Campimetria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

A campimetria é um exame ocular que estuda a percepção visual central e periférica. Quando o oftalmologista mede a visão de longe e de perto ele está observando a percepção visual central. A percepção periférica no ser humano é em torno de 180 graus se tivermos a falar dos dois olhos mas uma campimetria faz-se monocularmente o que reduz para 160º, isto porque temos a cana do nariz que não nos deixa perceber a 180º. Em muitas doenças esta visão espacial é reduzida e a única maneira de detectar esta perda seria estudando o campo de visão. O campímetro computadorizado (por exemplo campímetro Humphrey, fabricado pela a alemã Carl Zeiss e o Octopus, fabricado pela, também, alemã Haag Streit, são equipamentos "standard" utilizados em inúmeros artigos científicos, atestando a confiabilidade dos mesmos. Existem fabricantes nacionais que fornecem campímetros de menor custo como o da Eyetec e o CP120 da PcLab, porém, até o momento, não há um um só trabalho científico em que eles sejam citados.

A campimetria é de grande importância para o diagnóstico e o acompanhamento de patologias oculares ou do sistema nervoso central. Patologias oculares como glaucoma, degenerações, inclusive as tóxicas (ex.: pela cloroquina), ou físicas (ex.: exposição a raios U.V.), ou como as distrofias de retina e maculares, têm a campimetria como um instrumento bastante útil e confiável. É, também, utilizado nas patologias do sistema nervoso central, como nas compressões do quiasma óptico que produzem hemianopsias, ou de quaisquer outras regiões das chamadas 'vias ópticas', auxiliando o diagnóstico e acompanhamento pelo neurologista.