Cefaleia orgástica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cefaleia orgástica
Classificação e recursos externos
CID-10 G44.805
CID-9 339.82

Cefaleia orgástica são dores de cabeça ocorridas após um orgasmo ou durante o ato sexual. Atinge, geralmente, homens após os 30 anos de idade.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

A dor pode ter diversas características. Pode iniciar nas preliminares ou após o clímax. Pode ocorrer na nuca, com intensidade moderada ou apresentar-se como dor aguda atingindo a cabeça como um todo. Além disso, esse tipo de dor pode permanecer por 48 horas depois do orgasmo.[2]

A cefaleia orgástica tipo 2 é uma cefaleia explosiva, súbita e severa durante o orgasmo. A dor é latejante, atinge a região occipital ou um dos lados da cabeça e pode ser acompanhada por náuseas e vômito. A interrupção do coito, na maioria dos casos, ajuda a cessar a sensação. Pode manifestar-se na masturbação e quando as pessoas tem um sonho erótico.[3]

Causas[editar | editar código-fonte]

A causa ainda é desconhecida. Este tipo de dor pode ser ocasionado pela libertação do neurotransmissor serotonina, concomitante com o processo de aumento da pressão vascular ocorrida no interior do crânio, no auge do sexo. O orgasmo pode ser percebido como uma situação de estresse.

É importante a hidratação para repor as perdas de água.

Eu possuo 43 anos e nunca tinha sentido antes dor de cabeça ao fazer sexo, sou praticante do sexo desde 16 anos de idade aos 22 anos foi descoberto uma doença de crise convulsiva chamado cavernoma pariental esquerdo-mal formação de artérias-MAV, porém agora aos 43 anos dia 23/03/2016 aconteceu comigo essa dor cabeça quando pratico o ato sexual, bom acredito não ter nada a ver com o meu problema.

Notas e referências

  1. GALVÃO, Antonio Cezar (04/10/2004). «Quando sexo dá dor de cabeça». Consultado em 30/12/2008. 
  2. CORTÊS, Celina (22/11/2006). «Prazer e dor». Consultado em 30/12/2008. 
  3. JUNIOR, Dr. Armando Miguel (31/01/2008). «Estudo de caso - Cefaleia súbita». Consultado em 30/12/2008.