Avaliação de tecnologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Avaliação de tecnologia é um conceito que integra diferentes formas de análise da relação entre ciência e tecnologia por um lado, e entre a política, a sociedade e os indivíduos por outro. Inclui tipicamente abordagens de análise política como a prospectiva, a análise económica, a análise de sistemas, a análise estratégica, etc.[1] A Avaliação de Tecnologia também pode ser definida como um processo científico, interactivo e comunicacional, que tem por objectivo contribuir para a formação da opinião pública e política sobre os aspectos sociais da ciência e da tecnologia [2] [3] .

Descrição Geral[editar | editar código-fonte]

A Avaliação de Tecnologia (AT) refere-se ao estudo e avaliação de (novas) tecnologias, com base na convicção de que os novos desenvolvimentos e descobertas da comunidade científica são relevantes para o mundo em geral e não só para os peritos científicos, e de que o progresso científico não está livre de implicações éticas. Para além disso, a AT reconhece também que os cientistas não possuem normalmente competências éticas e, consequentemente, tendem a ser reservados nos seus julgamentos éticos de si mesmos, dos colegas, de novas descobertas, de projectos ou do trabalho em desenvolvimento.

A AT adopta uma perspectiva global e é normalmente orientada para o futuro, em vez de olhar para o passado ou ser anti-tecnológica. A AT é uma actividade interdisciplinar orientada para resolver problemas já existentes e prevenir danos potenciais que possam resultar da aplicação acrítica e comercialização de novas tecnologias. Assim, quaisquer resultados de um estudo de avaliação de tecnologia tem que ser publicados, e atribuir particular ênfase à comunicação com os decisores políticos

A AT tem necessariamente que lidar com um problema importante, normalmente denominado dilema de Collingridge: Por um lado os impactos das novas tecnologias não podem ser facilmente previstos até que a tecnologia seja extensivelmente desenvolvida e difundida na sua utilização; por outro lado, uma vez difundida é difícil controlar ou mudar a tecnologia.

Algumas das principais áreas de trabalho da AT são: tecnologias de informação, tecnologias baseadas no hidrogénio, tecnologia nuclear, nanotecnologia molecular, farmacologia, transplante de órgãos, tecnologia genética, inteligência artificial, a internet, etc.

Tipos e conceitos de Avaliação de tecnologia[editar | editar código-fonte]

Os seguintes tipos e conceitos de Avaliação de tecnologia (AT) são aqueles que são os mais visíveis e utilizados. Existem, no entanto, outros tipos de Avaliação de tecnologia que são só propostos como conceitos na literatura científica ou que reflectem nomes atribuídos por uma instituição particular de Avaliação de tecnologia.[4]

Avaliação de Tecnologia por Peritos (também referida como AT clássica ou AT tradicional): Actividades de AT realizadas por (uma equipa de) peritos em AT e peritos técnicos. Os contributos das partes interessadas ou de outros actores é incluída só por via de declarações escritas, documentos e entrevistas, mas não como na AT Participatória.

Avaliação de Tecnologia Parlamentar (ATP): Vários tipos de actividades de AT onde o destinatário é um Parlamento. A ATP pode ser realizada directamente pelos parlamentares (e.g. caso Francês ou Finlandês), em seu nome por adjudicação a instituições de AT (e.g. o caso do Reino Unido, da Alemanha e da Dinamarca) ou por organizações não directamente relacionadas com o Parlamento (e.g. caso da Holanda e da Suíça).[5]

Avaliação de Tecnologia Participatória (ATp): Actividades de AT que activa, sistemática e metodologicamente envolve vários tipos de actores sociais como assessores e participantes, como diferentes tipos de organizações civis, representantes dos sistemas do estado, mas caracteristicamente também indivíduos interessados e cidadãos (leigos), cientistas técnicos e peritos técnicos. As metodologias padrão da ATp incluem conferências de consensos, grupos especializados, workshops de cenários, etc[6] . Por vezes a ATp pode ser dividida entre peritos-partes interessadas e ATp pública (que inclui leigos)[7] .

Avaliação de Tecnologia Construtiva (ATC): Conceito de AT (desenvolvido na Holanda mas também aplicado e discutido noutros países[8] ) que tenta alargar o desenvolvimento de novas tecnologias introduzindo o feedback das actividades AT no processo actual de construção das tecnologias. Contrariamente a outras formas de AT, a ATC não é direccionado para influenciar a prática reguladora através da avaliação de impactos da tecnologia, mas pretende envolver assuntos sociais da tecnologia no seu desenvolvimento prático.

Avaliação de Tecnologia Discursiva ou Avaliação de Tecnologia Argumentativa: Tipo de AT que pretende aprofundar o debate político e normativo relativo à ciência, tecnologia e sociedade. Este tipo de AT pretende clarificar e trazer para o escrutínio público e político os pressupostos normativos e visões que motivam os actores que estão a definir socialmente a ciência e a tecnologia. Do mesmo modo, a AT Argumentativa não só aborda os efeitos colaterais da mudança tecnológica, mas também lida com os impactos vastos da ciência e tecnologia e também com a questão normativa fundamental se é legitimo e desejável desenvolver uma determinada tecnologia[9] .

Avaliação de Tecnologia em Saúde (ATS): Avaliação sistemática das propriedades e efeitos de uma tecnologia em saúde, abordando os efeitos diretos e intencionais desta tecnologia, bem como as suas consequências indiretas e não intencionais. Os estudos em ATS devem ser conduzidos por grupos interdisciplinares que recorrem a modelos analíticos explícitos, de entre uma variedade de métodos. O principal objectivo da ATS é o de auxiliar os tomadores de decisão a respeito de tecnologias em saúde [10] .

Veja Avaliação de tecnologia na Saúde.


Referências

  1. EPTA - European Parliamentary Technology Assessment http://www.eptanetwork.org/
  2. TAMI - Technology assessment in europe: between method and impact http://www.ist-world.org/ProjectDetails.aspx?ProjectId=b44858edb9ef426c9cefcab2b9edf49e&SourceDatabaseId=081fd37e0ca64283be207ba37bb8559e
  3. Bridges between Science, Society and Policy: Technology Assessment - Methods and Impacts, page 14 http://books.google.pt/books?id=TleP-Xou8rAC&lpg=PP1&ots=f9we-FHoqA&dq=Technology%20Assessment%20in%20Europe%3A%20Between%20Method%20and%20Impact&pg=PA25#v=onepage&q=Technology%20Assessment%20in%20Europe:%20Between%20Method%20and%20Impact&f=false
  4. Entre estes conceitos estão , por exemplo Avaliação Tecnológica Interactiva[1], Racional[2], Em tempo real (cp. Guston/Sarewitz (2002) Real-time technology assessment, in: Technology in Society 24, 93-109), e Orientada[3].
  5. As instituições de Avaliação de tecnologia na Europa que realizam ATP estão organizadas na rede EPTA - European Parliamentary Technology Assessment.
  6. 2000 EUROpTA (European Participatory Technology Assessment – Participatory Methods in Technology Assessment and Technology Decision-Making) project report [5].
  7. Van Eijndhoven (1997) Technology assessment: Product or process? in: Technological Forecasting and Social Change 54 (1997) 269-286.
  8. Schot/Rip (1997), The Past and Future of Constructive Technology Assessment in: Technological Forecasting & Social Change 54, 251-268.
  9. van Est/Brom (2010) Technology assessment as an analytic and democratic practice, in: Encyclopedia of Applied Ethics.
  10. HTA glossary. International Network of Agencies for Health Technology Assessment and Health Technology Assessment international (http://www.htaglossary.net)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Grupos académicos de Avaliação de tecnologia[editar | editar código-fonte]

Grupo de Estudo sobre Avaliação de Tecnologia - GrEAT, Portugal
Programa Doutoral em Avaliação de Tecnologia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, Portugal
IET - Inovação Empresarial e do Trabalho da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, Portugal
UECE - Research Unit on Complexity and Economics do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa, Portugal
European Technology Assessment Group
Institute for Technology Assessment and Systems Analysis (ITAS) of the Karlsruhe Institute for Technology (KIT), Alemanha
Fraunhofer Institute for Systems and Innovation Research, Alemanha
Institute of Sociology at the University of Duisburg-Essen, Alemanha
Institut für Gesellschafts und Politikanalyse of the Goethe University in Frankfurt, Alemanha
Institute for Innovation and Governance Studies of the University of Twente, Holanda
Rathenau Institute, Holanda
Science and Technology Policy Research - SPRU, Inglaterra
Danish Board of Technology, Dinamarca
Institute Society and Technology (IST), Bélgica
Institute of Technology Assessment at the Austrian Academy of Sciences, Áustria
Technology Centre AV CR at the Czech Academy of Sciences, República Checa
Catalan Foundation for Research and Innovation (FCRI), Catalunha

Instituições Parlamentares de Avaliação de tecnologia[editar | editar código-fonte]

Supra Nacionais[editar | editar código-fonte]

Assessment of Scientific and Technological Policy Options for the European Parliament - STOA
European Parliamentary Technology Assessment - EPTA

Nacionais[editar | editar código-fonte]

Office of Technology Assessment at the German Bundestag - TAB, Alemanha
Parliamentary Office of Science and Technology - POST, Inglaterra
(former) Office of Technology Assessment - OTA, Estados Unidos da América
Centre for Technology Assessment - TA-SWISS, Suíça
The Norwegian Board of Technology, Noruegua
Committee for the Future, Finlândia
Office Parlementaire d´Evaluation des Choix Scientifiques et Technologiques - OPECST, França
Greek Permanent Committee of Technology Assessment - GPTCA, Grécia
Comitato per la Valutazione delle Scelte Scientifiche e Tecnologiche - VAST, Itália
Riksdagen, Suécia
Bureau of Research - BAS, Polónia
Public Policy and Management Institute, Lituânia
The Committee on Culture, Science and Education of the Parliamentary Assembly of the Council of Europe

Regionais[editar | editar código-fonte]

Consell Assessor del Parlament sobre Ciència i Tecnologia, Catalunha
IST - Institute Society and Technology, Flandres