Eridu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:

Eridu (Abu Shahrein, O Iraque, "Lugar Poderoso" ou "Lugar do Príncipe") foi uma cidade antiga localizada a 11,2 quilômetros a sudoeste de Ur, hoje conhecida como Tell Abu Shahrain no Governorado Dhi Qar, no Iraque. Eridu representava a extremidade sul do conglomerado de cidades que se desenvolveu ao redor de templos na Suméria, país no sul da Mesopotâmia. Eridu foi pensado para ser criado pelos deuses e foi a casa do deus da água Enki. A cidade de Eridu recebe destaque na mitologia suméria, não só como a primeira cidade do mundo antigo mas também como a morada dos deuses.

História[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que Eridu foi fundada junto à boca do rio Eufrates. Com o acúmulo milenar de lama e barro às margens do rio, entretanto, os restos da cidade tiveram sua posição alterada, encontrando-se agora em Aby Shahrain, no Iraque, a certo distanciamento do golfo.

Investigações arqueológicas tomaram lugar na década de 1940, provando que o assentamento mais antigo da região provavelmente ocorreu por volta de 5.000 a.C. De acordo com Oppenheim, "em última instância, toda a parte sul mergulhou em estagnação, relegando a iniciativa política aos governantes das cidades nortistas." Isso culminou no ostracismo da cidade em 600 a.C.

Na lista de reis sumérios, diz-se que em Eridu regeram os primeiros reis:

Quando o Dom da Realeza desceu dos céus, ela tomou seu lugar em Eridug. Em Eridug, Alulim tornou-se rei; ele reinou por 28.800 anos. Alaljar reinou por 36.000 anos. Dois reis; eles reinaram por 64.800 anos. Então Eridug caiu, e a majestade foi transferida para Bad-tibira.

A lista dos reis sumérios mostra governos curiosamente longos aos reis que precederam o "dilúvio".

Eridu era a cidade mesopotâmica menos desenvolvida; com elevados níveis de pobreza, praticamente só o rei tinha uma condição melhor de vida. Este tomou lugar entre os Apkallu, os sete sábios famosos. Era um mortal de linhagem divina que, como muitos heróis gregos, encontrava-se no limiar entre dois mundos. Ao quebrar as asas do Vento Sul, que tinha virado seu barco de pesca, Adapa foi chamado para prestar contas frente a An (ou Anu). Ea, seu deus protetor, o preveniu quanto ao uso de alimentos durante sua estada no céu, terminando por privá-lo da imortalidade naquele momento.

Na corte da Assíria, médicos especiais, nas extremidades sulistas da região, treinados na sabedoria anciã de Eridu, previam ou profetizavam o aparecimento de doenças a partir de sinais e do comportamento do corpo de pacientes – ideia essa que não deve ser de imediato associada ao conceito de "sintomas" do ponto de vista contemporâneo, já que usavam-se de encantamentos e recursos mágicos.

Na mitologia Suméria, Eridu representava a moradia do deus Enki, a contraparte sumeriana do deus da água Ea. Como todos os outros deuses babilônicos e sumérios, Enki/Ea teve seu início como deus local, mais tarde vindo a partilhar, de acordo com a cosmologia sumeriana, a regência do cosmo junto a An (ou Anu) e a Enlil. Seu reino era constituído das águas que cercavam o mundo e descansavam sobre ele.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]