Discussão:Beatriz de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Apelo à reformulação total deste artigo e inspiração na qualidade do artigo espanhol[editar código-fonte]

O artigo espanhol foi admitido como sendo um artigo imparcial e de qualidade. Em muitas outras línguas, quando a realeza de uma personalidade é questionada, coloca-se na mesma nas listas oficiais e fica em itálico ou entre parêntesis como 'disputado'. Além disso, esta página é gravemente parcial, só dá voz à historiografia vencedora da Crise de 1383-1385, nem sequer dá voz às várias teses que defendem a realeza legítima de D. Beatriz (de facto Outurbo-Dezembro de 1383 e de jure 1383-1385) e, por fim, gasta mais tempo a falar da dita Crise que da biografia da pessoa em questão--Templarius 01 (discussão) 20h19min de 4 de março de 2018 (UTC)

Fernão Lopes não é fonte nem referência credível e página não tem quase dados biográficos[editar código-fonte]

Está página tem uma grave falta de qualidade pois refere-se a uma importante figura da alta política portuguesa. 1) As crónicas de Fernão Lopes não devem ser usadas como fontes pois não é contemporâneo a D. Beatriz nem à Crise de 1383-1385. As únicas fontes contemporâneas que não foram destruídas e chegaram aos dias de hoje são castelhanas. Além disso, Lopes dá voz a boatos sem provas, lança dúvidas sem justificar, etc, que foram e continuam a ser repetidos nesta página, na de Leonor Teles e noutras de figuras e acontecimentos da época. De relembrar que um cronista oficial de um monarca trabalha para justificar e engrandecer a fação vencedora (Avis, neste caso) e ocultar ou mesmo denegrir a fação vencida (Borgonha/Trastâmara). 2) A maior parte do texto desta página não fala de D. Beatriz. A crise política sua contemporânea não devia estar sequer nesta página com tanto detalhe. Não é o espaço apropriado. Além disso, todo o texto tem adjetivos qualificativos e assumem uma grave parcialidade.--Templarius 01 (discussão) 19h07min de 4 de março de 2018 (UTC)

Untitled[editar código-fonte]

D. Beatriz deve ser retirada da lista de rainhas de Espanha, a que não pertence e aonde não está, aliás, e colocada nas listas de rainhas de Portugal e de Castela.

O infantezinho D. Miguel, filho e herdeiro de D. Beatriz I de Portugal, não se torna ao nascer herdeiro de Castela, como é afirmado no texto deste artigo, pois que seu pai, João I de Castela, tinha filhos varões do seu primeiro casamento: dois filhos varões pelo menos que irão um subir à Coroa de Castela, e outro à de Aragão, herdada de sua mãe, primeira mulher de João I de Castela… esta é a prova dos 9, aliás, de que nunca o reinado de D. Beatriz se traduziria por uma união das coroas portuguesa e castelhana, contra o tratado de Salvaterra… visto que o primogénito de João I, com direito á coroa aragonesa, a cede a seu irmão segundo… Quanto a D. Miguel, viveu poucos meses, e só nasceu em 1384, não sendo pelo seu nascimento que se abriu a crise que veio a destronar em Portugal sua mãe. São apenas posições da história oficial tradicional, como sempre, ideológica e feita pelos vencedores.

Portuguez

Reformulação da história[editar código-fonte]

Nem tanto ao mar nem tanto à terra. Está bem que agora está muito na moda reformular (embora hoje haja liberdade para tal, felizmente)… As violações do Direito de parte a parte foram tão flagrantes e tão numerosas… Aliás, se seguirmos o emaranhado de tratados e sucessivas violações e revogações no tempo de D. Fernando - todos fruto da força das armas - ou a dúbida legitimidade do casamento de D. Fernando com Leonor Teles (só um de muitos exemplos) facilmente se descobre que as razões de João das Regras eram tão boas como quaisquer outras, embora suportadas numa outra fonte de Direito que viria a vingar, tal como com D. Afonso Henriques dois séculos antes. De jure ou de facto? Talvez as duas vertentes (e não só uma, como aqui está), pois as cortes de Coimbra (tão ou mais válidas que qualquer tratado e tão ou mais violentas que os factos que os condicionaram) estabeleceram que D. João I era o mais legítimo sucessor de D. Fernando. Assim sendo, afirmar a legitimidade de D. Beatriz implica negar a legitimidade de D. João I (reconhecida por Castela em 1411) e de todos os seus brilhantes sucessores (a quem deve a nossa Nação todo o esplendor que teve). É realmente difícil invocar o Direito quanto se trata daqueles tempos…

Nada nos move contra a memória da pobrezita, que se viu casada aos 11 anos com um homem de 24 anos, depois de ter sido prometida aos filhos varões (esses sim, herdeiros da coroa de Castela -prova que as "provas dos 9" também eram alvo de reformulações de "vencedores"). Mas talvez a inclusão destes elementos (factuais e rigorosos) seja oportuna neste artigo: 1367 1 de Março Embaixada mandada por Henrique II de Castela para negociar um tratado de paz e amizade com D. Fernando.

4 de Março Alcanhões - Tratado de paz entre D. Fernando e Pedro IV de Aragão, desobrigando-se de auxílios mútuos.

Antes de Setembro Coimbra - Tratado de Paz e Aliança entre D. Fernando e Pedro I de Castela.

1369 Tratado de paz, por 50 anos, entre D. Fernando e o rei de Granada, contra Henrique II, rei de Castela.

(finais) Lisboa - Tratado de liga entre D. Fernando e Pedro IV de Aragão; e de casamento do primeiro com a Infanta Dona Leonor, filha do último.

1370 Junho (fim) Barcelona - Tratado entre D. Fernando e Pedro IV de Aragão, reiterando o anterior.

24 de Julho Barcelona - Celebra-se novo acordo entre Portugal e Aragão, relativo à guerra com Castela.

1371 31 de Março Alcoutim - Tratado de paz e confederação entre D. Fernando e Henrique II de Castela, no qual se ajustou o casamento do monarca português com a Infanta Dona Leonor, filha do segundo contratante.

1372 Abril Tui - Convenção entre D. Fernando e Henrique II de Castela, desobrigando o primeiro do compromisso de casamento assumido em Alcoutim (31-3-371).

12 de Abril Renovação do Tratado de comércio com a Inglaterra.

10 de julho Braga (Tagilde) - Tratado de paz e aliança entre D. Fernando e o duque de Lancastre, 2º filho de Eduardo III de Inglaterra, contra Henrique II de Castela e Pedro IV de Aragão.

1373 19 de Março Santarém - Tratado de paz entre D. Fernando e Henrique II de Castela. Pôs termo à 2ª guerra com Castela.

16 de junho Londres - Tratado de Aliança entre D. Fernando, duma parte, e Eduardo III de Inglaterra e o príncipe de Gales da outra. Confirmou o anterior de Tagilde.

1374 19 de Março Santarém - Tratado de aliança ofensiva entre os reis de Portugal e Castela, D. Fernando e Henrique II, contra Pedro IV de Aragão.

1375 Novembro Burgos - celebra-se o contrato de casamento de Dona Isabel, filha bastarda de D. Fernando, com o Infante Afonso de Castela.

1376

Tratado de casamento da Infanta Dona Beatriz, filha de D. Fernando, com o Infante Fradique de Castela.

1377 15 de Abril Chega a Santarém uma embaixada do rei de Castela, para obter a aliança portuguesa contra Aragão.

1378 Casamento de Dona Isabel, filha bastarda de D. Fernando, com Afonso, filho de Henrique II de Castela.

1380

21 de Maio Portalegre - Tratado de casamento da Infanta Dona Beatriz, filha de D. Fernando, com Henrique, primogénito de João I de Castela.

15 de Julho Estremoz - Ratificação por D. Fernando de todas as alianças feitas com o duque de Lancastre, como rei de Castela; e do casamento de Dona Beatriz com Eduardo, filho do conde de Cambridge, revogando-se o anterior contrato com o Infante Henrique de Castela.

1381 14 de Maio Westminster - Confirmação por Ricardo II, rei de Inglaterra, do Tratado de aliança de 16/6/373 com Portugal.

29 de Agosto

Celebram-se em Lisboa os esponsais da Infanta Dona Beatriz, filha de D. Fernando, com Eduardo, filho do Conde Edmundo, irmão do duque de Lancastre.

1382 10 de Agosto Elvas - Tratado de Paz entre D. Fernando e João I de Castela; de casamento de Dona Beatriz com Fernando, filho do rei de Castela, anulando-se o anterior contrato com Eduardo, filho do conde de Cambridge; de restituição a Portugal das vilas de Almeida, Miranda e outras.

1383 2 de Abril Salvaterra de Magos - Tratado de casamento entre a Infanta Dona Beatriz, com João I de Castela, regulando-se também a sucessão das duas Coroas.

30 de Abril Celebram-se os desposórios da Infanta Dona Beatriz com o monarca castelhano.

(?) Abril Elvas - Paz entre D. Fernando e João I de Castela.

Depois de 4 Maio

Embaixada de Portugal a Inglaterra, para apresentar as desculpas de D. Fernando pelo casamento de sua filha D. Beatriz, com El-Rei de Castela.

Fonte: Ministério dos Negócios Estrangeiros

São elementos não aqui reproduzidos na totalidade e que poderão elucidar os leitores sobre as (bizarras) circunstâncias da época.

Mas eu concordo inteiramete com tudo ou quase tudo o que aponta, apenas a historiografia não deve ter em conta o emocional dos Povos, mas apenas a crua realidade dos factos encarada pragmaticamente. D. Beatriz reinou por regência interposta, de facto, depois foi rainha apenas de jure ao cair a regência, e finalmente rainha destronada depois das Cortes de Coimbra, que colocaram e muito bem (uma nova) legitimidade em D. João I. Nada vejo em que é que a reposição da verdade serena dos factos possa diminuir o prestígio do grande rei da Boa Memória. Quanto aos tratados e destratados que condicionaram o fazer e desfazer dos casamentos de D. Fernando com as três Leonores, de Aragão, de Castela e de Portugal, assim como o da sua filha, obedeceram todos eles aos momentos políticos e sobretudo diplomáticos e militares da Guerra dos Cem Anos na Península Ibérica, o que também (tristemente…) não é ensinado. Mas a aliança Portugal Inglaterra não pode ser compreendida sem a aliança Castela França. Até porque ambos os blocos usaram de técnicas militares polarizadas, estando felizmente Portugal no grupo da estratégia mais avançada nesse tempo.81.84.240.175 07h16min de 1 de Dezembro de 2007 (UTC)

O povo, nesta época, foi o principal esteio do Mestre de Avis. Foi o povo, por exemplo, que logo no início "empurrou" os hesitantes entre a burguesia em Lisboa e no Porto a declararem voz pelo Mestre. O povo foi contra a proclamação, ordenada por Leonor Teles à morte de Dom Fernando, da sua filha Beatriz como Rainha. Dizer que Beatriz era Rainha de jure de Portugal é dizer que se podia ser legitimamente Rainha contra a vontade do povo. Ora constata-se que o povo na altura deu a devida resposta a esta tese, pelo que tem piada vê-la ser retomada passados 600 e tal anos. Não é com isto minha intenção dar "um puxão de orelhas" a quem escreveu o artigo, que até a meu ver está bastante bem feito, mas, no que a esta particular questão da Rainha "de jure" toca, convido quem escreveu o artigo a fazer um exercício de imaginação e a transportar-se numa fictícia máquina do tempo àquela época; e agora que já lá está, e com os pés assentes no chão, que comece a defender na praça pública e no meio do povo que a Rainha Beatriz é a Rainha de jure de Portugal. o comentário precedente não foi assinado por 88.157.91.137 (discussão • contrib.)

A seguinte afirmação: «e exigiu o casamento no quadro da assinatura da paz», é falsa. Elaborou-se então um tratado antenupcial próprio,diverso do tratado de paz,em Salvaterra em Março de 1383(ver capítulo CLVIII da Crónica de D. Fernando, de Fernão Lopes). Também é falso que João I de Castela tenha invadido Portugal para defender os direitos da mulher. Ele fê-lo para conseguir a regência do Reino de Portugal, desapossando Leonor Teles, que renunciou a ela e lha entregou nas mãos, o que não podia fazer. Dou aqui a palavra a Fernão Lopes (referido capítulo CLVIII): «Outrossim que por vontade delRei dom Fernando era que os Reinos de Portugal, em quanto ser pudesse, nunca fossem juntos aos Reinos de Castela, mas sempre reinos por si, como os possuíram seus antigos avós, o que era já grande dúvida se elRei Dom João e a Infanta Dona Beatriz houvessem o Regimento deles, mormente que para tal governança cumpria de haver pessoas que soubessem as condições dos povos; por isso foi outorgado que, enquanto el Rei de Castela vivesse, até que a Infanta houvesse filho e fosse de idade passados de catorze anos, que o Regimento dos ditos Reinos, assim na justiça como em todas as outras coisas da maior à mais pequena que ao Regimento dum Reino pertence, tudo fosse feito pela Rainha Dona Lionor, madre da dita Infante, e por aqueles que ela ordenasse para seu conselho assim como Governador dos ditos Reinos. E falecendo entretanto a Rainha, que a governança ficasse todo aquele tempo àqueles que elRei Dom Fernando ou a Rainha Dona Lionor ordenassem em seus testamentos; e que a dita Infanta sendo Rainha de Castela, durando o matrimónio com o dito seu marido, houvessem todas as rendas e frutos dos ditos Reinos, pagadas primeiro as tenças dos castelos e contias dos fidalgos e todas as outras coisas que se acostumavam de pagar em tempo delRei Dom Fernando.» O resto dos termos do tratado ou contrato antenupcial também são muito interessantes, mas vou ficar por aqui na citação, porquanto os termos da herança estão definidos. Direito de Beatriz a chamar-se Rainha de Portugal e de João de Castela a chamar-se rei de Portugal, e direito dos dois às rendas e frutos dos reinos de Portugal e do Algarve. O Rei de Castela achou que a herança era pouca e quis, pela força, o reino todo, com regência e tudo mais. Fernão Lopes conta todo "o caso" na sua colossal obra histórica e literária que é a Crónica de D. João, obra que quem escreveu este artigo aqui criticado manifestamente não leu. Mais tarde, as Cortes de Coimbra, em Abril de 1385, perante a violação do tratado antenupcial por parte de João I de Castela,não declararam que o destituíam do título nominal de Rei de Portugal e dos Algarves, nem que destituíam a sua mulher do título de Rainha de Portugal e dos Algarves, elegendo em sua substituição o Mestre de Avis como Rei Dom João I de Portugal. Não, o que as Cortes fizeram foi discutir «se estes reinos depois delRei dom Fernando, que deles foi postumeiro (último) possuidor, ficaram vagos e desamparados, sem rei e defensor lídimo que os possa e deva herdar de direito» (cap. CLXXXIII da Crónica) e declararam que: «estes reinos são de todo vagos, e postos à nossa disposição para elegermos quem os defenda e governe» (cap. CXCI da Crónica). Portanto, as Cortes perfilharam a doutrina de João das Regras, considerando o tratado antenupcial sem qualquer efeito e declarando como último (postumeiro) rei possuidor do Reino Dom Fernando. As Cortes assumiram-se como órgão soberano original e constituinte e constituíram por eleição e aclamação o Rei de Portugal que se seguiu a dom Fernando: não a Rainha Beatriz de Castela, mas João I de Portugal. Vir dizer que Beatriz foi a última soberana de Portugal da casa de Borgonha não cabe a nenhum colaborador da wikipedia. O Poder Constituinte soberano do passado só pode ser posto em causa e modificado por um Poder Constituinte posterior. O actual é a Assembleia da República, não um ou dez ou cem ou mil colaboradores da wikipedia. Acresce que, com base neste artigo, há uma miríade de artigos na wikipedia que manipulam e falsificam a história portuguesa do período de 1383-1385. Não apresentam as teses de sabor "castelhano requentado e ressabiado" como teses de interpretação histórica, não, afirmam-nas como a própria história. Como sou apoiante e, de quando em vez, também colaborador da wikipedia, solicito à(s) ou ao(s) redactores deste artigo que façam as devidas rectificações tendo em conta: 1) que a tese por eles exposta é uma mera tese de interpretação histórica cuja maioria dos defensores com título académico se podem encontrar na actual Espanha; 2) que explicitem qual a decisão tomada soberanamente pelas Cortes de Coimbra, que hoje, tal como então, continua a ser a posição do Estado português até que o máximo órgão soberano actual ou futuro a reveja (coisa que, posso apostar a cortar a cabeça, não vai acontecer). Por último, chamar à Rainha Beatriz «de Portugal» também é moda castelhana. Nem Fernão Lopes, no século XV, nem, por exemplo, Joel Serrão, no século XX, lhe chamam tal coisa: chamam-lhe Rainha de Castela, país onde acabou os seus dias. Caso o artigo não seja modificado de modo minimamente neutral aviso que eu próprio o farei, o que de modo nenhum queria fazer, até porque, quanto ao resto, se nota uma preocupação de fidedignidade histórica de quem o escreveu. As crónicas de D. Fernando e de D. João I estão editadas em linha e com hiperligações na wikipedia, portanto, acessíveis para consulta. Jorge Alo88.157.243.179 (discussão) 17h23min de 1 de janeiro de 2010 (UTC)

Fontes adicionais: Pero Lopez Ayala, Crónica del rei D. João o primeiro de Castela e de Leão: ano 5º, capítulo XI; ano 12º, capítulos I e II. Jorge alo (discussão) 15h26min de 17 de janeiro de 2010 (UTC)

Estou a verificar que os defensores da tese de que Beatriz foi Rainha de Portugal estão, não a discutir, mas a alterar as páginas noutras línguas referentes a Beatriz e aos reis de Portugal, tentando criar uma espécie de pensamento único sobre o tema. Não pude deixar de alertar para o facto a administração da Wikipedia lusófona. Não me parece que tal tenha grande futuro na Wikipedia, que é uma enciclopédia e um foro de discussão. Sugiro, portanto, aos defensores dessa tese que venham à discussão. Este artigo pode ser alterado, aliás, até deve ser, com base num subtítulo, por exemplo, «foi ou não foi rainha?», ou qualquer coisa do género, onde os dois campos adversos possam expor os seus pontos de vista com base nas fontes. Estou perfeitamente aberto à discussão e nada incomodado com tentativas de guerra de edição internacional. A discussão pode ser feita aqui, da vossa parte, em castelhano, francês ou inglês, além do português, porque são línguas que domino minimamente, ou até mesmo em catalão, se bem que o vocabulário seja para mim mais difícil. A questão de se discutir se foi ou não foi Rainha, quanto a mim, é perfeitamente válida, dada a sua situação de filha única do rei Fernando e o tratado de Salvaterra, portanto, cá vos espero, se vocês quiserem, para se fazer um artigo em conjunto. Penso que se discutirmos, e respeitarmos as opiniões fundadas um dos outros, estaremos a contribuir para o objectivo da Wikipedia e, ao mesmo tempo, a defender os nossos pontos de vista adversos dum modo salutar. Fica feito o convite. Se o aceitarem, desde já vos peço que indiquem, por favor, quem são actualmente os historiadores defensores da vossa tese. Mas se não os houver, ou houver poucos, isso também não é problema. Para se discutir uma questão não é preciso que haja historiadores a defender isto ou aquilo, basta que essa questão seja válida e, de qualquer maneira, quanto a isto, por exemplo, López de Ayala sempre achou que ela era a Rainha e D. João de Castela o rei, chamando por sua vez a D. João I o «Mestre Davis que se chamava rei», não é assim?Jorge alo (discussão) 17h38min de 24 de janeiro de 2010 (UTC)

--Templarius 01 (discussão) 20h14min de 4 de março de 2018 (UTC) Não fui um dos que alterou as outras páginas de outras línguas na wikipédia mas mais do que ficar a discutir eternamente fação vencedora vs fação vencida, é grave o quão parcial está esta página: não dá espaço ás teses da realeza legítima, de jure e de facto de D. Beatriz, o capítulo 'A infanta que nunca chegou a ser rainha' é lamentávelmente parcial e não fala da sua vida mas sim da crise política. Por todo o texto existem adjetivos qualificativos. Noutras línguas colocam os reis questionáveis nas listas oficiais como 'disputed', justificando depois o motivo. Era o que devia acontecer com D. Beatriz e com D. António. A reformulação da história começou com Fernão Lopes, não começou há quinze anos aqui na wikipédia.

Artigo parcialíssimo[editar código-fonte]

Se a versão do artigo apresentando D. Beatriz como derradeira rainha da primeira dinastia era por certo parcial, a versão actual piorou significativamente em termos de objectividade. Não se trata de uma biografia da infanta portuguesa (o que, numa página intitulada Beatriz de Portugal, deveria ser o objectivo), mas antes um panegírico aos textos de Fernão Lopes e Lopez de Ayala - que, convém não esquecer, são CRÓNICAS, e como como crónicas que são, reflectem uma visão ideológica dos eventos relatados; são encomendas do poder político instalado, em ambos os casos, há pouco tempo, e que procuram desta forma legitimá-lo (convém recordar que a História é SEMPRE escrita pelos vencedores, e temos que proceder a um trabalho quase «arqueológico» para se fazer ouvir a voz dos vencidos; Fernão Lopes quer legitimar a nova Casa de Avis, subida ao trono após a "Crise" ou "Interregno" de 1383-85; Ayala, os Trastâmaras que se apossaram do poder após o assassínio de Pedro I em 1367). Quem estuda história sabe que não há nada mais perigoso do que basear a sua investigação apenas e tão-só em crónicas, não pode partir do pressuposto que relatam a verdade tal qual ela ocorreu; contêm erros, imprecisões, omissões (acidentais ou não). Por isso a crónica, ainda que constituindo evidentemente uma fonte histórica, não reveste necessariamente de veracidade histórica. A esse propósito parece-me bom recordar o pequeno opúsculo de Joaquim Barradas de Carvalho, Da História-Crónica à História-Ciência (7.ª ed., Lisboa, Livros Horizonte, 1991, ISBN 972-24-0487-3), e a introdução de Jorge Borges de Macedo ao catálogo da exposição Cronicões, Crónicas e Cronistas na Torre do Tombo (Lisboa, Arquivos Nacionais/Torre do Tombo, 1993), que poderão esclarecer qual o papel e as metodologias a utilizar quando se lida com crónicas.

Já escrevi em discussões anteriores não obstar a que se considere D. Beatriz entre o número dos monarcas de Portugal, mas não pretendo fazer disso um cavalo de batalha. Parece-me, porém, curioso, que sendo tal tese radicalmente negada ao longo da actual versão do artigo, a única obra citada, que não fonte, seja precisamente a tese de Olivera Serrano (de que sou feliz possuidor em versão impressa, e que pode ser também descarregada aqui), a qual defende a qualidade de rainha de Portugal para a nossa desditosa infanta. É certo ser o autor espanhol, e poder-se-á dizer que queira reescrever a história; quem se der ao trabalho de ler as suas quase seiscentas páginas compreenderá que utiliza outras fontes (que não apenas as parciais crónicas de F. Lopes e Ayala), dando ao leitor uma outra visão do que foi o período a que se costuma chamar interregno. E quem pretender uma recensão à mesma, pode também ler Armando Martins, D. Beatriz (1372-1420?). Uma rainha esquecida na história de portugal? (Clio, Lisboa, n.º 16/17, 2007, pp. 315-330, ISSN 0870-4104). Trata-se de um interessante confronto de ideias entre um historiador espanhol e outro português (sendo o livro e o artigo publicados por instituições avalizadas pelos organismos estatais espanhol e português de investigação científica, o CSIC e a FCT, respectivamente), sendo que a veritas, como a virtus, residirá, provavelmente, in medio. Um in medio que este artigo está longe de constituir.

A propósito, parece-me importante recordar que a sucessão de poderes constituintes, como é dito mais acima, não deve influir no devir da escrita da história. Como também já escrevi noutra discussão, o tempo de uma história oficial, ditada pelo Estado ou em função do Estado, já terminou há muito; não se trata de negar validade às Cortes de Coimbra de 1385, não é isso que está em causa; mas essas cortes foram urdidas para dar o poder a uma das facções que se digladiavam no conflito; legitimam-na como poder daí em diante, mas podem-no fazer retroactivamente, no que toca aos dois anos transcorridos desde a morte do Formoso? O trono está vago, pois a nenhum dos candidatos assiste melhor razão na querela, a qual é brilhantemente dirimida pelo doutor João das Regras em favor do Mestre de Avis. Mas podem as Cortes rescrever a história do que se passou no conturbado período que as antecedeu (uma rainha reinante por interposta regência de sua mãe, Leonor Teles)? Essa é a pergunta que temos que colocar, então como agora. De facto, não compete ao Estado, na altura as Cortes, hoje a Assembleia, tomar posição na escrita da história; veja-se, aliás, que a instituição competente nesse domínio, a Academia Portuguesa da História, não tem como missão a escrita de uma história oficial, mas tão-só «estimular e coordenar esforços tendentes ao rigoroso conhecimento da história nacional» (Decreto Lei n.º 357/84 de 31 de Outubro). A escrita da história muda com o correr do tempo; bastará lembrar, a propósito, que os manuais de história pátria do século XIX ensinavam que o período filipino constituía um governo de reis estrangeiros, e hoje a posição historiográfica dominante, sem esquecer a sua condição de reis castelhanos, frisa antes a sua actuação enquanto monarcas de um Estado tricéfalo, composto pelas Coroas de Portugal, Castela e Aragão (veja-se, a esse propósito, Fernando Bouza Álvarez, Portugal no Tempo dos Filipes. Política, Cultura. Representações (1580-1668), Lisboa, Edições Cosmos, 2000, ISBN 972-762-195-3 e Carlos Margaça Veiga, A Herança Filipa em Portugal, Lisboa, CTT, 2005, ISBN 972-9127-95-6). Espero que um dia a renovação científica sempre presente no domínio da história permita ver o período que medeia entre 1383 e 1385, não mais como um «interregnum», período entre reis, mas antes como o do reinado, com muitos sobressaltos, da infanta D. Beatriz, continuando a achar que as grandes resistências historiográficas, em Portugal, à aceitação de Beatriz como monarca, se prendem com o atávico receio que sentimos pelo nosso poderoso vizinho castelhano...

Em suma, pede-se aos colaboradores deste artigo uma refeitura urgente do mesmo, que dê a conhecer as duas posições de uma forma imparcial, e sem ser uma amplíssima paráfrase de crónicas e cronicões que, embora respeitáveis, não contam a verdade toda... --Andreas Herzog (discussão) 01h00min de 6 de maio de 2011 (UTC)

  • Herzog, por mim, você pode meter quando quiser os pés ao caminho. No entanto, se me permite, chamo-lhe a atenção para umas quantas coisas: 1) As tentativas de desacreditar Fernão Lopes como fonte estão actualmente em absoluto desacreditadas; 2) as cópias do testamento de Juan I de Castela são reconhecidas como credíveis; 3) o tratado de Salvaterra não dizia que sua mãe, a regente Leonor Teles, «a recebesse por rainha», dizia: «e que os naturais do Reino fizessem todos menagem que em tal caso houvessem ela por sua Rainha e Senhora»; 4) mesmo Ayala não é tão "fraca" fonte como a pintam, aliás, já o li todo e não lhe vejo grande parcialidade pró-castelhana, além da que seria nele espectável; 5) por fim, não há actualmente duas posições, há pelo menos quatro: A)posição maioritária - não foi Rainha; B)posição minoritária, defendida quer por autores portugueses, quer espanhóis, que anda há umas décadas a tentar fazer o seu caminho - foi Rainha titular até à eleição do Mestre de Avis como Regedor e Defensor do Reino (entre 16 e 24 de Dezembro de 1383); C) posição ainda mais minoritária - foi Rainha titular até às Cortes de Coimbra ou mesmo até à sua morte; D)posição ainda mais minoritária - o soberano era Juan I de Castela. O argumento da posição B) é o que o Herzog invocou: era a Rainha titular porque a mãe, a Rainha Leonor Teles, regeu em nome dela (até à eleição do Mestre de Avis como Regedor). Mas eis o que a posição B) esquece completamente: Juan I de Castela, em Toledo, no início de Novembro de 1383, não se proclama "rei titular de Portugal", proclama-se, isso sim, soberano pleno de Portugal, chamando a si as armas do Reino. Ele nunca aceitou a posição de soberano nominal ou titular para si ou para sua mulher, ou melhor, da única vez que o fez, quando entrou na Guarda, fê-lo contrariado e para logo, em Santarém, tomar a posição contrária. Abraço, Jorge alo (discussão) 21h27min de 12 de junho de 2011 (UTC)
    • Mas eu penso que a melhor situação seria no artigo dizer que alguns (poucos) autores consideram que ela foi rainha de facto ou de jure. Aliás, existe uma situação parecida com Inglaterra com a (Rainha) Lady Jane Grey. Penso que esta posição de "segundo a maioria, no entanto uma minoria". Agora penso que uma secção a dizer que "A infanta que nunca foi rainha" é já demasiado imparcial.Câmara (discussão) 15h46min de 5 de agosto de 2011 (UTC)
  • Ó Câmara, a posição "conciliatória" é defendida em Portugal, por exemplo, por Armindo de Sousa, na História de Portugal do José Mattoso, Editorial Estampa,Lda, II volume, p. 494 (ISBN 972-33-0919-X). Passo a transcrever, com algumas notas minhas entre parênteses: «Em conformidade com o Tratado de Salvaterra de Magos...D. Leonor ocupou a regência de Portugal. E fosse normal o curso dos tempos, haveria de ocupá-la muitos anos. O que não sucedeu. Porque não eram normais os tempos nem uníssonas as pessoas.

Logo que os reis legítimos D. João de Castela e D. Beatriz são aclamados pelas cidades e vilas (nota minha: Armindo de Sousa esqueceu-se de nos dizer quando é que foi o «logo que» e em que cidades e vilas, e como é que eles eram «reis legítimos» antes de serem aclamados), como era costume (nota minha: por acaso, não era nada costume em Portugal) e o tratado estipulava (isso sim, era "costume" novo instituído pelo tratado), as pessoas foram-se manifestando contrárias (nota minha: então como é que houve aclamação!?)e deram-se mesmo tumultos em algumas localidades. A nação contestava nas ruas o que fora acordado pelos políticos e homologado pelo Parlamento (por acaso também não era isso que a população contestava, mas sim a possibilidade de que o rei de Castela reinasse efectivamente em Portugal, coisa que não foi homologada pelo parlamento e estava exactamente contra o que o Parlamento homologara). Nada havia contra a pequenina Beatriz, de resto «expatriada», mas muito contra o marido dela e contra Leonor Teles, a quem chamavam a Aleivosa. Sobretudo o povo. Mas não só. Também fidalgos, os quais procuravam, a coberto de uma fidelidade póstuma a D. Fernando, ultrajado em sua honra viril, ressarcir-se no conde Andeiro e afastá-lo. E entre eles havia também quem temesse pela vida: o Mestre de Avis, por exemplo, que era filho d'el-rei D. Pedro e, por isso, fácil bandeira a arvorar pelos «nacionalistas», desejosos de um monarca lidimamente português. E esses temerosos tinham razão - porque realmente uma das primeiras coisas que o rei castelhano fez logo que soube da morte de D. Fernando foi prender outras «bandeiras» verosímeis, as que melhor teve à mão, o infante D. João, filho também de D. Pedro, e o conde de Gijon y Noroña, marido de D. Isabel, filha bastarda de D. Fernando. De modo que o País mexia-se, uns por interesse, outros por medo, uns por vingança, outros por patriotismo. Um golpe bem conduzido podia virar as coisas. E o golpe surgiu. No dia 6 de Dezembro. O conde Andeiro é assassinado em Lisboa e o povo da cidade é mobilizado para proteger o assassino - precisamente o Mestre de Avis. Depois a história precipita-se. A rebelião alastra pelo reino, o rei de Castela invade militarmente o país, a regente foge da «capital» e o Mestre de Avis é proclamado, revolucionariamente e contra vontade, «Regedor e Defensor de Portugal». Isto sucede em meados de Dezembro de 1383. E com isto termina a regência de D. Leonor Teles. De facto. Com a nomeação do Mestre de Avis como «Regedor e Defensor do Reino» pelo povo de Lisboa, contra todos os tratados e à rebelia de todo o direito, os reis aclamados anteriormente são abolidos e a regência de D. Leonor também. Entra-se num interregno. Ou seja, num período em que não há rei nem autoridade governativa que actue em seu nome...»

Assim, o que temos, mesmo nesta posição "conciliatória", que é seguida por alguns historiadores portugueses e espanhóis? Temos que se fala de Rainha Beatriz até meados de Dezembro...depois, «os reis...são abolidos». Portanto, mesmo nesta tese não há cá reinado nenhum da "rainha Beatriz" depois de meados de Dezembro de 1383. E é esta posição minoritária que de há umas décadas para cá está tentar "pôr-se na moda", contudo, também esta posição sofre de maleitas incuráveis. Primeiro, em Portugal, até então, ninguém era rei antes de ser «alçado» ou «levantado» por rei, numa cerimónia em que tinha de estar presente. No caso de Beatriz, tal cerimónia seria substituída por um novo costume: a aclamação. Estes autores dizem que houve tal aclamação, mas que raio de aclamação é essa que houve? Se a pretensa aclamação foi acompanhada ou seguida de motins e de revolta aberta, com a tomada das fortalezas numa série de vilas? É, no mínimo, uma curiosa aclamação. Mais, onde está, no tratado de Salvaterra, a cláusula da aclamação? Nisto, segundo a versão de Fernão Lopes, que praticamente copia o tratado: «e que os naturais do Reino fizessem todos menagem que em tal caso houvessem ela por sua Rainha e Senhora». Naturais não eram os da nobreza, mas sim todos os que tivessem propriedade. Onde é que os portugueses detentores de propriedade, à época, a reconheceram por Rainha? Como é que se pode afirmar tal coisa? Dizer, como alguns o fazem, que a aceitação de Leonor Teles como Regente trazia o reconhecimento implícito de Beatriz como rainha, parece muito lógico, mas não é a lógica da Idade Média. Porque é que, por volta de 22 de Novembro de 1383, um mês passado sobre a morte de D. Fernando, o rei castelhano quer que reconheçam a mulher como rainha de Portugal e a ele como rei? E mais, diz que ela é a herdeira? Porque era exactamente isso que ela era, uma herdeira do trono ainda não reconhecida como efectiva rainha titular.

Mais, como é que se pode declarar os dois como reis legítimos quando em Toledo, nos inícios de Novembro de 1383, Juan I de Castela se fizera proclamar soberano pleno de Portugal, tentando arvorar-se em senhor das armas do Reino? E não estou sequer a falar do estandarte, estou sim a falar da tentativa de nomear Vasco Martins de Melo para o pretenso cargo de alferes mor de Castela e Portugal. Já agora, se Beatriz e Juan I de Castela tivessem sido os reis legítimos até meados de Dezembro de 1383, então Portugal haveria tido um Alferes mor chamado Juan Hurtado de Mendoza. Esta tese "conciliatória", ao tentar proclamar "reis legítimos" por 60 dias, nega elementares factos históricos, a saber: Juan I pretendia-se o soberano pleno de Portugal, tão pleno que até deixaria de haver o Parlamento "homologador". Mesmo assim, poder-se-ia talvez dizer, bom, não foram reis plenos como Juan I dizia que eram, mas foram reis titulares por 60 dias. Para além de que teríamos reis titulares contra a vontade dos próprios, que diziam ser reis plenos, necessitávamos do acto que os tivesse «alçado a reis»: a aclamação pelos «naturais todos do Reino». Onde está ela?

Para terminar, eu de momento não tenho minimamente tempo para estar a colaborar num artigo biográfico de Beatriz (o Herzog nisso tem razão, o artigo podia ter muito mais dados biográficos, que tem muito poucos). Daqui a uns meses até poderei ter bastantes dados para fornecer e também poderei eventualmente colaborar na redacção, mas actualmente não posso. Entretanto, como já disse há um ano, nada tenho contra modificações no artigo que dêem conta das posições historiográficas minoritárias, desde que essas modificações sejam sérias, e não disparates pegados, fruto de cabecinhas imaginativas. Abraço, Jorge alo (discussão) 16h16min de 17 de agosto de 2011 (UTC)

--Templarius 01 (discussão) 19h54min de 4 de março de 2018 (UTC) Sete anos passados e o artigo continua parcialíssimo, não tem quase dados biográficos e misturam a vida de D. Beatriz com a da Crise de 1383-1385, só dá visibilidade à tese da historiografia vencedora (pró-Avis) e nem coloca as demais teses de que a reconhecem como rainha portuguesa, seja entre outubro-dezembro de 1383, seja mesmo até às Cortes de 1385 onde legalmente acaba a primeira dinastia. Acho muito bem que esteja 'na moda' rever a figura de Leonor Teles e de Beatriz e que se reveja a História, as fontes e os factos pois continuar a citar Fernão Lopes como fonte é mesmo um disparate. Como foi bem dito, Lopes escrevia para exaltar e justificar a ascenção dos Avis e deposição dos Borgonha. Mas pior que Ayala, Lopes nem sequer é contemporâneo da crise política nem da infanta/rainha de Portugal. A atitude do rei de Castela não diz nada sobre a legitimidade de D. Beatriz como rainha de Portugal e de Leonor como sua regente até ela ter um filho. O facto dele não gostar do testamento de D. Fernando e do que foi estipulado em cortes, apenas é importante para se perceber o que precipitou a crise dinástica e política e a aclamação do Mestre de Avis como regente.

Rascunho para desenvolvimento do artigo[editar código-fonte]

Fontes portuguesas actuais:

  • Mesquita, Ana Filipe; Vilas Boas, Cláudia. "História 8 Preparar os Testes 2009-livro auxiliar". Terceiro ciclo do ensino básico|8.º Ano. Areal editores, SA: Maia. ISBN 9789896470616.

Texto: «Após a morte de D. Fernando, em 1383, o reino português viu-se confrontado com uma crise dinástica, facto que agravou ainda mais a situação do país. Entre 1383-1385, Portugal viveu um clima de instabilidade política, já que D. João I de Castela e D. João, mestre de Avis, disputaram o trono português. O primeiro representava a união de Portugal com Castela e o segundo a manutenção da independência nacional. A aclamação de D. João, mestre de Avis, como rei de Portugal nas cortes de Coimbra, em 1385, e a consequente vitória portuguesa, em Agosto do mesmo ano, em Aljubarrota, puseram fim às aspirações castelhanas e reafirmaram a independência nacional».

  • Marques, A. H. de Oliveira (1987). "Nova História de Portugal" IV - Portugal na crise dos séculos XIV e XV. Editorial Presença: Lisboa. Páginas 522-526.

Jorge alo (discussão) 00h06min de 27 de fevereiro de 2012 (UTC)

--Templarius 01 (discussão) 19h34min de 4 de março de 2018 (UTC) 1) Esse rascunho não está diretamente relacionado com D. Beatriz mas sim com a crise política de 1383-1385. 2) O trecho não invalida a legalidade e o facto de Leonor Teles ter sido regente, e de o ter sido em nome da única herdeira legítima de D. Fernando, D. Beatriz, sendo por isso rainha de Portugal de facto até dezembro e de jure até às cortes de 1385. 3) O trecho citado dá a ideia de que a crise política começou com a morte de D. Fernando, o que não é propriamente verdade: as únicas fontes da época que chegaram aos dias de hoje dizem que os tumultos se iniciaram em dezembro de 1383.

Rainha de iure de 22 de Outubro a 16 de Dezembro?[editar código-fonte]

Segundo Armindo de Sousa, teria sido Rainha a partir do momento em que a aclamaram. Interessante, mas aclamaram-na mesmo, ou, segundo o «Tratado de Salvaterra», quando é que os naturais do Reino (= a todos os proprietários que tivessem. pelo menos, uma cama e um burro (= 300 libras)a tomaram, incondicionalmente, por Rainha de iure? Mesmo López de Ayala, apenas se referindo a Lisboa e com erro na data, afirmava que a coisa (aclamação) «foi muito duvidosa». Porém, para já, como há algumas fontes (minoritárias) que se arrogam afirmar que teria sido Rainha de iure nesse breve período, pode-se também aqui afirmar que existe uma escola minoritária defendendo tal tese: rainha de iure durante 55 dias. Porém, não se pode fazer da afirmação de uma corrente minoritária um facto: uma coisa é dizer que uma corrente minoritária defende tal tese, outra coisa é dizer que «foi». Aliás, o problema vai ter rapidamente (em tempo de historiografia) cura. abraço, Jorge alo (discussão) 21h07min de 15 de maio de 2015 (UTC)

--Templarius 01 (discussão) 19h23min de 4 de março de 2018 (UTC) Os erros e contradições da historiografia portuguesa repetem-se ad aeternum: se é inquestionável que Leonor Teles foi regente, de acordo com o testamento de D. Fernando, não pode ser questionável que ela foi regente em nome da única herdeira legítima: D. Beatriz. Por isso, sim, D. Beatriz foi rainha de Portugal de facto enquanto a rainha-mãe foi regente. Independentemente de terem sido governantes populares, de algumas cidades se terem recusado a cumprir com os protocolos de aclamação. Facto é que até meados de dezembro de 1383 tudo estava a ser cumprido de acordo com o estipulado pelas Cortes e pelo testamento de D. Fernando sem tumultos relevantes. Nominalmente, D. Beatriz foi rainha de jure até às cortes de 1385, o único órgão que oficialmente acaba com os Borgonha e instala os Avis. Esta página está gravemente escrita, com lacunas e adjetivos qualificativos lamentáveis.

Eu não escrevi nenhuma biografia da Beatriz, chamada de «Portugal» em Castela[editar código-fonte]

O que escrevi, em sentido lato, é que um milhão de herdeiros contestaram, por maioria de razão, o seu direito à herança. Aliás o contencioso jurídico foi perfeitamente resolvido em Aljubarrota, de tal maneira que toda a gente ficou convencida, e o único que não, coitadito, caiu de um cavalo. Abraço, Jorge alo (discussão) 20h55min de 24 de junho de 2015 (UTC)

Ou seja, isto quer dizer que, quando fizerdes uma biografia a sério desta Beatriz, podeis até modificar os títulos todos das secções deste artigo, o qual é dedicado a ela e é da História (ciência da...), sem oposição minha. Fazendo-o, não vos esqueçais de dizer que esteve por duas vezes para ser morta por causa das andanças do seu esposo, uma em 1384 e outra em 1385 (I - 1 bulbão ou 2 bulbões da peste e II - castelhanos muito enraivecidos após Aljubarrota). Abraço, Jorge alo (discussão) 21h22min de 1 de julho de 2015 (UTC)

Um real de prata a vigarizar um selo[editar código-fonte]

Rapazes, podeis correr e saltar, no selo mandado fazer para Beatriz pelo seu... estão 7 CASTELOS. Saltai, correi, e continuai a ser assim como sois (?) que o selo continua na mesma. 2001:8A0:E945:D201:6D5A:A2FB:E06C:342F (discussão) 22h32min de 24 de junho de 2015 (UTC). Houve aqui uma falha na assinatura, que é Jorge alo (discussão) 22h35min de 24 de junho de 2015 (UTC)

Este texto está manifestamente ultrapassado.

Não pode herdar um Volkswagen e dizer que lhe têm de dar um Ferrari![editar código-fonte]

É questão básica. E se recusa o V(W)olkswagen, recusa o que herdou. Interessante que ninguém tenha reparado nesta, ou não tenha querido reparar-