DSGE

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Em Economia, a modelagem DSGE (do inglês Dynamic Stochastic General Equilibrium, ou equilíbrio geral estocástico e dinâmico) é uma aplicação da teoria do equilíbrio geral. A metodologia DSGE busca explicar fenômenos econômicos agregados - tais como crescimento econômico, ciclos econômicos e efeitos de política monetária e fiscal - tendo como base modelos macroeconômicos derivados de princípios microeconômicos.

Como o próprio nome indica, os modelos DSGE são dinâmicos - ou seja, estudam como a economia evolui ao longo do tempo - e estocásticos, ou seja, porque levam em consideração choques aleatórios (como mudanças de tecnologia, de preços etc).

Vantagens da modelagem DSGE[editar | editar código-fonte]

A modelagem DSGE tem vantagens em relação à modelagem macroeconômica tradicional, em especial em relação à avaliação dos efeitos de uma mudança de política.

  1. Os modelos macroeconômicos tradicionais de projeção são vulneráveis à crítica de Lucas (que afirma que os efeitos da política econômica não pode ser projetada utilizando-se dados históricos de um período em que a política ainda não tinha sido implementada). Os modelos microfundamentados, ao contrário, não deveriam ser vulneráveis a essa crítica, pelo menos em teoria.
  2. Como os microfundamentos são baseados das preferências dos tomadores de decisão no modelo, os modelos DSGE são úteis para avaliar os efeitos das mudanças de política no bem estar.

Os economistas Vereda e Cavalcanti, ao criarem um modelo DSGE para a economia brasileira, afirmaram:

"A atratividade dos modelos DSGE deve-se à sua estrutura teórica rigorosa – que propicia a realização de simulações de política econômica consistentes com os microfundamentos do modelo – e à sua flexibilidade para explicar vários fatos estilizados da macroeconomia. Cabe destacar que, ao construir um modelo macroeconômico, é preciso atentar para o inexorável trade-off entre a obtenção de consistência teórica e de um bom ajuste aos dados. Frequentemente, modelos com boas propriedades teóricas revelam-se inferiores a modelos puramente estatísticos em termos de ajuste aos dados e capacidade preditiva."[1]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Vereda, Luciano; & Cavalcanti, Marco A. F. H. (2010). TD 1479 - Modelo Dinâmico Estocástico de Equilíbrio Geral (DSGE) Para a Economia Brasileira: Versão 1. IPEA. ISSN 1415-4765.