Casa da Cultura de Teresina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Casa da Cultura de Teresina
Tipo Museu de arte, pinacoteca
Inauguração 12 de agosto de 1994 (25 anos)
Visitantes 45.575
Website www.fcmc.pi.gov.br
Geografia
País  Brasil
Cidade Teresina

Casa da Cultura de Teresina, localizado no no Centro da cidade de Teresina em frente a Praça Saraiva.

História[editar | editar código-fonte]

Anteriormente o imóvel pertencia ao Sr. João do Rego Monteiro, o Barão de Gurguéia (1809-1897), era sua residência familiar, foi uma das primeiras casas a ser construída na recém inaugurada capital do Piauí, concluída por volta de 1880. O prédio é um dos mais belos exemplares da arquitetura eclética piauiense durante o século XIX, com as tradicionais portas e janelas ogivas e sua imponente escadaria que lembra um casa de engenho.

Entre 1906 e 1911, o Monsenhor Joaquim d’Almeida instalou um Seminário no prédio, depois dos herdeiros do Barão venderem o prédio para a Arquidiocese de Teresina, virou residência episcopal, passou por algumas alterações na fachada principal, na gestão de Dom Severino Vieira de Melo, que reabriu o Seminário, foi desativado novamente. Serviu por vários anos, como sede do DNOCS no Piauí, depois abrigou o Colégio Pedro II, que fez diversas modificações no prédio. Em 1986, foi tombado pelo Departamento do Patrimônio Histórico, Artístico e Natural do Piauí.[1]

Em 1993, iniciaram-se as obras de restauro do prédio através de convênio entre a Prefeitura de Teresina e o Governo do Estado do Piauí. Assim, em 1994, após a restauração, foi inaugurada a Casa da Cultura de Teresina, pelo Governador Guilherme Melo e Prefeito Raimundo Wall Ferraz. Com o objetivo de preservar o casarão, promover e divulgar a cultura do Estado e especialmente a do município, proporciona a estudantes, pesquisadores, turistas e a comunidade em geral a oportunidade de conhecer, através de seu acervo museológico, à consulta às fontes de pesquisa bibliográficas e arquivísticas. Além de promover formação cultural e por meio de cursos, oficinas de arte e outras atividades culturais.

  • O espaço possui duas bibliotecas em homenagens ao jornalista Carlos Castello Branco e ao prefeito Raimundo Wall Ferraz, com acervo de 6.827 livros e 1.918 periódicos;
  • Memorial Raimundo Wall Ferraz, com homenagens, fotos e objetos pessoais. Memorial Carlos Castello Branco, com homenagens, livros, periódicos e objetos pessoais do jornalista, como o fardão da Academia Brasileira de Letras;
  • Mostra permanente de geologia, paleontologia e numismática;
  • Coleção Fotográfica de José Medeiros - arquivo fotográfico, livros, recortes de periódicos, troféus, telas, cartografia, objetos indígenas, objetos de trabalho e pessoais do fotógrafo e cineasta;
  • Coleção sacra da Arquidiocese de Teresina e do Professor Noé Mendes - objetos sacros, oratórios e paramentos;
  • Coleção do historiador Josias Clarence Carneiro da Silva - mobiliário colonial, porcelanas e instrumentos musicais;
  • Pinacoteca Lucílio Albuquerque; Auditório Professor Clemente Fortes; Sala de Artes Cênicas; Sala de Artes Plásticas; Videoteca; Pátio com palco a céu aberto.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Casa da Cultura de Teresina - Guia das Artes». www.guiadasartes.com.br. Consultado em 1 de maio de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre um edifício é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.