Aruna Roy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Aruna Roy
Nascimento 26 de maio de 1946 (74 anos)
Chennai
Nacionalidade indiana
Alma mater Delhi University
Ocupação Ativista
Prêmios Ramon Magsaysay award, 2000; Lal Bahadur Shastri National Award, 2010

Aruna Roy (Chennai, 26 de maio de 1946) é uma política e ativista social indiano que fundou a Mazdoor Kisan Shakti Sangathan (MKSS) ("Trabalhadores e Camponeses Força da União"), juntamente com Shankar Singh, Nikhil Dey e muitos outros. Roy é conhecida por sua posição clara e vocal sobre a questão do direito de discordar[1] e conhecida por seu trabalho para as seções vulneráveis da sociedade, ela também foi membro do NAC, comitê consultivo nacional criado pelo então Governo da UPA-1, chefiado por Sonia Gandhi durante a maior parte de seu mandato. Ela é a Presidente Nacional da Federação Nacional das Mulheres Índias.

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Roy nasceu em Chennai.[2][3] Ela cresceu em Delhi, onde seu pai era funcionário público. Ela estudou literatura inglesa no Indraprastha College, Delhi University.[4][5]

Ela serviu como funcionária pública no Serviço Administrativo Indiano entre 1968 e 1974.[6][7]

Mazdoor Kisan Shakti Sangathan[editar | editar código-fonte]

Roy pediu demissão do serviço público e começou a trabalhar em questões relacionadas aos pobres e marginalizados. Ela ingressou no Centro de Pesquisa e Trabalho Social (SWRC) em Tilonia, Rajasthan.[8] Em 1987, ela junto com Nikhil Dey, Shankar Singh e outros fundaram o Mazdoor Kisan Shakti Sangathan.[9]

O MKSS começou lutando por salários justos e iguais para os trabalhadores, o que moldou e evoluiu para uma luta pela promulgação da Lei de Direito à Informação da Índia. Aruna Roy é líder do movimento pelo Direito à Informação na Índia por meio do MKSS e da Campanha Nacional pelo Direito das Pessoas à Informação (NCPRI), que finalmente obteve sucesso com a aprovação da Lei do Direito à Informação em 2005.[10]

Campanhas[editar | editar código-fonte]

Aruna Roy tem estado na vanguarda de uma série de campanhas pelos direitos dos pobres e marginalizados. Estes incluem, de forma mais proeminente, o Direito à Informação, o Direito ao Trabalho (o NREGA)[11] e o Direito à Alimentação.[12] Mais recentemente, ela esteve envolvida na campanha pela pensão universal não contributiva para trabalhadores do setor não organizado como membro da Pension Parishad[13][14] e do NCPRI para a aprovação e promulgação da Lei de Proteção de Denunciantes e Reparação de Queixas Aja.[15][16]

Prêmios e outros trabalhos[editar | editar código-fonte]

Ela serviu como membro do Conselho Consultivo Nacional [NAC] até 2006, quando renunciou.[17][18]

Enquanto estava com o Mazdoor Kisan Shakti Sangathan, Aruna Roy foi premiada com o Prêmio Times Fellowships para o ano de 1991 por seu trabalho pelos direitos dos trabalhadores rurais à justiça social e ao desenvolvimento criativo. Em 2000, ela recebeu o Prêmio Ramon Magsaysay de Liderança Comunitária.[19] Em 2010, ela recebeu o Prêmio Nacional Lal Bahadur Shastri de Excelência em Administração Pública, Academia e Gestão.[20] Em 2011, ela foi eleita uma das cem pessoas mais influentes do mundo pela revista Time.[21] Em setembro de 2017, o India Times listou Roy como um dos 11 ativistas de direitos humanos cuja missão de vida é proporcionar aos outros uma vida digna.[22]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Aruna Roy».


Referências

  1. https://asiasociety.org/india/aruna-roy-speaks-managing-dissent
  2. «Daughter Of The Dust | Urvashi Butalia | Oct 16,2006». www.outlookindia.com. Consultado em 17 de setembro de 2015 
  3. «'I would like to know how I am a traitor'». www.telegraphindia.com. Consultado em 17 de setembro de 2015 
  4. «Aruna Roy (Indian activist) -- Encyclopædia Britannica». Encyclopædia Britannica. 30 de janeiro de 2013 
  5. «DU has a lot on its ladies special platter». India Today. 3 de junho de 2009 
  6. Dsouza, Alfie; Mangalorean, Team (18 de setembro de 2019). «RTI Activist Ms Aruna Roy talks about 'Rights Based Approach to Social Movements'». Mangalorean.com (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2020 
  7. The Editors of Encyclopædia Britannica. «Aruna Roy». Encyclopædia Britannica. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  8. Women who dared, by Ritu Menon. Published by National Book Trust, India, 2002. ISBN 81-237-3856-0. Page 169-170.
  9. «MKSS As a Role Model». Civil Society Online. Janeiro de 2012. Consultado em 15 de novembro de 2020. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2014 
  10. Roberts, Alasdair Scott (2006). Blacked out: government secrecy in the information age. [S.l.]: Cambridge University Press 
  11. «Matersfamilias | Saba Naqvi | Aug 24,2015». www.outlookindia.com. 24 de agosto de 2015. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  12. «Right to Food- A Fundamental Right». National Human Rights Commission, India. Consultado em 10 de março de 2020 
  13. «Pension Parishad calls off strike». The Hindu. 21 de dezembro de 2013. ISSN 0971-751X. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  14. «Forgotten Brethren | Harsh Mander». www.outlookindia.com. 20 de abril de 2015. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  15. «Aruna Roy seeks early passage of grievance redress, whistleblower bills». Zee News (em inglês). 19 de dezembro de 2013. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  16. Roy, Aruna. «The Fate of RTI After One Year of Modi is a Bad Omen». The Wire. Consultado em 27 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2015 
  17. «NAC reconstituted». The Hindu. 4 de junho de 2005. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  18. «Daughter Of The Dust | Urvashi Butalia». www.outlookindia.com. 16 de outubro de 2006. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  19. «Ramon Magsaysay Award Citation». Consultado em 7 de maio de 2009. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012 
  20. Sunderarajan, P. (2 de outubro de 2010). «Social activist Aruna Roy gets Lal Bahadur Shastri award». New Delhi:. The Hindu (em inglês). ISSN 0971-751X. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  21. Thottam, Jyoti (21 de abril de 2011). «The 2011 TIME 100 - TIME». Time. ISSN 0040-781X. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  22. «11 Human Rights Activists Whose Life Mission Is To Provide Others With A Dignified Life». IndiaTimes (em inglês). 7 de setembro de 2017. Consultado em 15 de novembro de 2020 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Gupta, Indra (2004). India's 50 Most Illustrious Women. Icon Publications. New Delhi: [s.n.] ISBN 9788188086030 
  • Bail, S; Bansal, S (2004). Icons of social change. Puffin Books. New Delhi: [s.n.] 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]