Discussão:Processo dos Távoras

    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

    Nota lingüística[editar código-fonte]

    Realmente pensava que essa regra gramatical aplicava-se somente a prenomes, e não a sobrenomes (apelidos) -- a não ser que se queira referir a um grupo de pessoas pertencentes a distintas famílias que, coincidentemente, compartilham o mesmo sobrenome, sem contudo ter qualquer relação consangüínea entre si, sendo assim os Távoras e não os Távora. Tonyjeff 02:33, 1 Setembro 2006 (UTC)

    Em consulta a dois brasileiros, Paulo Ramos, que é jornalista, professor e consultor de língua portuguesa do Grupo Folha-UOL, e Dílson Catarino, professor de Português, concluiu-se que, apesar de tradicionalmente nosso idioma adotar os sobrenomes no plural (os Maias, os Silvas, os Távoras), a gramática moderna permite o uso opcional no singular (os Maia, os Silva, os Távora), constatando-se inclusive ser essa a tendência da imprensa brasileira, o que pode ser provado por diversos artigos jornalísticos recentes. Dessa forma, apesar de se poder alegar até certo "puritanismo" em Os Távoras, não se pode alegar como um erro o uso de os Távora. Sugiro então que seja alterada a observação no início do artigo. Tonyjeff 12:58, 29 Setembro 2006 (UTC)
    Não sei se a nota é necessária, mas sobre o tema deixo os seguintes links: [1], [2], [3], [4], [5], [6]. Dantaddσυζήτηση 13:30, 29 Setembro 2006 (UTC)


    Caro senhor... Tentou fundamentar a sua opinião com: 1- A opinião de dois professores de Portugues (Brasil); 2- O uso corrente já feito pelo jornalismo. Vamos aso factos: A opinião dos dois professores que consultou carece de justificação. Sendo assim, a fundamentação continua por ser feita. O titulo de "professor de portugues" é suficiente para leccionar a disciplina de portugues, até determinado grau, e não representa a comunicade linguística. O facto de haverem jornais que usam ou que digam, não legitima o erro. Pela gramática é erro e na ausência de factos GRAMATICAIS, lingústicos, continuará a ser erro. Queria alertar para a possibilidade de o portugues (Brasil) poder ter regras diferentes do portugues (internacional). Na Europa, Africa e Ásia, sempre se soube dizer "os Tavora". No Brasil será diferente quando o nome de origem é portugues ?! Obviamente que nao! Passe bem.

    Se diz que uma suposta "gramática moderna" admite "tavoras" como OPÇÃO, basta lembrar-lhe que, acreditando que isso é verdade, a opção recem aberta NÃO É REGRA. Alguem que tenha o nome de Pedro de Almeida, porque é um elemento da família Almeida, não toma como próprio o nome de família. Portanto, "Távora" é o nome da família e "os Távora" são todos os elementos da mesma família Távora. A única possibilidade de falar em "Távoras" é quando existem várias famílias "Távora" enunciadas conjuntamente, coisa que nem está em causa. "Os Pereira" e "os Pereiras" são situações diferentes. No primeiro caso trata-se de uma determinada família, no segundo caso tratam-se de famílias diferentes evocadas conjuntamente. Facil entender?! No Brasil é vulgar até que qualquer um "Pereira" adote para brasão o de uma outra família pereira, de quem o brasão é legítimo. Espero que pelo argumento "jornalístico" de alguns este caso não passe a ser "legal". Enfim... Os "Tavora" são assim ditos desde sempre e assim continuará correctamente a ser falado em bom portugues internacional.

    Processo dos Távoras e pena de morte.[editar código-fonte]

    A pena de morte não foi abolida em Portugal no tempo de D. Maria I, mas só em 1867, sob o reinado de D. Luis. Parece pois muito pouco provável que haja qualquer relação entre a abolição e o processo dos Távoras. Daí a supressão de um parágrafo do capítulo "Consequências".