Camada de Dua

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Camada de Dua é uma camada da córnea humana, cuja existência e denominação foram propostas num artigo científico publicado em junho de 2013[1] e que tem apenas 15 micrometros de espessura. Está situada entre o estroma da córnea e a membrana de Descemet e é a sexta camada descoberta da córnea.[2] Apesar da sua delgadeza, a camada é muito resistente e impermeável ao ar.[1] É suficientemente resistente para suportar até 2 Bar (200 kPa) de pressão.[3]

A camada de Dua é a quarta de seis camadas da córnea humana. Antecedem-na, do exterior para o interior, o epitélio corneano, a membrana de Bowman e o estroma da córnea (ou substantia propria na designação latina). Sucedem-lhe a membrana de Descemet e o endotélio corneano, a camada mais interna.

Descoberta[editar | editar código-fonte]

A existência da camada de Dua foi proposta em 2013 por Harminder Dua, investigador da Universidade de Nottingham.[3]

Implicações da descoberta[editar | editar código-fonte]

Os autores do artigo que descreve a descoberta creem que esta possa ter importantes implicações médicas. A camada de Dua poderá ajudar os cirurgiões a melhorarem os resultados atingidos por pacientes com transplantes de córnea. Durante a cirurgia, pequenas bolhas de ar são injetadas no estroma da córnea numa intervenção conhecida como "técnica da bolha grande". Por vezes a bolha rebenta, danificando o olho do paciente.[1] Se a bolha de ar for injetada sob a camada de Dua e não por cima desta, a resistência da camada de Dua pode reduzir o risco de deslocamento.[1] [4]

A compreensão de doenças da córnea, incluindo úlceras e distrofias também beneficia da descoberta da camada de Dua. O autor afirmou que "de uma perspetiva clínica, há muitas doenças que afetam o fundo da córnea e que os clínicos de todo o mundo estão a começar a relacionar com a presença, ausência ou deslocamento desta camada".[3]

A hidropsia da córnea, uma acumulação de fluido na córnea, comum em pacientes com ceratocone (deformidade cónica da córnea) pode ser causada por um deslocamento da camada de Dua.[3] Dua lançou a hipótese de que esse deslocamento poderia permitir a passagem de água do interior do olho e causar a acumulação de fluido.[5]

Referências

  1. a b c d http://www.aaojournal.org/article/S0161-6420(13)00020-1/abstract
  2. New Layer Of Human Eye,'Dua's Layer,' Discovered Behind Cornea. Visitado em 13 de junho de 2013.
  3. a b c d Kristin Butler (12 de junho de 2013). Scientists discover new layer of human cornea. Visitado em 12 de junho de 2013.
  4. University of Nottingham (12 de junho de 2013). Scientists discover new layer of the human cornea. Press release. Página visitada em 11 de junho de 2013.
  5. New Layer Of Human Eye,'Dua's Layer,' Discovered Behind Cornea Huffington Post Live Science (12 de junho de 2013). Visitado em 13 de junho de 2013.