Designador rígido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2018). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Em metafísica, lógica e semântica um designador rígido é um termo que se refere à mesma coisa em todos os mundos possíveis em que essa coisa existe[1]. Um designador é obstinadamente rígido se designa a mesma coisa em todos os mundos possíveis, período, se essa coisa existe ou não naquele mundo.

Nomes são designadores rígidos. Descrições definidas normalmente não são. Por exemplo, a descrição "um número primo tem dois divisores diferentes" é rígida, pois designa a mesma entidade em todos os mundos possíveis. Um nome designa a mesma coisa em todas as situações. Por exemplo, o nome "Aristóteles" designa a mesma pessoa na nossa situação, na qual ele foi um filósofo, e também em situações contrafatuais, nas quais ele não foi um filósofo.

Sentidos de rigidez[editar | editar código-fonte]

A rigidez algumas vezes distingue-se dois sentidos de rigidez

Na rigidez kripkeana, um termo é rígido quando se designa à mesma coisa em todos os mundos em que tal coisa exista, enquanto que na rigidez kaplanesca, um termo é rígido quando se designa à mesma coisa em todos os mundos, embora exista ou não a coisa naquele mundo. Essas duas noções estão associadas, respectivamente, à Saul Kripke e à David Kaplan - ambos figuras centrais para compreender o que veio a se chamar teoria da referência direta.

Kaplan mesmo, em "Afterthougts" (1989)[2], chama a atenção para essas duas noções de rigidez. Ele diz ali, levado pela noção de um objeto como um constituinte proposicional, chega-se à noção de designação rígida:

"De fato, chegamos à forma de designação rígida característica da referência direta, em que é irrelevante se o indivíduo existe no mundo em que a proposição é avaliada. Em Demonstratives considerei essa a forma fundamental de designação rígida. Estava tão certo de que essa era a forma fundamental de designação rígida, que defendi...que deveria ser o que Kripke pretendia, a despeito de indicações contrárias em seus escritos. Não era. Em uma carta, Kripke afirma que a noção de designação rígida que ele pretendia é a que 'um designador d de um objeto x é rígido, se designa x com respeito a todos mundos possíveis em que x existe, e nunca designa um objeto outro que x com respeito a qualquer mundo possível'." (p.569)   [3]

Referências

  1. Oxford Dictionary of Philosophy, Revised Second Edition 2008, p. 318
  2. (em Almog, J., Perry,J. and Wettstein, H. (eds.) Themes from Kaplan, New York, Oxford: Oxford University Press, 1989)
  3. (Para uma discussão dessas duas noções, cf. Steinman, Robert. "Kripke Rigidity versus Kaplan Rigidity", Mind,1985, XCIV: 431-442.)
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.