Consequente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Um consequente é a segunda metade de um proposição condicional. Na forma padrão desta proposição é a parte que se segue ao "então". Em uma implicação do tipo se P implica em QP é chamado antecedente e Q é chamado o consequente.[1] Em alguns contextos, o consequente é chamado o apodosis.[2]

Exemplos:

  • Se P, então Q.

Q é o consequente desta proposição condicional.

  • Se X é um mamífero, então X é um animal.

Aqui, "X é um animal" é o consequente.

  • Se os computadores podem pensar, então eles estão vivos.

"Eles estão vivos" é o consequente.

O consequente numa proposição não é necessariamente uma consequência do antecedente.

  • Se os macacos são roxos, então os peixes falam Klingon.

"Os peixes falam Klingon" é o consequente aqui, mas intuitivamente não é uma consequência de (nem está relacionado com) a afirmação feita no antecedente que "macacos são roxos".

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Sets, Functions and Logic - An Introduction to Abstract Mathematics, Keith Devlin, Chapman & Hall/CRC Mathematics, 3rd ed., 2004
  2. See Conditional sentence.