Ecocídio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Ecocídio é uma expressão que pode ser usada para fazer referência a qualquer destruição em larga escala do meio ambiente ou à sobre-exploração de recursos não-renováveis.[1] O termo foi também usado em relação aos danos ambientais devidos à guerra, como por exemplo o uso de desfolhantes na Guerra do Vietname.[2] Ecocida é também um termo utilizado para uma substância que dizima espécies num ecossistema o suficiente para desestabilizar a sua estrutura e função.[3] Uma exemplo pode ser uma alta concentração de um pesticida no meio ambiente devido a um derrame.

O teórico e ativista ambiental Patrick Hossay[4] acredita que a espécie humana está a cometer ecocídio, por via dos efeitos da civilização industrial no ambiente global. Muito do movimento ambientalista moderno pega neste conceito como um preceito. Críticos do ecocídio normalmente dizem que os impactos causados pelos humanos não são suficientemente sérios a ponto de ameaçar a habilidade da Terra para suportar vida complexa.

Uma outra definição de ecocídio é aquela em que um organismo destrói outros ecossistemas que o dele próprio (exemplo: cancro). Por exemplo, pode ser dito que durante o Pré-Câmbrico, as cianobactérias cometeram ecocídio sobre a ecologia prevalecente, através da libertação de oxigénio no meio ambiente. Organismo para os quais o oxigénio era venenoso desapareceram, enquanto que as algas e outros organismos adaptaram-se.

De acordo com esta interpretação, a espécie humana pode estar a cometer ecocídio em vários sistemas ecológicos à volta do mundo, mas a destruição destes ecossistemas menores não tem impacto material na sobrevivência humana. Sob este ponto de vista, o ecocídio pode ser estetica e moralmente reprovável, mas não material e economicamente.

No coração do conceito de ecocídio estão questões práticas e morais: está a atividade humana a destruir sistemas ecológicos que suportam a sua própria sobrevivência?

A empresa Vale S.A. esta cometendo um ECOCÍDIO. Crime contra a humanidade. A Vale S.A. tem que conter esta agressividade catastrófica que vem praticando através da exploração de "Minério de Ferro". Parece um câncer maligno engolindo nossas montanhas, sujando de lama nossas águas cristalinas, exterminando por meio cruel a FLORA E A FAUNA.

A internet deveria ser usada para divulgar rapidamente as informações referente a devastação que a Vale S.A. tem efetuado em todo o ECOSSISTEMA da America do Sul, afetando assim toda a humanidade, quebrando barreiras, descumprindo acordos e protocolos internacionais. Temos que unir todas as forças, independente da nacionalidade, credo ou cor da pele, sexo ou nível social e cultural. Temos que parar a Vale S.A. antes que ela pare o nosso planeta.

A escocesa Polly Higgins tinha um bem-sucedida carreira como advogada em Londres, atuando como especialista em direito corporativo e trabalhista. Uma mudança na área do Direito, porém, acabou por torná-la conhecida como a "advogada da Terra". Ao migrar para a área civil, ela se questionou de que maneira seria possível criar formas legais de cuidar daquele que seria seu principal cliente a partir de então, o próprio Planeta. Nessa jornada, ela tem um objetivo: incluir o ecocídio como quinto item da na lista de crimes contra a paz, ao lado de genocídio, crimes contra a humanidade, crimes de guerra e os crimes de agressão. O termo vem sendo utilizado, com diferentes interpretações, desde os anos 1970, e pode ser definido como "a extensa destruição, dano ou perda do ecossistema de um determinado território, seja por ação humana ou por outras causas, a tal ponto que a utilização pacífica daquele território por seus habitantes seja severamente comprometida”.

Polly Higgins, FRSGS nasceu Pauline Helene, (4 de julho de 1968 [1] - 21 de abril de 2019) foi uma advogada , escritora e lobista ambiental escocesa , descrita por Jonathan Watts em seu obituário no The Guardian como "uma das figuras mais inspiradoras". no movimento verde ". [2] Ela deixou sua carreira como advogada para se dedicar à defesa do meio ambiente e, sem sucesso, pressionou a Comissão de Direito das Nações Unidas a reconhecer o ecocídio como um crime internacional. Higgins escreveu três livros, incluindo Erradicating Ecocide , e iniciou o grupo Earth Protectors para levantar fundos para apoiar a causa.


Ecocídio é um substantivo masculino.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Texto inicialmente baseado na tradução do artigo «Ecocide» na Wikipédia em inglês (acessado nesta versão).

  1. Random House (2006) Unabridged Dictionary
  2. Modern warfare equals environmental damage. USA Today Magazine, January 2008, Vol. 136 Issue 2752, p6-6,
  3. Cunningham, W; et al. (1998). Environmental encyclopedia. Detroit: Gale. ISBN 0-8013-9314-X Verifique |isbn= (ajuda) 
  4. in Unsustainable A Primer for Global Environmental and Social Justice, Zed Books: London, 2006,see 'Ecocide' and 'Toxic Planet', pp. 22-34.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]