Camarada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde abril de 2013).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde abril de 2013).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Camarada é uma forma de tratamento amistosa com forte conotação política, utilizada entre adeptos de uma mesma ideologia, membros de uma associação ou militantes de um partido. O termo Camarada, especialmente em certos partidos políticos e sindicatos, significa correligionário ou companheiro.

Na Alemanha a prática começou em 1875, com o estabelecimento dos Partido Socialista Operário da Alemanha.[1][2]

Originalmente, o termo carregava uma forte conotação militar. Depois da Revolução Russa de 1917, os comunistas empregaram-no profusamente como alternativa igualitária à forma de tratamento "senhor" e outras palavras similares. O termo podia acompanhar títulos para dar a eles um teor socialista, como por exemplo em Camarada General para dirigir-se a um general de exército.

Este uso tem seu antecedente na época da Revolução Francesa, quando a abolição dos títulos de nobreza e dos tratamentos monsieur e madame ("senhor" e "senhora", respectivamente) foi seguida do emprego da forma citoyen (cidadão). Por exemplo, o rei Luís XVI, depois de deposto, passou a ser referido como "cidadão Luís Capeto".

Ainda assim, devido ao uso extensivo desta palavra na URSS, hoje em dia o termo está fortemente associado ao comunismo, formando parte do estereótipo dos comunistas, como retratados nos filmes e séries de televisão. Na realidade, porém, o uso da palavra "camarada" não era tão comum, e era se reservado a ocasiões formais ou oficiais, assim como nas forças armadas.

No caso dos partidos socialistas e outros movimentos de esquerda, e na América Latina principalmente por influência da Revolução Cubana, é mais habitual o emprego da saudação Compañero ou Companheiro. Isto é especialmente notável no caso do Partido dos Trabalhadores do Brasil e no movimento sindicalista do ABC, em São Paulo.

Por outro lado, o uso desta forma de tratamento não se restringe somente a sindicatos e partidos de esquerda: os próprios nazistas também utilizaram amplamente o termo camarada, com a mesma conotação. E os falangistas espanhóis utilizam-no para saudar-se, anteposto ao seu nome de guerra. Durante o franquismo, era muito comum ler na imprensa espanhola fases como "El Gobernador Civil Camarada Fulano de Tal...".

Referências