Bandeira do Peru

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bandeira do Peru
Bandeira do Peru
Aplicação
Proporção 2:3
Adoção 20 de Fevereiro de 1825
Criador José de San Martín (versão de 1825)
José Bernardo de Tagle (versão atual)
Descrição Três faixas verticais: duas vermelhas nas laterais e uma branca.
Tipo Nacional
FIAV 010011.svg 2:3 Bandeira estatal

A bandeira do Peru (nome oficial: Bandera Nacional del Perú) é um símbolo pátrio da República do Peru que consiste de uma base vertical de três listras verticais de igual tamanho, sendo as bandas extremas de cor vermelha e a central de cor branco.[1][2] O Estado peruano usa variantes desta, conhecidas como Pavilhão Nacional e Bandeira de Guerra.

A bandeira tem os seguintes significados; o Vermelho representa o estandarte dos Incas e a bandeira do reino de Castela. Já o Branco representa a paz, pureza de sentimentos e justiça.

Em 7 de junho se celebra o Dia da Bandeira, em comemoração ao aniversário da Batalha de Arica.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Tem formato retangular. É composto por três faixas de igual largura dispostas verticalmente: uma branca no centro e duas vermelhas nas extremidades. Tem uma proporção de dois para a largura e três para o comprimento (2:3).

As instituições oficiais utilizam uma versão com o brasão nacional no centro da faixa branca com o seu carimbo abraçado por dois ramos, um de palmeira à direita e outro de louros frutados à esquerda, entrelaçados na parte inferior.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Vice-reinado[editar | editar código-fonte]

O Vice-reinado do Peru foi criado pelo rei Carlos I em 20 de novembro de 1542, a partir dos governos da Espanha formados após a conquista e emancipação do Peru no século XVI.[4] O vice-reinado fazia parte das posses da monarquia espanhola, cujo "estandarte real" era um "emblema comum nos territórios de Espanha, que era desfilado e erguido em diversas circunstâncias. Representava o poder régio e servia de insígnia para o povo expressar sua lealdade à Coroa. A bandeira real tinha uma estrela e três coroas de um lado, símbolo da epifania, e do outro o brasão real de Castilla y León, e foi o que foi concedido a José de San Martín em Lima. A bandeira da conquista, ou de Pizarro, trazia de um lado a imagem do apóstolo Santiago e do outro o brasão real de Castilla y León, e foi a que foi entregue a Simón Bolívar em Cuzco.[5]

Os estandartes militares espanhóis eram uma bandeira com a cruz da Borgonha sobre um pano branco, amarelo ou azul, durante a vigência da casa real da Áustria; embora não fosse exatamente uma bandeira nacional espanhola, é considerada uma antecedente dela. Com o advento da casa real de Bourbon, o desenho anterior foi substituído por outro: as armas reais em tecido branco. Em 1785, surgiu o desenho atual da bandeira da Espanha, para se diferenciar de outros reinos Bourbon: três listras horizontais, a mais larga central em ouro amarelo e as outras duas vermelhas, com o brasão real no centro. As fortalezas navais, frotas e exércitos do Império Espanhol usaram suas respectivas bandeiras particulares na América durante o vice-reinado. A batalha de Ayacucho marcou o fim do vice-reinado peruano em 1824. A chamada "Bandeira Real" é uma reconstrução contemporânea da batalha de Ayacucho com os símbolos de um regimento espanhol, sobrepondo erroneamente a cruz da Borgonha nas cores do vermelho bandeira e gualda para usar em 1843, durante o reinado de Isabel II, por outro lado foi também um símbolo da milícia nacional dos espanhóis de Diego Muñoz Torrero durante as Cortes de Cádiz (1812).[6][7]

Emancipação[editar | editar código-fonte]

Em 20 de junho de 1811, o movimento de Francisco Antonio de Zela ocorreu em Tacna contra as autoridades do vice-rei, mas nenhuma bandeira da Insurreição de Tacna de Zela é conhecida.[8] No mesmo período de levantes autônomos no Peru, o de Tacna de 1813 usava uma bandeira com as cores azul claro e branco.[9] Esse movimento coordenou sua ação com a Junta Diretiva do Río de la Plata. É uma bandeira usada por Manuel Belgrano. As cores Bourbon —azul claro e branco— foram usadas nas rebeliões de Tacna de 1813 e na rebelião de Cuzco de 1814.[10]

Durante a ação das correntes libertadoras da América, o oficial britânico do Exército de Libertação do Peru Guillermo Miller hasteou na cidade de Tacna uma bandeira que buscava unir os peruanos independentes em um regimento. Era uma bandeira azul marinho com um sol dourado (talvez o Inti) dentro dela.[11]

Bandeira provisória de 1821[editar | editar código-fonte]

Foi criado pelo general José de San Martín com a seguinte descrição dada no primeiro artigo do decreto de 21 de outubro de 1820.[12][13]

A bandeira nacional do país será de seda ou lona, ​​com oito pés de comprimento e seis de largura, dividida por linhas diagonais em quatro campos, branca nas extremidades superior e inferior e vermelha nas laterais; com uma coroa de louros oval, e dentro dela um Sol, surgindo por trás de escarpadas cadeias de montanhas erguendo-se sobre um mar calmo. O escudo pode ser pintado ou bordado, mas cada objeto mantendo sua cor: a saber, a coroa de louros deve ser verde, e amarrada na parte inferior com uma fita dourada; azul a parte superior que representa o firmamento; amarela o Sol com seus raios; as montanhas de uma cor marrom escura, e o mar entre azul e verde.

No mesmo decreto está determinado que a força e o vigor de seu mandato durarão até que um governo geral seja estabelecido no Peru por livre arbítrio de seus habitantes.

Ícone de esboço Este artigo sobre vexilologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Significado de Bandera de Perú». Significados (em espanhol). Consultado em 28 de março de 2022 
  2. «Bandera» 
  3. «Fiestas Patrias: ¿Bandera, pabellón o estandarte?». PuntoEdu PUCP (em inglês). 22 de julho de 2013. Consultado em 29 de março de 2022 
  4. «Virreinato del Perú - ¿Qué fue?, características, causas, política y más». Enciclopedia de Historia (em espanhol). 20 de outubro de 2020. Consultado em 29 de março de 2022 
  5. «Monografias históricas sobre a cidade de Lima» 
  6. «Perú saca a relucir la bandera de la Cruz de Borgoña en homenaje a su pasado español». abc (em espanhol). 23 de junho de 2021. Consultado em 29 de março de 2022 
  7. «Batalha de Ayacucho 1824» 
  8. Zela, Betsy Recavarren Merino de. «El legado de Francisco de Zela: una lección bicentenaria». detrasdelacortina.com.pe. Consultado em 29 de março de 2022 
  9. «Edição dedicada à independência» (PDF) 
  10. «Rebelión del Cuzco - Historia del Perú» (em espanhol). Consultado em 29 de março de 2022 
  11. «William Miller y la Independencia del Perú». GOV.UK (em inglês). Consultado em 29 de março de 2022 
  12. «PRIMERA BANDERA POR EL GRAL. JOSÉ DE SAN MARTÍN.». UGEL 302 Leoncio Prado (em espanhol). Consultado em 29 de março de 2022 
  13. «Bandeira nacional»