Bastetanos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada.
Disambig grey.svg Nota: Para pelos habitantes de Baza, veja Baza.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Figura feminina bastetana de bronze

Bastetanos (em latim: bastetani) ou Bástulos (em latim: bastuli) foram um povo ibero, antigos habitantes de Bastia, a atual localidade de Baza (província de Granada, Espanha). Habitavam um território que ocupava o sudeste da Península Ibérica, que hoje em dia pertence às províncias de Granada, Albacete, Xaém, Almeria e Múrcia. Os seus domínios ocupavam de Baria, atual Villaricos, (Almeria) até Bailo (Cádis), compreendendo fábrica de moedas tão importantes quanto Abdera, Sexi, Malaca ou Carteia.

Tem-se atribuído erroneamente à população de Baeza (província de Xaém) a origem do nome "Bastitânia". Porém, a antiga Baza, capital da Bastitânia, encontrava-se a cerca de cinco quilômetros da atual Baza. Consta de duas necrópoles e uma cidade murada que alberga os núcleos ibérico e romano. Foram um povo semitizado, assimilado por Estrabão aos bástulos, embora fossem diferenciados por Plínio e Ptolomeu entre bastetanos no interior e bástulos na costa. Estrabo afirma que eram da zona de Alicante ou um pouco mais para o interior. Entre ambos os povos ocuparam a costa e parte do interior do sudeste ibérico. Há sítios arqueológicos significativos como o cerro dos Infantes.

Economia[editar | editar código-fonte]

A Bastetânia era mais conhecida com a mineração, centrando-se em Nova Cartago e o seu comércio de metais, esparto e garo. As minas de Cartagena foram exploradas por todos os que se assentaram ali. O esparto era cultivado nas cercanias da cidade, começar-se-á a comercializar com os cartagineses. O terceiro alimento era o garo e a salgação, de tradição mediterrânea e grande comercialização.

Arte[editar | editar código-fonte]

A Dama de Baza, uma das esculturas mais importantes da arte ibérica, que se encontra atualmente no Museu Arqueológico Nacional de Madrid, foi encontrada no cerro dos Três Pagos.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ALMAGRO GORBEA, M.: 1982b.- Tumbas de cámara y cajas funerarias ibéricas. Su interpretación sociocultural y la delimitación del área cultural ibérica de los bastetanos. Homenaje a Conchita Fernández Chicarro, Madrid, pp. 249–257.
  • GARCÍA ALONSO, J.L. La Península Ibérica en la Geografía de Claudio Ptolomeo. Universidad del País Vasco, 2004.
  • GARCÍA MORENO, Luis A. Mastienos y Bastetanos: un problema de la etnología hispana prerromana. 1990.

Referências

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bastetanos