Cultura celular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Células epiteliais em cultura. Em vermelho, queratina e em verde, DNA.

Cultura celular ou cultura de células é o processo pelo qual células procariotas ou eucariotas são desenvolvidas sob condições controladas. Na prática, a expressão "cultura celular" surgiu como referência a cultura de células derivadas de eucariotas multicelulares, especialmente células de animais. O desenvolvimento histórico e os métodos da cultura celular estão intimamente relacionados com aqueles da cultura de tecidos e da cultura de órgãos.

A cultura de células de animais tornou-se uma técnica laboratorial rotineira na década de 1950,[1] mas o conceito de manter linhagens de células vivas separadas do seu tecido-fonte original foi descoberto no século XIX.[2] Nesse período um experimentalista chamado Wihelm Roux direcionou seus estudos para as células da medula de uma galinha mantendo-as por vários dias em salinas aquecidas, logo em seguida Harrison estudou células nervosas, seu objetivo era comprovar a formação de fibras nervosas pelas células, ele realizou esse experimento através da cultura in vitro deixando as células pelo período de uma semana. No decorrer de diversas pesquisas os cientistas foram descobrindo alguns aspectos que podiam aumentar o tempo da célula em cultura, como por exemplo o experimento de Alexis Carrel que descobriu que a troca de nutrientes nos frascos aumentava ainda mais o tempo das células em cultura. Decorrente de diversas pesquisas perceberam que as células que se multiplicavam constantemente apresentavam menor variação em seus resultados em relação as culturas menores. Quando se fala em multiplicação constante de células é importante ressaltar as famosas células de HeLa, são elas proveniente de um câncer, células eternas utilizada até os dias atuais em pesquisas e estudos. Com o passar dos anos muitos cientistas se interessaram pela área da cultura celular, desenvolvendo cada vez mais as pesquisas, sempre inovando e descobrindo informações relevantes. Atualmente existe muitos meios de cultura em diversos ambientes diferentes e a cultura celular apresenta grande importância na área médica sendo muito aplicado em tratamento de doenças e terapias um exemplo é a utilização das células troncos. [3] Tipos de Células 1.Células aderentes e não aderentes Na maioria das vezes as células que estão em cultura celular são similares aos seus tecidos de origem. As células de tecido epitelial têm maior interação entre elas, enquanto as células sanguíneas não há uma relação entre as mesmas. Em um cultivo celular encontramos células aderentes que ficam presa ao fundo de um recipiente, enquanto outros ficam soltas ao meio, essas são chamadas de não aderentes. As células aderentes são provenientes de tecidos mais rígidos (por exemplo linhagem de células do rim) e para que elas se proliferem é preciso estar aderidas a um vidro de carga negativa, essa carga desenvolve a produção de proteínas de adesão e proteoglicanos para que elas se fixem na superfície. As células aderentes espalhadas por todo vidro recebem o nome de monocamada celular. Existem também as células não aderentes que não precisam se fixar para se proliferar ou sobreviver, quem possui essa capacidade geralmente são as células sanguíneas ou de tecido tumoral.[4] 2. Células primárias, células estabelecidas e células transformadas. Uma cultura primária é determinada a partir do avanço de células descendentes de um pedaço de tecido obtido por separação mecânica ou enzimática essas células formarão a primeira camada de célula do tecido, chamadas células primárias. Para ter uma renovação tecidual é preciso ter morte celular que é uma morte programada e não causa danos um processo chamado apoptose, a célula se fende e se "autodigere" formando botões apoptóticos que são infamados. As células com maior eficiência de multiplicar-se predomina na garrafa de cultivo e essas células são chamadas de linhagem celular continua é essencial para pesquisas, pois tem uma duração maior que a da célula primária. A linhagem celular continua são reproduzidas sem perder suas características. Quando as características genéticas das células são alteradas e perdem suas semelhanças morfológicas e genéticas ao tecido original são denominadas células transformadas, essa célula também podem se originar de tecidos já multados como os tumorais e elas são usadas no controle de qualidade é a única célula transformada usada em vacinas é a VERO. [5] Aplicações dos cultivos celulares 1. Produção de imunológicos Dentre todas as aplicações de Cultura celular, inicia-se com a invenção de proteínas utilizadas pelo sistema imunológico para identificar e neutralizar corpos estranhos. Esses anticorpos são usados juntamente com exames quê contém pequenas quantidades de material radioativo encaixado em um anticorpo que detecta infecção. Muitas proteínas de anticorpos são produzidas partindo de uma cultura celular. Eritropoietina humana, fator VIII para hemofilia, entre outras, são feitas de células cultivadas porque precisam de máquinas que realizem um trabalho complexo que não se encontra em células procariontes. Outra área é importante que é utilizada a cultura celular é a produção de vacinas como a do sarampo, que é produzida a partir de culturas primárias de fibroblastos do embrião da galinha, ou da poliomielite que é produzida a partir de células do rim de macaco verde africano. Atualmente o desafio encontrado é conseguir produzir as vacinas em células transformadas sem prejudicar o indivíduo que irá usá-la. No Brasil ainda não se tem pesquisas realizadas nesta área, mas a célula Vero tem sido estudada por várias instituições.[6] 2.Terapia celular A terapia celular tem como princípio a restauração da função de um órgão ou tecido lesionado, introduzindo células novas para substituir as células mortas ou danificadas, por doenças ou problemas genéticos, por exemplo. Conhecido na medicina há algum tempo, em sua forma mais simples, transfusão de células do sangue, e em transplantes de órgãos e tecidos, como os de medula óssea, de rim, de fígado, de coração e de pulmão. Mas para se ter uma cópia fiel destas células que precisam ser trocadas, é necessário saber sobre seu ambiente e seu funcionamento, para assim, reproduzir em meio de cultura (in vitro) um novo tecido. Uma alternativa na terapia celular é o uso das células-tronco, tanto de origem embrionária quanto as de tecidos adultos, para tratamento de doenças degenerativas, pois esta célula tem uma alta capacidade de diferenciação e de proliferação, formando células diferenciadas e com determinadas funções. Contudo, ainda nos dias de hoje, as fontes mais promissoras para terapia são as células-tronco de adultos obtidas de medula óssea ou de sangue periférico, além daquelas que poderiam ser obtidas do sangue de cordão umbilical, já que as de origem embrionária são de difícil manipulação para poderem ser amplificadas in vitro e dirigidas quando à sua diferenciação in vivo.[7][8]


  • MACLEOD, R. A. F. et al.. Widespread intraspecies cross-contamination of human tumour cell lines . "International Journal of Cancer", 83:555–563, 1999.
  • MASTERS, John R. HeLa cells 50 years on: the good, the bad and the ugly. "Nature Reviews

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Cultura celular
Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «"Cell Culture"». Consultado em 19 de abril de 2006 
  2. «"Some landmarks in the development of tissue and cell culture."». Consultado em 19 de abril de 2006 
  3. ALVES, Emanuele Amorim; GUIMARÃES, Anna Christina Rosa. Cultivo celular. In: MOLINARO, Etelcia Moraes; CAPUTO, Luzia Fátima Gonçalves; AMENDOEIRA, Maria Regina Reis (Org.). Conceitos e métodos para a formação de profissionais em laboratórios de saúde. v.2. Rio de Janeiro: EPSJV, 2010. p. 215-253.
  4. ALVES, Emanuele Amorim; GUIMARÃES, Anna Christina Rosa. Cultivo celular. In: MOLINARO, Etelcia Moraes; CAPUTO, Luzia Fátima Gonçalves; AMENDOEIRA, Maria Regina Reis (Org.). Conceitos e métodos para a formação de profissionais em laboratórios de saúde. v.2. Rio de Janeiro: EPSJV, 2010. p. 215-253.
  5. ALVES, Emanuele Amorim; GUIMARÃES, Anna Christina Rosa. Cultivo celular. In: MOLINARO, Etelcia Moraes; CAPUTO, Luzia Fátima Gonçalves; AMENDOEIRA, Maria Regina Reis (Org.). Conceitos e métodos para a formação de profissionais em laboratórios de saúde. v.2. Rio de Janeiro: EPSJV, 2010. p. 215-253.
  6. ALVES, Emanuele Amorim; GUIMARÃES, Anna Christina Rosa. Cultivo celular. In: MOLINARO, Etelcia Moraes; CAPUTO, Luzia Fátima Gonçalves; AMENDOEIRA, Maria Regina Reis (Org.). Conceitos e métodos para a formação de profissionais em laboratórios de saúde. v.2. Rio de Janeiro: EPSJV, 2010. p. 215-253.
  7. ALVES, Emanuele Amorim; GUIMARÃES, Anna Christina Rosa. Cultivo celular. In: MOLINARO, Etelcia Moraes; CAPUTO, Luzia Fátima Gonçalves; AMENDOEIRA, Maria Regina Reis (Org.). Conceitos e métodos para a formação de profissionais em laboratórios de saúde. v.2. Rio de Janeiro: EPSJV, 2010. p. 215-253.
  8. Pesquisa FAPESP. Injeções de vida: clonagem e terapia celular. Edição 73, março de 2002 Disponível em: > http://revistapesquisa.fapesp.br/2002/03/01/injecoes-de-vida-clonagem-e-terapia-celular/ <