André Carloni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

André Carloni (Bolonha, 28 de janeiro de 188326 de julho de 1976) foi um arquiteto ítalo-brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Bolonha, André Carloni chega ao Brasil em 1890, época da imigração italiana. Chegou na cidade de Vitória em companhia de seus pais Zama Carloni e Marcina Malagute Carloni, bem como  dos irmãos Romeo e Aldo Carloni. Em 1894 emprega-se em uma serralheria para trabalhar junto com seu pai. Meses depois teve que assumir a responsabilidade de cuidar da família, pois seu pai faleceu após contrair febre Amarela.[1]

No período de 1895 a 1896 trabalhou como ajudante do pintor italiano Spiridione Astolfoni que estava a cargo da decoração do antigo teatro Melpône no centro de Vitória. Mesmo após ser concluída a decoração do teatro, André continuou trabalhando com Astolfoni em outras obras contratadas. Em 1900 ingressou no curso de Leitura, Música e Desenho que era mantido pela Maçonaria Monte Líbano, concluído dois anos após a admissão. Por haver se destacado em Desenho, desenvolveu projetos de construção e reformas na capital capixaba. Em 1909 foi encarregado para a reforma da Igreja e Convento do Carmo, dando ao edifício características neogóticas.

Carloni é o responsável pela construção do Palácio Domingos Martins e da Santa Casa de Misericórdia. Em 1916 construiu o edifício da Alfândega e a Delegacia Fiscal de Vitória. Em 1925, construiu e decorou o Teatro Carlos Gomes na praça Costa Pereira no lugar do antigo teatro Melpômene.[2] Um importante trabalho desenvolvido pelo arquiteto foi a restauração dos monumentos históricos de grande importância para o Espírito Santo com pouca verba, entre eles o Convento da Penha , a Igreja dos Reis Magos e a igreja e Residência de Anchieta.[3]

Em 1942 obteve do governo federal a cidadania brasileira e em 1956 se tornou Cidadão Vitoriense, título recebido pela Câmara Municipal de Vitória.[4] No dia 26 de julho de 1976, André Carloni faleceu aos 93 anos devido a um carcinoma broncogênico desenvolvido pelo tabagismo.[5]

Referências

  1. «Arquitetura02». www.sefa.es.gov.br. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  2. «Theatro Carlos Gomes: o talento do italiano autodidata completa 80 anos». ORIUNDI - Giornalismo fatto con passione 
  3. «André Carloni» 
  4. Títulos de Cidadão Vitoriense (1952-2012). http://www.cmv.es.gov.br/Arquivo/Documents/PAG/homenageados.pdf: Câmara Municipal de Vitória. 2 páginas 
  5. Amorim, Anaximandro. «O construtor de uma cidade». Grafitte, ano 06, número 07, às páginas 54 e 55. Consultado em 9 de janeiro de 2017