Clube do Bolinha (quadrinhos)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Clube do Bolinha na capa de um gibi "Luluzinha" de 1948.

Clube do Bolinha é um clube exclusivamente para meninos que aparece frequentemente nas histórias em quadrinhos da Luluzinha.

A sede do clube situa-se num pequeno barraco improvisado de madeira com uma pequena porta, por onde os meninos só conseguem entrar abaixados. Os membros deste clube são Bolinha, Carequinha, Alvinho, Zeca e Juca. Já Plínio Raposo, o menino mais rico do grupo, apesar de fazer de tudo para entrar no clube, jamais tem sucesso. Uma das características do clube é ser proibida a participação de meninas, de acordo com o lema: "Menina Não Entra".[1] O Clube do Bolinha é ainda rival do outro clube de meninos da cidade, a "Turma da Zona Norte".[2]

O termo é também usado como expressão popular para descrever um tipo de clube, grupo ou reunião onde os membros são em reduzido número e exclusivamente do sexo masculino.[3][4]

Psiquiatria[editar | editar código-fonte]

Em psiquiatria o impulso das crianças para formar este tipo de clube é próprio de uma etapa, também conhecida por fase homossexual,[5] que se carateriza pela formação de laços fraternos entre elas, tanto de solidariedade como de exclusão, sendo uma forma de compartilhar a curiosidade entre os membros do mesmo sexo, ao mesmo tempo que as protege dos impulsos sexuais, redirecionados assim para outras áreas.[6] Esta etapa inicia-se mais ou menos entre os 9 anos e termina cerca dos 13, sendo sobretudo notável pelo surgimento dos melhores amigos e melhores amigas. O desenvolvimento da sexualidade é acompanhado em paralelo por grandes transformações na identidade sexual, ocorrendo uma divisão dos sexos, em que meninos só brincam com meninos e meninas só brincam com meninas. A fase carateriza-se assim por uma conduta de pirraça e confronto entre sexos, sem lugar para alianças entre meninos e meninas, à semelhança do Clube do Bolinha.[5]

Referências

  1. George Batista da Silva (2009). Universo dos Quadrinhos. [S.l.: s.n.] p. 41 
  2. Renato Mezan (1987). Psicanálise, Judaísmo: Ressonâncias. [S.l.]: Escuta. p. 72 
  3. José Roberto dos Santos (2010). O Empreendedorismo na Maturidade. [S.l.: s.n.] p. 45 
  4. Jose Hibba (2016). Indiretas JÁ!. [S.l.: s.n.] p. 32 
  5. a b Victor R C S Dias (1994). Analise Psicodramatica. [S.l.]: Editora Agora. p. 127 
  6. Alfredo Cataldo Neto (2003). Psiquiatria para Estudantes de Medicina. [S.l.: s.n.] p. 224