Antiácido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

.Antiácidos são medicamentos auto-prescritos comumente usados. Eles consistem em sais de carbonato de cálcio, magnésio e alumínio em vários compostos ou combinações. O efeito dos antiácidos no estômago deve-se à neutralização parcial do ácido clorídrico gástrico e à inibição da enzima proteolítica, pepsina. Cada sal catiônico tem suas próprias características farmacológicas que são importantes para a determinação de qual produto pode ser usado para certas indicações.

Estudos recentes demonstraram que os antiácidos AI (OH)3 estimulam a proteção e reabilitação processos parativos na mucosa gástrica expostos irritantes das mucosas, como o etanol, ambos em animais (DiJoseph et al., 1989; Domschke et al., 1986; Engler e Szelenyi, 1980; Hollander et al., 1986; Tarnawski et al., 1984) e em humanos (Berstad e Weberg, 1986).

Os antiácidos podem ser utilizados para úlceras duodenais e gástricas, gastrite nervosa, doença de refluxo gastro-esofágico, insuficiência pancreática, dispepsia não ulcerosa, ácidos biliares e uma série de disfunções gastrointestinais, porém o desenvolvimento de antagonistas dos receptores H2 da histamina e inibidores da bomba de prótons reduziu significativamente o uso de úlceras gástricas e duodenais e doença do refluxo gastro-esofágico. Entretanto, ainda são úteis para tratamento de gastrite nervosa e dispepsia não ulcerosa.

Antiácidos são a maneira mais simples de tratar os sintomas da secreção excessiva de ácido gástrico e mais barata presente na indústria farmacêutica. São encontrados no mercado, principalmente, sob a forma de associações medicamentosas contendo compostos básicos de alumínio, magnésio e cálcio, além de outros componentes cuja função terapêutica é incerta. Em geral, os antiácidos devem ser administrados na forma de suspensão, por que provavelmente tem maior capacidade de neutralização do que nas formas em pó ou comprimidos.

A maioria dos antiácidos, exceto o bicarbonato de sódio, pode diminuir a absorção de drogas por adsorção ou quelação de outras drogas. Os efeitos adversos são menores com o uso periódico de pequenas quantidades, no entanto, quando grandes doses são tomadas por longos períodos de tempo, podem ocorrer efeitos adversos significativos, especialmente pacientes com doenças subjacentes, como insuficiência renal crônica. Esses efeitos adversos podem ser reduzidos pelo monitoramento do status eletrolítico e pela prevenção de antiácidos contendo alumínio para a ligação do fosfato da dieta na insuficiência renal crônica.

Um tubo de pastilhas antiácidas.

Referências

GOODMAN & GILMAN, A. Manual de Farmacologia e Terapêutica. Porto Alegre: AMGH Editora, 2010;

RANG & DALE, Farmacologia. Elsevier Editora, 8ª edição;

LOURENÇO ERIKA, Perfil de utilização de antiácidos por usuários da farmácia universitária da UFMG, Belo Horizonte, MG, 2006;

Gugler, R., and H. Allgayer. 1990. Effects of antacids on the clinical pharmacokinetics of drugs. An update. Clin. Pharmacokinet. 18:210-219.

GUGLER R., ALLGAYER H. Effects of Antiacids on the Clinical Pharmacokinetics of Drugs. Clin. Pharmacokinet. 18 (3): 21o-219. karlsruhe (?), Federal Republic of Germany. 1990.

ULRICH J. et al. Effect of an Antiacid Containing Magnesium and Aluminum on Absorptio, Metabolism and Mechanismo of Renal Elimination of Perfloxacin in Humans. antimicrobial agents and chemotherapy. p. 1129-1133. germany, 1994.

KONTUREK SJ. et al. Role of Intragastric pH in Cytoprotection by Antiacids in rats. European Journal of Pharmacology (negrito) . p. 187-195. (País), 1990.

MATON PN., BURTON ME. Antiacids Revisited - A Review of Theirs Clinical Pharmacology and Recommended Therapeutic.

Ícone de esboço Este artigo sobre farmácia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.