Autoconceito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Autoimagem. Se a fusão não for óbvia, por favor crie um espaço de discussão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Em marcações antigas é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e leve toda a discussão quando levar o caso para a central. (desde dezembro de 2016)

Podemos entender autoconceito como sendo a forma como nos definimos. O autoconceito corresponde à resposta à pergunta: "quem sou eu?" O autoconceito é formado com base em elementos de vários campos da existência, a saber: a imagem corporal, a sensibilidade cinestésica e tátil, a cultura, a religião, e outros. O comportamento relativamente ao conceito que nós temos de nós próprios é variado. Podemos realizar actividades de:

  1. Autopercepção
  2. Autoavaliação
  3. Autocomunicação
  4. Automotivação
  5. Autocontrole

Segundo Burns (1986), o autoconceito é composto por imagens acerca do que nós próprios pensamos que somos, o que pensamos que conseguimos realizar, o que pensamos que os outros pensam de nós e também de como gostaríamos de ser.

Para este autor, o autoconceito consiste em todas as maneiras de como uma pessoa pensa que é nos seus julgamentos, nas avaliações e tendências de comportamento. Isto leva a que o autoconceito seja analisado como um conjunto de várias atitudes do eu e únicas de cada pessoa. O autoconceito tem um papel extremamente importante na medida em que tenta explicar o comportamento, ou seja, porque consegue manter uma certa consistência nesse mesmo comportamento, explicita a interpretação da experiência e fornece um certo grau de previsão (Burns,1986). Epstein (1973) afirma mesmo que "para os fenomenologistas, o autoconceito é o constructo central da Psicologia, proporcionando a única perspectiva através da qual o comportamento humano pode ser compreendido". De um ponto de vista histórico, a investigação no domínio do autoconceito foi, na maioria das vezes, levada a efeito por filósofos, teólogos ou outros profissionais não directamente ligados à psicologia, sendo apenas por volta dos anos 1940 que aquele conceito começa a suscitar algum interesse para o estudo científico nos domínios da psicologia e da sociologia (Sherif,1972).

De facto, tal conceito quase desaparecera do contexto da psicologia no período compreendido entre 1890 a 1940, período que coincide com a vigência do primeiro momento de cientificação da psicologia (finais do século XIX, princípios do século XX) e com o advento do segundo momento da cientificação da referida disciplina, representados, respectivamente, por Wundt e Watson (Burns, 1982). É neste contexto, dominado por concepções monolíticas, que a perspectiva de William James acerca do Eu vem ganhar pertinência (ibidem).

Referências

  • Epstein, S. (1973). The self-concept revisited: Or a theory of a theory. American psychologist, 28(5), 404.
Ícone de esboço Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.