Chrotopterus auritus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaChrotopterus auritus
Chrotopterus auritus at Sachavacyoc.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Chiroptera
Família: Phyllostomidae
Subfamília: Phyllostominae
Género: Chrotopterus
Espécie: C. auritus
Nome binomial
Chrotopterus auritus
Peters, 1865

Chrotopterus auritus é a única espécie do gênero Chrotopterus e constitui o segundo maior morcego do Brasil e das Américas. Podem atingir uma envergadura em torno de 70-80cm e pesar cerca de 100g. Também é conhecido como falso-vampiro e entre os indígenas por andirá-guaçu, [1]

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Possui uma distribuição ampla, ocorrendo desde o sul do México até o norte da Argentina e sul do Brasil e Paraguai.

Ecologia[editar | editar código-fonte]

Os morcegos dessa espécie são monogâmicos (formam um só casal). As colônias geralmente são compostas por um casal adulto e indivíduos jovens ou sub-adultos[1]. Utilizam como abrigo cavernas, grutas, ocos de árvores, construções abandonadas e até ruínas arqueológicas[1][2][3][4]. A dieta desses animais é onívora: se alimentam de répteis, aves, mamíferos (inclusive outros morcegos) e frutas, realizando a dispersão das sementes destas. [1]

Referências

  1. a b c d Medellín, R.A. 1989. Chrotopterus auritus. Mammalian Species.
  2. Trajano, Eleonora. «Ecologia de populações de morcegos cavernícolas em uma região cárstica do sudeste do Brasil». Revista Brasileira de Zoologia. 2 (5): 255–320. ISSN 0101-8175. doi:10.1590/S0101-81751984000100001 
  3. «Academic paper: Aspectos da biologia do morcego Furipterus horrens (Mammalia, Chiroptera, Furipteridae).». ResearchGate (em inglês). Consultado em 27 de abril de 2017 
  4. Garbino, Guilherme Siniciato Terra (2 de dezembro de 2016). «Research on bats (Chiroptera) from the state of São Paulo, southeastern Brazil: annotated species list and bibliographic review». Arquivos de Zoologia (São Paulo) (em inglês). 47 (3): 43–128. ISSN 2176-7793. doi:10.11606/issn.2176-7793.v47i3p43-128