Declaração de Cantanhede

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde maio de 2016). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
O casamento de D. Pedro e Inês de Castro

A declaração de Cantanhede, feita pelo rei Pedro I de Portugal em 12 de junho de 1360, na igreja de Cantanhede, é o juramento pelo qual o rei declarou ter casado com a dama galega D. Inês de Castro em Bragança, haveria então uns sete anos, em mês e dia de que não se lembrava, em cerimonia religiosa, e secreta, celebrada por D. Gil, deão da Sé da Guarda e testemunhada por um dos criados do rei.

A declaração foi confirmada em Coimbra em 18 de junho do mesmo ano, pela notificação de D. João Afonso, Conde de Barcelos, a prelados, fidalgos e povo, nos paços da escola de Coimbra. Foram testemunhas Estevão Lobato, seu criado, e o dito D. Gil da Guarda, que era então bispo da Guarda.

Em que pese algumas dúvidas, o motivo principal da declaração de Cantanhede foi legitimar os filhos nascidos desse matrimónio, os infantes Beatriz, João e Dinis.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.