Arabela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Arabela
Autor(es) Miguel M. Abrahão
Idioma português
País Brasil
Editora Shekinah/Clube de Autores
Lançamento 1985/2009
Páginas 124

Arabela é um romance infanto-juvenil de Miguel M. Abrahão publicado em 1985 no Brasil.[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Arabela narra a singela história de uma jovem pulgão, escrava nas mãos de formigas guerreiras e preconceituosas, que sonha com um novo sentido para sua vida. O romance tem início com um dilúvio devastador que destrói o formigueiro. Porém, Arabela, juntamente com a única amiga, a formiga Fofocota, se mantém a salvo de um terrível desastre ecológico. Exímia rastreadora, a formiga descobre o paradeiro de companheiras que foram salvas da catástrofe, reencontrando, dessa forma, a cruel Orélia e a arrogante Moscuda. Arabela lamenta-se ao saber da morte da soberana das formigas que, apesar de tudo, sempre a tratara com relativa humanidade, apesar de sua condição inferior de pulgão. É nesse instante que, ainda entristecida, a heroína escuta a voz da moribunda rainha. Todavia, somente Fofocota e o guarda Polux resolvem acompanhar a pulgão neste retorno ao formigueiro destroçado. As outras formigas, crueis, hedonistas e individualistas, abandonam a rainha das formigas a sua própria sorte. Em meio aos escombros do antigo e poderoso formigueiro, o trio encontra sua soberana em agonia final que, antes do último suspiro, utilizando-se da lendária e antiga varinha das vespas, concede a Arabela seu maior desejo: ela, Polux e Fofocota transformam-se, por mágica, nas primeiras abelhas do planeta. A partir de então, o trio viverá uma série de aventuras em busca do segredo: o segredo do mel! E, no difícil percurso de suas vidas, estarão Moscuda e Orélia, sob novas formas, destilando seu veneno, rancores e inveja. O romance retrata, com sensibilidade, humor e espírito científico, a vida, hábitos e costumes dos insetos, como também fala de relações humanas, de luta coletiva pelo bem comum, de reciprocidade e amizade.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

COUTINHO, Afrânio; SOUSA, J. Galante de. Enciclopédia de literatura brasileira. São Paulo: Global; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Academia Brasileira de Letras, 2001: 2v.

Referências

  1. SÁ, G. Carvalho - "Mito e Moral" [1]
Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.