978-1980).[1]

Durante a década de 1980, trabalhou como consultor privado para um negócio britânico instalado em Zanzibar. Karume voltou ao governo e à política em 1990, quando foi eleito para a Câmara dos Representantes de Zanzibar do distrito eleitoral de Raha Leo. Em 1995, ele foi reeleito para essa posição nas pesquisas multipartidárias.

Carreira Política[editar | editar código-fonte]

Ele entrou na política em 1990, concorrendo ao distrito eleitoral de Raha Leo como membro do Parlamento de Zanzibar. Posteriormente, foi nomeado Ministro do Comércio de 1990-1995 pelo Presidente Salim Amour. Em 1995, ele foi reeleito para o mesmo círculo eleitoral e depois nomeado como Ministro da Comunicação e Transportes.[2]

Karume, que atua como candidato presidencial do CCM para Zanzibar, ganhou 67,04% dos votos em uma eleição de outubro de 2000 prejudicada por irregularidades e criticada por observadores internacionais (embora as pesquisas sobre a Tanzânia continental sejam geralmente louvadas). A controvérsia sobre as eleições levou a demonstrações massivas, particularmente na ilha de Pemba, onde a polícia abriu fogo contra manifestantes, matando treze pessoas.[3]

Ele foi reeleito nas eleições de 30 de outubro de 2005, ganhando 53,18% do total de votos, em outra eleição contestada com muitas irregularidades de acordo com a Comissão Eleitoral de Zanzibar. Karume é casado e é pai de seis filhos, todos já em idade adulta. Ele é fluente em suaíli e em inglês.

No final de 2009, após os anos de esforços de reconciliação entre o CCM e o CUF no âmbito do "Muafaka" falhando, o Presidente Karume iniciou conversações de paz com o seu homólogo, Seif Sharif Hamad, da Frente Civil Cívica , CUF. Foi a primeira vez na história da "política democrática" de Zanzibar, onde os dois líderes realizaram o diálogo para buscar uma solução de paz duradoura para as ilhas. Os dois líderes proporcionaram a oportunidade ao povo de Zanzibar de decidir sobre o seu destino futuro e através de um referendo realizado em julho de 2010, o povo Zanzibari votou SIM para um governo de unidade nacional. Em novembro de 2010, após as primeiras eleições democráticas pacíficas e justas internacionalmente declaradas, o presidente Amani Karume desistiu, remetendo ao presidente Ali Mohamed Shein, do triunfante partido CCM.[4]