Escola Nacional de Defesa Cibernética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Escola Nacional de Defesa Cibernética
Resumo da ENaDCiber
Sede Brasília
Agência mãe Centro de Defesa Cibernética

A Escola Nacional de Defesa Cibernética (ENaDCiber) é um Projeto que integraria o Programa da Defesa Cibernética na Defesa Nacional e objetiva a capacitação de recursos humanos para atuar na Defesa Cibernética do País. Seria um centro polarizador de ensino e pesquisa da Defesa Cibernética Nacional. [1] [2] Cabe à Escola fomentar e disseminar as capacitações necessárias à Defesa Cibernética de interesse da Defesa Nacional, nos níveis de sensibilização, conscientização, formação e especialização, por meio do desenvolvimento de capacidades humanas que garantam a liberdade de ação no espaço cibernético, particularmente visando a defesa e a pronta resposta às ameaças e agressões cibernéticas, contribuindo, assim, com a garantia da soberania e integridade do patrimônio nacional.[3][4][5]

História[editar | editar código-fonte]

A implantação da ENaDCiber foi definida por meio da Portaria Normativa no 2777, de 27 de outubro de 2014 publicada no Diário Oficial da União (DOU).[6] [7] No documento, o Ministério da Defesa definiu as atribuições do Estado­ Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), da Secretaria­ Geral da pasta e do Exército Brasileiro para dar formato às propostas do Comando de Defesa Cibernética e da Escola de Defesa Cibernética.[8]

No prosseguimento, o Comandante do Exército, por intermédio da Portaria No 002, de 2 de janeiro de 2015, ativou o Núcleo da Escola Nacional de Defesa Cibernética (NuENaDCiber), subordinado ao Centro de Defesa Cibernética (CDCiber), cuja inauguração das instalações provisórias foi realizada em 21 de julho de 2015, no Quartel-General do Comando Militar do Planalto.[3][4][5]

Finalidade[editar | editar código-fonte]

O Projeto alinha-se à Estratégia Nacional de Defesa (END), que norteia a necessidade de se capacitar recursos humanos na área cibernética, em prol das operações conjuntas e interagências e para colaborar na proteção das infraestruturas estratégicas da Nação. Da mesma forma, a ENaDCiber vem ao encontro do que estabelece a Política Cibernética de Defesa e ao Livro Branco de Defesa Nacional ao capacitar recursos humanos para a proteção do espaço cibernético.

Composição[editar | editar código-fonte]

É um estabelecimento de ensino da Defesa Cibernética composto por docentes militares e civis e atenderá ao fundamento da END de inseparabilidade entre defesa e desenvolvimento nacional, por meio do desenvolvimento de capacidades humanas em quantidade e qualidade, que visam garantir a defesa contra ameaças e agressões cibernéticas, contribuindo, assim, com a garantia da soberania e integridade do patrimônio nacional.

Coordenação[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, a Escola coordena capacitações por intermédio do Instituto de Defesa Cibernética (embrião da ENaDCiber), estrutura de coordenação e de promoção de capacitações composta por civis e militares. Posteriormente, após a construção de suas instalações, dará continuidade na capacitação de recursos humanos com atividades presenciais de amplo espectro e dualidade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]