Escova dental ultrassônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Escova dental ultrassônica (Megasonex)

Uma escova de dentes ultrassônica é uma escova dental elétrica projetada para uso doméstico diário que fornece ultrassom para ajudar a remover a placa bacteriana, tornando-a inofensiva. Ele geralmente opera a uma freqüência de 1,6 MHz, ou seja, 96.000.000 pulsos ou 192.000.000 movimentos por minuto. O ultrassom é definido como uma série de ondas de pressão acústica gerada com uma frequência para além da audição humana.[1]

Fundo[editar | editar código-fonte]

As escovas de dentes elétricas têm sido utilizadas pelo público desde o início da década de 1950. Hoje, elas evoluiram e com base na velocidade da vibração, é possível dividi-los em três categorias: elétricas, sônicas e ultrassônicas.

As escovas dentais elétricas podem vibrar acima e para baixo, girar em círculos, e às vezes fazer uma combinação de ambos. Tipicamente, a velocidade da vibração é medido em movimentos por minuto. As escovas de dentes elétricas comuns vibram a uma velocidade de entre alguns milhares de vezes por minuto a aproximadamente 10.000 a 12.000 vezes por minuto. As escovas sônicas são chamados assim porque a velocidade ou a frequência da sua vibração, ao contrário do ruído do seu motor, cai dentro da gama média que é utilizado pela voz humana.

A voz humana de um típico homem adulto tem uma frequência fundamental de 85 a 180 Hz (10.200 a 21.600 movimentos por minuto), e a voz de uma típica mulher adulta varia de 165 a 255 Hz (19.800 a 30.600 movimentos por minuto).[2][3] As escovas de dentes ultrassônicas geralmente fornecem ondas ultrassônicas utilizando um cristal piezoelétrico implantado que emite uma freqüência ultrassônica, o que, teoricamente, poderia ser tão baixo como 20.000 Hz (2.400.000 movimentos por minuto). No entanto, a freqüência mais comum, que tem sido investigada em muitos estudos científicos[4] é de aproximadamente 1.6MHz, ou seja, 96.000.000 pulsos ou 192.000.000 movimentos por minuto.

História[editar | editar código-fonte]

A primeira escova dental ultrassônica, vendida pela Sonex Corporation, inicialmente sob a marca Ultima® e posteriormente sob a marca Ultrasonex®, foi patenteada pela primeira vez em os EUA em 1992,[5] o mesmo ano em que a aprovação da FDA para o uso doméstico diário foi dada. Inicialmente, a escova Ultima® só forneceu ultrassom. Alguns anos mais tarde, um motor para a escova Ultrasonex® foi adicionado para fornecer a vibração sônica também. Mais tarde, a Sonex Corporation foi vendida a Salton, Inc., que começou a distribuir o produto em os EUA e em outros países. Em 2008, os novos proprietários da companhia Salton decidiram abandonar o mercado da higiene oral e, desde então, várias empresas começaram a vender novas escovas de dentes ultrassônicas sob marcas como Megasonex® e Ultreo®. No final de 2013, outras marcas de escovas ultrassônicas começaram a aparecer no mercado. Hoje, a maioria das escovas de dentes ultrassônicas simultaneamente fornecem a ultrassom ea vibração sonora.

Eficácia[editar | editar código-fonte]

O ultrassom, no intervalo de 1,0 a 3,0 MHz é amplamente usado em dispositivos médicos terapêuticos para acelerar a reparação óssea[6] e da laceração,[7] para o tratamento da estomatite aftosa[8] e do sangramento gengival,[9] para a remoção da placa[10] e mais.

Segurança[editar | editar código-fonte]

O ultrassom tem sido usado na medicina por quase meio século e a segurança da sua utilização tem sido estudada por quase o mesmo período de tempo. Em 1992, a FDA dos EUA permitiu, pela primeira vez, o uso do ultrassom a uma frequência de 1,6 MHz em uma escova dental. Em 1993, o American Institute of Ultrasound in Medicine (AIUM), em conjunto com o National Electrical Manufacturers Association (NEMA) desenvolveu o padrão de exibição de saída (ODS), incluindo o índice térmico e o índice mecânico que foram incorporados ao novos regulamentos da FDA. Estes regulamentos limitam a potência de saída destes dispositivos a um nível suficientemente baixo para evitar o aumento da temperatura do tecido circundante por mais de 1°C.[11]

Referências

  1. http://bme240.eng.uci.edu/students/08s/amoy/physics.html
  2. Titze, I.R. (1994). Principles of Voice Production, Prentice Hall (currently published by NCVS.org) (pp. 188), ISBN 978-0-13-717893-3.
  3. Baken, R. J. (1987). Clinical Measurement of Speech and Voice. London: Taylor and Francis Ltd. (pp. 177), ISBN 1-5659-3869-0.
  4. Shinada K, Hashizume L, Teraoka K, Kurosaki, N. Effect of ultrasonic toothbrush on Streptococcus mutans. Japan J. Conserv. Dent. 1999; 42 (2): 410-417.
  5. Patente dos EUA N ° US5247716, 18 de agosto de 1992, Robert T. Bock
  6. Padilla F, Puts R, Vico L, Raum K. Stimulation of bone repair with ultrasound: a review of the possible mechanic effects. Ultrasonics. 2014 Jul;54(5):1125-45. doi: 10.1016/j.ultras.2014.01.004. Epub 2014 Jan 17.
  7. Young SR, Hampton S, Martin R. Non-invasive assessment of negative pressure wound therapy using high frequency diagnostic ultrasound: oedema reduction and new tissue accumulation. Int Wound J. 2013 Aug;10(4):383-8. doi: 10.1111/j.1742-481X.2012.00994.x. Epub 2012 Jun 4.
  8. Brice SL. Clinical evaluation of the use of low-intensity ultrasound in the treatment of recurrent aphthous stomatitis. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 1997 Jan;83(1):14-20.
  9. Terezhalmy GT, Iffland H, Jelepis C, Waskowski J. Clinical evaluation of the effect of an ultrasonic toothbrush on plaque, gingivitis, and gingival bleeding: a six-month study. J Prosthet Dent. 1995 Jan;73(1):97-103.
  10. Shinada K, Hashizume L, Teraoka K, Kurosaki, N. Effect of ultrasonic toothbrush on Streptococcus mutans. Japan J. Conserv. Dent. 1999; 42 (2): 410-417.
  11. American Institute of Ultrasound in Medicine (AIUM). Bioeffects and safety of diagnostic ultrasound. Laurel, MD: AIUM Publications; 1993