Enciclopédia da Estória Universal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Enciclopédia da Estória Universal é o segundo livro publicado por Afonso Cruz, após o seu romance de estreia A Carne de Deus (tendo sido, contudo, escrito primeiro, de acordo com o autor)[1]. Um engenhoso e divertido exercício borgesiano, venceu o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco de 2009.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A Enciclopédia da Estória Universal , como o próprio nome indica, encontra-se organizada como uma verdadeira enciclopédia(e publicitada[2] como uma alternativa à de Diderot e d'Alembert), com uma série de entradas ordenadas alfabeticamente. As entradas remetem para 66 referências bibliográficas (a maior parte delas claramente apócrifa) e para uma rede de supostos autores, bizarros e obscuros, que se citam uns aos outros. Na sua maioria, os textos da Enciclopédia são ficções curtas, quase sempre escritas num registo solene, prontamente desarmadilhado pelo recurso à ironia e ao humor.[3]

Da Contra-capa[editar | editar código-fonte]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Referências