Cocriação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Venkat Ramaswamy.

Cocriação é uma iniciativa de gestão, ou forma de estratégia econômica, que reúne diferentes partes (por exemplo, uma empresa e um grupo de clientes), a fim de produzir conjuntamente um resultado mutuamente valorizado.[1]

O termo começou a ser usado em 2004, desde o lançamento do best-seller "O futuro da Competição" escrito por C. K. Prahalad e Venkat Ramaswamy, que disseminou o conceito mundialmente.

Cocriação é um conceito de marketing e negócios, em inglês en:co-creation. A cocriação é uma forma de inovação que acontece quando as pessoas de fora da empresa como fornecedores, colaboradores e clientes associam-se com o negócio ou produto agregando inovação de valor, conteúdo ou marketing, e recebendo em troca os benefícios de sua contribuição, sejam eles através do acesso a produtos customizados ou da promoção de suas ideias.

Um dos principais casos de cocriação é a própria Wikipédia, pois é editada por milhares de pessoas no mundo todo, e assim protagoniza um dos pilares da cocriação, a colaboração.

Modelos[editar | editar código-fonte]

A co-criação pode surgir de várias formas, e pode ser orquestrada ou surgir sem nenhuma estrutura pré-definida. Porém, certas características estão sempre presentes, são elas a atividade de contribuição e a atividade de seleção da contribuição. Esta abordagem simples que busca entender a fundo o conceito de co-criação foi desenvolvida pelo especialista em Marketing Aric Rindfleisch. Aric argumenta que, independente da situação específica, um processo de co-criação precisa de inputs e que estes inputs precisam ser escolhidos e alguma forma, portanto subdividindo o conceito/experiência da co-criação em duas variáveis, as atividades de contribuição e as atividades de seleção, com cada uma destas ações podendo ser guiada pela tanto pela firma quanto pelos usuários. A atividade de contribuição representa a forma como os inputs são recebidos e a de seleção indica a forma como será decidido qual input utilizar na criação do produto/serviço. O modelo portanto pode ser facilmente visualizado na forma de uma matriz dois por dois onde cada um dos quadrantes representa uma forma diferente de co-criação.

A área de software tem uma tendência natural à cocriação, com software de código-fonte aberto onde todos podem editá-lo. A empresa também pode criar um esqueleto funcional de um software onde os usuários fazem sugestões à medida que o utilizam, adequando-o às suas necessidades. O modelo pode surgir antes do produto estar no mercado, depois de introduzido no mercado ou em um mesmo tempo. E, para isso, existem muitos softwares que desempenham um papel muito importante no apoio à cocriação, recebendo e organizando a recepção de ideias e sugestões, como o JA voice.

Em todo o mundo, a cocriação de produtos e serviços é incipiente. As empresas têm entrado neste ramo ainda com muita cautela, pois, nem mesmo elas sabem o rumo que um projeto de cocriação pode levá-la. Entretanto, se bem administrado, este processo tem maior chance de levar o produto/serviço a um ponto mais próximo do desejo do consumidor.

Atualmente (2014) existem autores, entre eles o brasileiro Augusto Franco, que propõem uma "cocriação interativa", a qual sugere a desconstrução dos muros de criatividade adotados pela definição de cocriação tradicional (empresa x stakeholders), ou seja, o debate de ideias é promovido em um ambiente livre de hierarquia ou limites metodológicos. Assim, teríamos uma inovação cocriativa.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Aric Rindfleisch ; Matt O'Hearn (2008) ."Customer Co‐creation: A Typology and Research Agenda" Working Paper 4 publications on ResearchGate
  • Andersson, P.; Rosenqvist, C. (2007). "Mobile Innovations in Healthcare: Customer Involvement and the Co-Creation of Value". International Journal of Mobile Communications. Volume 5, No. 4.
  • Auh, S.; et al. (2007). "Co-Production and Customer Loyalty in Financial Services". Journal of Retailing. Volume 83, Issue 3. pp. 359–370.
  • Ballantyne, D. (2004). "Dialogue and Its Role in the Development of Relationship Specific Knowledge". Journal of Business & Industrial Marketing. Volume 19, Issue 2. p. 114.
  • Becker, Gary (September 1965). "A Theory of the Allocation of Time". The Economic Journal. Volume LXXV, Issue 299. pp. 493–517.
  • Bilgram, V.; Brem, A.; Voigt, K.I. (2008). "User-Centric Innovations in New Product Development – Systematic Identification of Lead Users Harnessing Interactive and Collaborative Online-Tools". International Journal of Innovation Management. Volume 12, No. 3. pp. 419–458.
  • Diwon, D. (1990). "Marketing as Production: The Development of a Concept". Journal of the Academy of Marketing Science. Volume 18, Number 4. pp. 337–343.
  • Edvardsson, B.; Enquist B.; Johnston, R. (2005). "Cocreating Customer Value through Hyperreality in the Prepurchase Service Experience". Journal of Service Research. Volume X, Number X, Month 2003 1-.
  • Firat, F.A.; Venkatesh, A. (December 1995) "Liberatory Postmodernism and the Reenchantment of Consumption". Journal of Consumer Research. Volume 22, Number 3. pp. 239–267.
  • Fodness, Dale; Pitegoftf, Barry E.; Sautter, Elise Truly (1993), "From Customer to Competitor: Consumer Co-Option in the Service". The Journal of Services Marketing. 7 (3). pp. 18–25.
  • Forsström, F. (September 2003). "A Conceptual Exploration into 'Value Co-Creation' in the Context of Industrial Buyer-Seller Relationships, Work-in-Progress Paper". 19th Annual IMP Conference; September 4–6, 2003; Lugano, Switzerland (International Marketing and Purchasing Group)
  • Füller, J.; Mühlbacher, H.; Matzler, K.; Jawecki, G. (Winter 2009–10). "Consumer Empowerment through Internet-Based Co-Creation". Journal of Management Information Systems. Volume 26, Number 3. pp. 71–102.
  • Füller, J. (Winter 2010). "Refining Virtual Co-Creation from a Consumer Perspective". California Management Review. Volume 52, Number 2. pp. 98–122.
  • Grönroos, C.; Ravald, A. (2009) "Marketing and the Logic of Service: Value Facilitation, Value Creation and Co-Creation, and Their Marketing Implications – Working Paper". Hanken School of Economics.
  • Gummesson, E. (2004) "Return on Relationships (ROR): The Value of Relationship Marketing and CRM in Business-to-Business Contexts". Journal of Business & Industrial Marketing. 19, 2. p. 136.
  • Holbrook, M.B. (June 1987). "What Is Consumer Research?". Journal of Consumer Research. Volume 14, Number 1. pp. 128–132.
  • Lindsay, K. (July 28, 2009). "The Power of Collaboration". Computer Weekly. pp. 14–15.
  • Nambisan, S.; Baron, R.A. (July 2009). "Virtual Customer Environments: Testing a Model of Voluntary Participation in Value Co-Creation Activities". Journal of Product Innovation Management. Volume 26, Issue 4. pp. 388–406.
  • Ordanini, A.; Pasini, P. (2008). "Service Co-Production and Value Co-Creation: The Case for a Service-Oriented Architecture (SOA)". European Management Journal. 26, pp. 289–297.
  • Payne, A.; Holt., S. (2001). "Diagnosing Customer Value: Integrating the Value Process and Relationship Marketing". British Journal of Management. Volume 12. pp. 159–182.
  • Payne, A.F.; Storbacka, K.; Frow, P.; Knox, S. (2009). "Co-Creating Brands: Diagnosing and Designing the Relationship Experience". Journal of Business Research. 62. pp. 379–389.
  • Potts, J.; et al. (October 2008) "Consumer Co-creation and Situated Creativity" Industry and Innovation. Volume 15, Number 5. pp. 459–474.
  • Prahalad, C.K.; Ramaswamy, V. (2004) "Co-Creation Experiences: The Next Practice in Value Creation". Journal of Interactive Marketing. Volume 18, Number 3.
  • Prahalad, C.K.; Ramaswamy, V. (2009) "Co-Creation Connection".
  • Ramaswamy, V. (2009) "Leading the Transformation to Co-Creation of Value. Strategy and Leadership. Volume 37, Number 2. pp. 32–37.
  • Roseira, C.; Brito, C. (2009) "Value Co-Creation With Suppliers, FEP working papers, n°342".
  • Shah, D.; Rust, R.; Parasuraman, A.; Staelin, R.; Day, G. (November 2006). "The Path to Customer Centricity". Journal of Service Research. 9, 2.
  • Simonson, A.; Schmitt, B. (1997). Marketing Aesthetics – Identity and Image. New York: Free Press.
  • Spohrer, J.; Maglio, P.P. (2008). "The Emergence of Service Science: Toward Systematic Service Innovations To Accelerate Co-Creation of Value".
  • Tanev, S.; Seppä, M.; Chowaniec, A. (2013). "Value Co-Creation". Best of TIM Review. Book 3. Talent First Network.
  • Tynan, C.; McKechnie, S.; Chhuon, C. (2009). "Co-Creating Value for Luxury Brands". Journal of Business Research. doi:10.1016/j.jbusres.2009.10.012.
  • Vandermerwe, S. (Summer 1993). "Jumping into the Customer's Activity Cycle – A New Role for Customer Services in the 1990s". Columbia Journal of World Business. pp. 46–65.
  • Weigand, H. (2009). "Value Encounters – Modeling and Analyzing Co-creation of Value – Working Paper".
  • Wind, J.; Rangaswamy, A. (2000). "Customerization: The Next Revolution in Mass Customization – Marketing Science Institute Working Paper No. 00-108". Cambridge, Massachusetts: Marketing Science Institute
  • Wong, V. (2010). "Co-Creation: Not Just Another Focus Group". BusinessWeek. Retrieved April 28, 2010.
  • Xiang, Z.; Rongqiu, C. (2008). "Examining the Mechanism of the Value Co-Creation with Customers". International Journal of Production Economics. 116. pp. 242–250.
  • Zwass, V. (Fall 2010). "Co-Creation: Toward a Taxonomy and an Integrated Research Perspective". International Journal of Electronic Commerce. pp. 11–48. http://www.ijec-web.org/v15n1/p011full.pdf

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Prahalad, C.K.; Ramaswamy, V. (2004) "Co-Creation Experiences: The Next Practice in Value Creation". Journal of Interactive Marketing. Volume 18, Number 3.