António Manuel Syder Santiago

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

António Manuel Syder Santiago (Lisboa, 9 de dezembro de 1935), é um diplomata de Portugal.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Lisboa no dia 9 de dezembro de 1935. Casado com Ana Maria da Câmara Ribeiro Ferreira, desde 1964.

Carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Em 1965, após concurso, entrou para o Ministério dos Negócios Estrangeiros, como adido de legação. Foi secretário de embaixada em 1967, na Secretaria de Estado. Em 1967, convocado para fazer o curso de capitão miliciano de cavalaria, no Centro de Instrução de Operações Especiais (CIOE), em Lamego; mobilizado para comandar uma companhia no norte de Moçambique de 1968 a 1970. Nomeado para adjunto diplomático do Governador Geral de Moçambique em janeiro de 1970; na Secretaria de Estado em setembro do mesmo ano; de 1970 a 1976, na Embaixada junto da Santa Sé, foi conselheiro de embaixada (encarregado de negócios de janeiro a dezembro de 1974)[1] . Colocado na Embaixada em Tóquio como encarregado de negócios “ en pied “ de 1976 a 1978[2]; auditor do 52 curso do colégio Nato, Roma em 1978. Em 1979 foi chefe da cifra, na Secretaria de Estado.

Cônsul Geral em Nova Iorque em 1981[3]. Em 1986 foi Embaixador em Bogotá, Colômbia[4], acreditado simultaneamente no Panamá, Equador e Costa Rica, como embaixador. Chefe do Protocolo do Estado em 1989[5]. Embaixador no Luxemburgo em 1995[6] e em Atenas em 1998[7]; nomeado administrador do ICEP em 2000[8]; na disponibilidade em 2003.

Embaixador de Portugal “Full Rank” do quadro diplomático do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Recebeu o grau de comendador da Ordem do Infante D. Henrique a 13 de julho de 1967, vindo a ser agraciado com a Grã-Cruz da mesma ordem a 10 de novembro de 1994.[9]

A 13 de março de 1985, foi agraciado com o grau de comendador da Ordem Militar de Cristo.[9]

Além destas, possui ainda:

  • Grã-cruz da ordem da Coroa de Carvalho, do Luxemburgo; Grã-cruz da ordem Real vitoriana, da Grã-Bretanha; Grã-cruz da ordem de Boyaca, da Colômbia; Grã-cruz da ordem de Dannebrog da Dinamarca; grande oficial da Ordem do Sol Nascente, do Japão de S. Gregório Magno e de S Silvestre da Santa Sé, Cavaleiro da Ordem de Malta e do Santo Sepulcro, etc...
  • Medalha das Campanhas do norte de Moçambique;

Referências

  1. La Civiltà cattolica, Edições 2989-2994, Civiltà Cattolica 1975, Universidade de Michigan, 25 de Abril de 2013
  2. Diplomatas Portugueses no Japão, [1], Embaixada de Portugal
  3. Foreign Consular Offices in the United States. The Dept., 1982.
  4. Decreto do Presidente da República n.º 62/85, [2], Diário da Républica Eletrónico, 14 de novembro de 1985
  5. Chefes do Protocolo, [3], Portal Diplomático
  6. Decreto do Presidente da República n.º 77/94, [4], Diário da Républica Eletrónico, 24 de novembro de 1994
  7. Decreto do Presidente da República n.º 97/99, [5], Diário da Républica Eletrónico, 25 de fevereiro de 1999
  8. Resolução n.º 38/2001 (2.ª série), [6], Diário da Républica Eletrónico, 19 de março de 2001
  9. a b «ENTIDADES NACIONAIS AGRACIADAS COM ORDENS PORTUGUESAS - Página Oficial das Ordens Honoríficas Portuguesas». www.ordens.presidencia.pt. Consultado em 24 de outubro de 2020