Convento de Varatojo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox warning pn.svg
Este artigo foi proposto para eliminação semirrápida por um ou mais editores. A(s) justificativas apresentada(s) para eliminação foram:

Por favor, melhore o artigo se possível e procure enquadrá-lo dentro das regras do projeto.
Caso não haja oposição à eliminação desta página, ela será suprimida a partir de 18 de agosto. Para mais informações, veja Política de eliminação e Eliminação semirrápida.


Encontre referências para o artigo: Google (notícias, livros e acadêmico)


Usuário: Se esta página possui arquivos de mídia que não são utilizáveis em outras páginas, adicione uma nota em WP:PER, para que um administrador lusófono do Wikimedia Commons verifique se ela se encontra no escopo do projeto.

Aviso ao criador: Os principais editores da página podem ser avisados (recomendável) e seu criador (se registrado) deve ser notificado com
{{subst:Aviso-ESR|1=Convento de Varatojo}} ~~~~
Aviso ao criador com nota de boas-vindas:
{{subst:Av-bv-ESR|1=Convento de Varatojo|2=~~~~}}

O Convento de Varatojo localiza-se na freguesia de São Pedro e Santiago, na cidade e concelho de Torres Vedras, distrito de Lisboa, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Foi erguido por iniciativa de Afonso V de Portugal em cumprimento de um voto formulado a Santo António de Lisboa para auxílio às armas portuguesas nas conquistas do Norte de África. Foi o próprio soberano, em Fevereiro de 1470, quem lançou a primeira pedra, com grande acompanhamento de clero, nobreza e povo. Desde o início o convento foi entregue à Ordem dos Frades Menores ou franciscanos.

Após o terramoto de 1531 conheceu obras de vulto, patrocinadas pela rainha D. Catarina de Áustria, esposa de D. João III, que lhe imprimiram um cunho maneirista a que se vêm somar as campanhas barrocas e novecentistas.

Com o decreto da extinção das ordens religiosas masculinas e expropriação de todos os seus bens, assinado por Pedro IV de Portugal em 30 de maio de 1834, o convento passou para as mãos da Fazenda Nacional. Posteriormente, em 1845 o imóvel foi vendido em hasta pública. Em 1861 retornou à posse dos franciscanos.

Foi de novo extinto entre 1918 e 1928, após o que retornou ao serviço (que não à posse) da Ordem dos Frades Menores, que o conservam até aos nossos dias.

Encontra-se classificado como Monumento Nacional desde 23 de junho de 1910.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.